UM ESTUDO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) A PARTIR DA ABORDAGEM DA AÇÃO COLETIVA

  • Fernanda Litvin Villas Boas Universidade de Brasília
  • Daniela Lobo D'Avila Universidade de Brasília
  • Leila Chalub Martins Universidade de Brasília
Palavras-chave: Pibid. Formação de professores. Educação básica. Política docente. Ação-coletiva.

Resumo

A melhoria da qualidade da educação básica configura-se como um dos grandes desafios para o desenvolvimento social e econômico do Brasil. Reconhecendo a importância do papel do professor, este artigo busca analisar o processo de implementação do Pibid a partir da perspectiva teórica da ação coletiva. O Pibid foi implementado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), autarquia do Ministério da Educação (MEC) em 2007, com o propósito de qualificar a formação inicial de professores a partir da inserção do licenciando no cotidiano das escolas da rede pública, ressignificando-se a relação entre teoria e prática em seu processo formativo. A análise dos primeiros resultados mostra a importância do programa no cenário de políticas docentes e a sua contribuição para a melhoria da qualidade da educação brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Litvin Villas Boas, Universidade de Brasília

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento, Sociedade e Cooperação Internacional do Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares da Universidade de Brasília; Mestre em Desenvolvimento Sustentável (CDS/UnB); Analista em Ciência e Tecnologia, Capes/MEC.

Daniela Lobo D'Avila, Universidade de Brasília

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento, Sociedade e Cooperação Internacional do Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares da Universidade de Brasília (PPGDSCI/CEAM/UnB) com o tema de pesquisa em políticas públicas para pessoas com deficiência em Angola e Mestre em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Leila Chalub Martins, Universidade de Brasília

Professora associada da Universidade Brasília, com atuação no PPG em Desenvolvimento, Sociedade e Cooperação Internacional e no PPG Educação. Doutora em Antropologia pela UNICAMP. Estágio pós-doutoral no Centren d'Analyse et d"Intervention Sociologiques - CADIS, da École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris, França (2011/2012).

Referências

ANDRADE, J. A. de. Redes de atores: uma nova forma de gestão das políticas públicas no Brasil? Gestão & Regionalidade, n. 64, maio/ago. 2006.
BERNHEIM, Carlos T.; CHAUÍ, Marilena S. Desafios da universidade na sociedade do conhecimento: cinco anos depois da conferência sobre ensino superior. Brasília: UNESCO, 2008.
CAPES. Plano nacional de pós-graduação [PNPG] 2011-2020. Brasília: CAPES,
2010. v. 1.
______. Relatório de Gestão DEB: 2009-2012. Brasília: CAPES, 2015a, v. 1.
______. Relatório de Gestão DEB: 2009-2012. Brasília: CAPES, 2015b, v. 2.
GATTI, Bernadete. A formação de professores no Brasil: características e problemas. Educação e Sociedade, Campinas, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, out./dez. 2010.
______. A; BARRETO, E. S. de S. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 2009. Disponível em:
.
______. Pesquisa, educação e pós-modernidade. Cadernos de Pesquisa, v. 35, n. 126, p. 595-608, set./dez. 2005.
______. A; BARRETO, E. S. de S; ANDRÉ, M. E. D. A. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: UNESCO, 2011.
HARVEY, David. A condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Edições Loyola, 1993.
HATCHUEL, A. Quel horizon pour les sciences de gestion? Vers une théorie de l’action collective. In : DAVID, A.; HATCHUEL, A.; LAUFER, R. (eds.). Les nouvelles fondations des sciences de gestion. Vuibert, 2008.
LASCOUMES, P.; LE GALÈS, P. A ação pública abordada pelos seus instrumentos. Revista Pós Ciência e Sociologia, v. 9, n. 18, jul./dez. 2012.
LASWEL L. L. Politics: who gets what, when, how. Cleveland, Meridian, Books. 1936/1958.
LATOUR, B. Reagregando o social: uma introdução à teoria do ator-rede. Trad. Gilson César Cardoso de Sousa. Salvador/Bauru: Edufba/Edusc, 2012, 399p.
_______. Esperança de pandora. Bauru, SP: EDUSC, 2001.
LYNN, L, E. Designing public policy: a casebook on the role of policy analysis.
Santa Monica, Calif.: Goodyear, 1980.
MEAD, L. M. Public policy: vision, potential, limits, policy currents. February, p. 1-4, 1995.
NÓVOA, Antônio. Professores: imagem do futuro presente. Lisboa: EDUCA, 2009.
OLSON, M. The logic of collective action. Cambridge, Mass.: Harvard University Press. 1965.
PETERS, B. G. American public policy. Chatham, N. J.: Chatham House, 1986.
ROLDÃO, M. C. Profissionalidade docente em análise: especificidades dos ensinos superior e não superior. Nuances: estudos sobre educação, v. 12, n. 13, Portugal, jan./dez. 2005, p.105-126.
SARAVIA, E. Introdução à teoria da política pública. In: SARAVIA, E; FERRAREZI, E. (Org.). Políticas públicas. Brasília: ENAP, , p. 21-42.
SOUZA, Celina. Políticas públicas: questões temáticas e de pesquisa, Caderno CRH, n. 39, 2003, p. 11-24.
______. Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, ano 8, n. 16, jul./dez. 2006, p. 20-45.
TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2003.
______.; LESSARD, C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis: Vozes, 2005.
Publicado
2016-11-06
Como Citar
Villas Boas, F., D’Avila, D., & Martins, L. (2016). UM ESTUDO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) A PARTIR DA ABORDAGEM DA AÇÃO COLETIVA. Revista Perspectivas Do Desenvolvimento, 4(5). Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/perspectivasdodesenvolvimento/article/view/18845
Seção
Artigos