A NATUREZA DA PAISAGEM ENTRE OS GREGOS

Sued Ferreira da Silva

Resumo


O artigo apresenta uma discussão sobre o pensamento da
paisagem entre os antigos gregos, suas características e limites.
Entende-se que a paisagem é o locus das interações simbólicas
entre o sujeito, o território e o ambiente que o envolve.
Assumindo-se como fenômeno vivido, tem sua significância
cultural reconhecida, já que ultrapassa acepções que a restringe
a uma unidade visual, um plano de fundo distanciado das
experiências da vida. No mundo grego, a paisagem divide-se em
três dimensões: natural, habitada e mítica, as quais são
interdependentes e entrelaçadas. Suas fronteiras são
claramente demarcadas com os ὅροι, pedras delimitatórias e
templos de fronteira, de modo a comunicar suas narrativas,
acessos, usos e códigos ritualísticos, indicando uma ordem
cultural, social e política em uma natureza indiferenciada.
Palavras chaves: Paisagem; Mito; Limite; Horos; Templos de
Fronteira.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18830/issn.1679-0944.n16.2016.13

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Sued Ferreira da Silva

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN 1679-0944

Creative Commons License

Paranoá is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

 

Verificação Anti-plágio: