“AS ILHAS DOS ABENÇOADOS” - arte política e mito no Górgias de Platão

Dr. Tiago Nascimento de Carvalho

Resumo


O texto do Górgias de Platão esta na seleta parte dos diálogos responsáveis pela discussão do Estado Ideal e o homem de Estado. Mesmo, que se defina a obra como um tratado acerca da retórica, este elemento principal se conecta a discussão do Estado Ideal, como o pode também ser observado na República, Crítias, ou no Timeu. Afinal, o homem de Estado não é exatamente e tão somente o príncipe, ou o basileus, mas para Sócrates é o homem político, todo aquele cuja voz na pólis se faz ouvir por força ou direito. Há um grave problema no discurso socrático quando sua retórica se estimula pelo poder das palavras em oposição aà realidade das ações. Então aparece a verdadeira arte política que põe o poder em xeque por meio de reações adversas, quando para o filósofo é difícil convencer o ouvinte sobre a pedagogia essencial da formação do político (Dois exemplos em Plutarco, o de Demóstenes e Cícero, dialogam tão bem, com o discurso de Sócrates acerca deste embróglio). O mythos como narrativa passa a ser a última tentativa de explicação sobre o papel político do homem de Estado. Sócrates, por fim desenvolve uma fábula ou narrativa (Mythos) chamada a Ilha dos Abençoados.

Palavras-chave: Estado Ideal; Retórica; Política; Arte Política; Homem de Estado.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18830/issn.1679-0944.n16.2016.03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Dr. Tiago Nascimento de Carvalho

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN 1679-0944

Creative Commons License

Paranoá is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

 

Verificação Anti-plágio: