Os indígenas nos Campos de Viamão na década de 1750

  • Isadora Diehl Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Resumo

A historiografia brasileira costumou negar a presença indígena na porção meridional do país. O seguinte trabalho visa compreender de que forma os indígenas participaram da constituição social da região dos Campos de Viamão, no atual estado brasileiro do Rio Grande do Sul, na década de 1750. As questões levantadas são: quem eram estes indígenas? De que forma entraram na órbita da sociedade lusa? Como transitaram dentro dela? Para responder utilizam-se os Róis de Confessados e os Registros de Batismo de Viamão. A estas fontes foi aplicado o método demográfico, combinado a uma análise mais qualitativa. A constatação de uma evolução demográfica negativa da população ameríndia leva questionar o motivo deste “desaparecimento” e debater sobre a questão da identidade indígena. A pesquisa mostra que, predominantemente, a inserção dos indígenas na sociedade lusa meridional foi por meio da servidão, que tem uma variada origem territorial e que suas formas de transito social, nesta região fronteiriça, parecem responder a uma lógica de permanente reconstrução.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isadora Diehl, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

UFRGS

Referências

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. Metamorfoses Indígenas: identidade e cultura nas aldeias coloniais do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2003.

CARDOSO, Fernando Henrique. Capitalismo e escravidão no Brasil Meridional: O negro na sociedade escravocrata do Rio Grande do Sul. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CLASTRES, Pierre. Arqueologia da Violência: Ensaios de Antropologia política. São Paulo: Brasiliense, 1980.

FARBERMAN, Judith e RATTO, Silvia, coord. Historia mestizas em el Tucumán colonial y las pampas, siglos XVII-XIX. Buenos Aires: Biblos, 2009.

GARCIA, Elisa Frühauf. As diversas formas de ser índio: políticas indígenas e políticas indigenistas no extremo sul da América Portuguesa. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2009.

KÜHN, Fábio. ―Os campos de Viamão: uma fronteira do império luso-brasileiro‖. in Raízes de Viamão, org. Barroso, Vera Lúcia M. Porto Alegre: EST, 2008.

KÜHN, Fábio. O “Governo dos Índios”: a Aldeia dos Anjos durante a administração de José Marcelino de Figueiredo (1769-1780). 3º Encontro de escravidão e liberdade no Brasil, 2007.

LANGER, Protasio Paulo. Os Guarani-Missioneiros e o colonialismo luso no Brasil meridional. Porto Alegre: Martins Livreiro, 2005.

MONTEIRO, John Manuel. Negros da Terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. Companhia das Letras, São Paulo, 1994.

NEUMANN, Eduardo Santos. A fronteira tripartida: a formação do continente do Rio Grande- século XVIII. In: Luiz Alberto Grijó; Fábio Kuhn; Cesar Augusto Barcellos Guazzelli; Eduardo Neumann (Org.). Capítulos de história do Rio Grande do Sul; Porto Alegre, 2004.

OSÓRIO, Helen. O império português no sul da América: estancieiros, lavradores e comerciantes. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2007.

PORTO, Aurélio. História das Missões Orientais do Uruguai. Porto Alegre: Selbach, 1954.

SIRTORI, Bruna. Uma fonte inexplorada. Os róis de confessados possibilidades e limites documentais. ‗Usos do Passado‘ — XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006.

SIRTORI, Bruna. Entre a cruz, a espada, a senzala e a aldeia: Hierarquias sociais em uma área periférica de Antigo Regime. (dissertação de mestrado), UFRJ, 2008.
Publicado
2012-06-27
Edição
Seção
Artigos