Estaleiro Escola do Maranhão – Uma Estratégia de Salvaguarda dos Conhecimentos Tradicionais

– “Uma Estratégia de Salvaguarda dos Conhecimentos Tradicionais”

  • Luiz Phelipe de Carvalho Castro Andrés
Palavras-chave: Patrimonio Imaterial; embarcações; saberes; Maranhão; inventário.

Resumo

 O Estado do Maranhão possui extensa faixa da costa setentrional brasileira que por sua vez é assolada por uma das maiores marés do planeta, com amplitudes que variam até 7 metros. Este fenômeno determina um litoral de configuração geográfica extremamente recortada e com grandes florestas de mangues onde se torna praticamente impossível construir estradas costeiras. Em meio a este desenho sinuoso, que se estende do delta do Rio Parnaíba à fronteira com o Pará,  encontra-se a foz de diversos rios caudalosos, formando arquipélagos com centenas de ilhas, furos, igarapés e baías interiores. Neste universo  ainda isolado, vivem milhares de famílias que dependem das embarcações artesanais como meio de subsistência e para a pesca artesanal e transporte de passageiros e cargas. Em 1986 realizamos com a Finep a pesquisa denominada “Embarcações do Maranhão/Recuperação das técnicas tradicionais populares” que conquistou o premio Rodrigo Melo Franco de Andrade em 1996 na categoria de Inventário de  acervos e pesquisas. Esta pesquisa foi publicada em livro sob a chancela MINC / UNESCO em  1998. Entretanto o principal resultado foi a criação do Estaleiro Escola funcionando desde dezembro de 2006, onde os velhos mestres carpinteiros navais tem o seu conhecimento valorizado e são tratados com o respeito que se deve aos professores, mestres e doutores da academia universitária. Aqui eles encontram o ambiente favorável para  transmissão de seus conhecimentos às novas gerações, evitando assim o seu desaparecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-10-29
Como Citar
AndrésL. P. de C. C. (2018). Estaleiro Escola do Maranhão – Uma Estratégia de Salvaguarda dos Conhecimentos Tradicionais. Museologia & Interdisciplinaridade, 7(14), 229-243. https://doi.org/10.26512/museologia.v7i14.18399