Os Novos Museus e a Estética na Pós-modernidade

  • Marcel Ronaldo Morelli de Meira
Palavras-chave: Museus; Arte; Arquitetura; Estética; Pós-modernidade

Resumo

 Esse artigo considera a eclosão dos novos museus como sintomática da cultura pós-moderna iniciada nos anos 1980. Toma como referência o Centro George Pompidou, em Paris (1977), considerado o marco inaugural da dita cultura dos museus, além do Guggenheim Bilbao (1997), tomado aqui como o principal exemplo da arquitetura icônica e midiática  dos museus contemporâneos. A arquitetura espetacular dos novos museus, observada de modo mais claro no exemplo do museu Guggenheim de Frank Gehry, é compreendida como emblemática do esgotamento da arquitetura moderna, marcado pela perda de sua  função prospectiva, e do surgimento da chamada pós-modernidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADORNO, T. Museu Valéry Proust. In: Prismas: crítica cultural e sociedade. São Paulo: Ática, 1998. p. 173-185.
ARANTES, O. Uma estratégia fatal: a cultura nas novas gestões urbanas. In: VAINER, C.; MARICATO, E. (orgs.). A cidade do pensamento único: desmanchando conceitos. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 11-74.
______. Os novos museus. In: O lugar da arquitetura depois dos modernos. São Paulo: Edusp, 1993. p. 231-246.
BAUDRILLARD, J. O efeito Beaubourg. In: Simulacros e simulação. Lisboa: Relógio d’Água, 1991. p. 81-96.
______. O grau zero da arquitetura na era financeira. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 80, p. 175-95, mar. 2008.
BENJAMIN, W. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1986. p. 165-96.
FABBRINI, R. A fruição nos novos museus. Especiaria: Cadernos de Ciências Humanas, Ilhéus, v. 11, n. 19, pp. 245-268, jan./jun. 2008.
______. O fim das vanguardas. Cadernos da Pós-Graduação do Instituto de Arte, Unicamp, Campinas, ano 8, n. 2, pp. 111-29, 2006.
HABERMAS, J. Arquitetura moderna e pós-moderna. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 18, pp. 115-124, set. 1987.
______. Modernidade: um projeto inacabado. In: ARANTES, O.; ARANTES, P. Um ponto cego no projeto moderno de Habermas: arquitetura e dimensão estética depois das vanguardas. São Paulo: Brasiliense, 1992, p. 99-123.
HUYSSEN, A. Escapando da amnésia: o museu como cultura de massa. In: Memórias do modernismo. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 1996. p. 222-255.
______. Mapeando o pós-moderno. In: HOLLANDA, H. B. (org.). Pós-modernismo e política. Rio de Janeiro: Rocco, 1991. p. 15-80.
JAMESON, F. “Fim da arte” ou “fim da história”?. In: A cultura do dinheiro: ensaios sobre a globalização. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001a. p. 73-93.
______. A transformação da imagem na pós-modernidade. In: A cultura do dinheiro: ensaios sobre a globalização. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001b. p. 95-142.
______. A lógica cultural do capitalismo tardio. In: Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ática, 1996a. p. 27-79.
______. Teorias do pós-moderno. In: Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ática, 1996b. p.80-90.
MARINETTI, F. Fundação e manifesto do futurismo. In: BERNARDINI, A. F. (org.). O futurismo italiano: manifestos. São Paulo: Perspectiva, 1980. p. 31-36.
RECAMÁN, L. Posfácio: nem arquitetura nem cidades. In: ARANTES, O. Urbanismo em fim de linha: e outros estudos sobre o colapso da modernização arquitetônica. São Paulo: Edusp, 2011. p. 211-222.
VALÉRY, P. O problema dos museus. Revista MAC, São Paulo, n. 2, p. 53-55, nov. 1993.
WISNIK, G. Do petróleo ao resort. In: Estado crítico: à deriva nas cidades. São Paulo: Publifolha, 2009. p. 137-140.
Publicado
2018-10-29
Como Citar
Meira, M. R. (2018). Os Novos Museus e a Estética na Pós-modernidade. Museologia & Interdisciplinaridade, 7(14), 207-214. https://doi.org/10.26512/museologia.v7i14.18396