Arte contemporânea e a (RE) construção da memória

  • Aline Hubner Freitas
  • Magali Melleu Sehn
Palavras-chave: Arte contemporânea, memória, museu, registro, patrimonio cultural.

Resumo

O artigo tem como objetivo apresentar uma reflexão da arte contemporânea e a preservação da memória. Aborda sobre os principais pontos da arte contemporânea a partir da década de 60, a qual designa as formas artísticas surgidas no início desta década, que recorrem a todo tipo de materiais e processos, liberdade que permanece até hoje. Essas obras colocam em contraposição o sistema de registro e documentação, modelos de circulação e interação, diante de uma produção que está cada vez menos preocupada com sua continuidade memorial. Através dessas considerações de materialidade, performances, vídeos, arte digital, efemeridade e arte conceitual, os questionamentos apresentados são: qual o lugar de memória na arte contemporânea? Qual o papel do museu nesse novo contexto? Quais são os desafios de lidar com a preservação da obra e a intenção do artista? Sendo assim, busco responder esses questionamentos, estabelecendo relações entre os conceitos de memória, museu, arte contemporânea e preservação. Exemplificando através de um estudo sobre a obra “Retratos, 2013” do artista Oscar Munõz, que fundamenta sua pesquisa artística através dos conceitos de memória, efemeridade e instante temporal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARCHER, Arte Contemporânea: uma história concisa. São Paulo, Editora WMF Martins Fontes, 2012.

ARCHER, Michael. Art Since 1960. Londres: Thames and Hudson, 1997.

ARGAN, Giulio Carlo. Arte moderna: do iluminismo aos movimentos contemporâneos. Tradução Denise Bottmann, Frederico Carotti. São Paulo: Companhiadas Letras, 1992.

BEIGUELMAN, Giselle. Futuros possíveis: arte, museus e arquivos digitais, artigo Reinventar a memória é preciso, São Paulo, Edusp, 2014.

CANDAU, Joel. Antropologia de La memória. Buenos Aires: Nueva Vision, 2002.

GOMES, Paulo, Jornal do MARGS, nº 87, abril de 2003.

MENESES, Ulpiano. Conferência na Escola de Informação UFMG, 24 de setembro de 2010.

MENESES, Ulpiano. Entrevista realizada pelo SESC de São Paulo, postado em 21 Janeiro de 2011.

NORA, Pierre. Les lieux de Mémoire. Paris: Gallimard, 1984.

OLIVEIRA, Emerson Dionísio Gomes. Registros e ausências: arte contemporânea como desafio para historiadores da arte, Revista Museologia & Interdisciplinaridade. PPGCinf/UnB, 2013.

SEHN, Magali. Entre Resíduos e Dominós, preservação de instalações de arte no Brasil. São Paulo. Editora C/Arte, 2010.

TADDEI, Fernanda. “ Museu de Arte Contemporânea um lugar para a memória”. XI Encontro Estadual de História, FURG, Rio Grande, 2012.

Publicado
2018-10-29
Como Citar
FreitasA. H., & SehnM. M. (2018). Arte contemporânea e a (RE) construção da memória. Museologia & Interdisciplinaridade, 7(14), 176-187. https://doi.org/10.26512/museologia.v7i14.18393

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##