A experiência da Cooperativa de Trabalhadores Cegos (COOPERTRAC)

Pessoas com deficiência visual no Estado da Bahia organizam-se para gerar trabalho e renda

  • Robenilson Nascimento dos Santos Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: Deficiência visual; Mercado de trabalho; COOPERTRAC

Resumo

O movimento que culminou na organização e fundação da COOPERTRAC teve início em janeiro de 1999, a partir de uma reunião entre cinco pessoas deficientes visuais. A COOPERTRAC é um empreendimento popular e solidário, cujo princípio fundamental é a gestão democrática, isto é, a ampla participação no processo decisório. O objetivo deste trabalho é apresentar um relato de experiência, descrevendo a trajetória desta entidade, desde a mobilização, fundação, conquistas alcançadas e o processo de dispersão do grupo. Antecedendo ao relato propriamente dito, com base em nossa experiência e apoiado em alguns teóricos, é realizada uma breve análise em uma perspectiva crítico-reflexiva acerca da inserção de pessoas com deficiência no mercado de trabalho, estabelecendo relações com o contexto social contemporâneo, bem como com a realidade vivida por essas pessoas no Estado da Bahia, especificamente aquelas que possuem deficiência visual (cegueira ou baixa visão). Nas considerações finais, expressamos uma postura otimista, esperançosa, porém consciente e com a convicção de que ainda é possível conceber a COOPERTRAC enquanto alternativa de geração de trabalho e renda para as pessoas cegas no Estado da Bahia, pois é claramente percebido nos discursos de todos aqueles que também vivenciaram a experiência que a COOPERTRAC é um sonho ainda “vivo”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Robenilson Nascimento dos Santos, Universidade Federal da Bahia

Doutorando no Programa de Pós-graduação em Difusão do Conhecimento na Universidade Federal
da Bahia (UFBA). 

Referências

BAUMEL, R. C. R. de C.; CASTRO, A. M. de. Educação especial: do querer ao fazer. São Paulo: Editora Avercamp, 2003.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1998.

_______. Decreto nº 5.296 de 2 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília, DF: 2004. Lei 8.112 de 11 de dezembro de 1990. Dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União, das autarquias e das fundações públicas federais. Brasília, DF: 1990.

_______. Lei 8.213, de 24 de julho de 1991. Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. Brasília, DF: 1991.

CAIADO, K. R. M. Aluno deficiente visual na escola: lembranças e depoimentos. Campinas: Autores Associados; PUC, 2003.

_______. Associação Baiana de Cegos (ABC). Estatuto. 24 de fevereiro de 2004. Disponível em: http://www.abcegos.org.br/estatuto. Acesso em: 19 jun. 2016.

LANCILLOTTI, S. S. P. Deficiência e trabalho: polêmicas do nosso tempo. Campinas, SP: Autores Associados, 2003. (Coleção Polêmicas do Nosso).

LIBÂNEO, J. C.; OLIVEIRA, J. F. de; TOSCHI, M. S. Educação Escolar: políticas, estrutura e organização. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2007. (Coleção Docência em Formação).

PASTORE, J. Oportunidades de trabalho para portadores de deficiência. São Paulo: LTR, 2001.
Publicado
2017-10-18
Como Citar
SantosR. N. dos. (2017). A experiência da Cooperativa de Trabalhadores Cegos (COOPERTRAC). Mundo Do Trabalho Contemporâneo, 2(2), 143-155. Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/mtc/article/view/7219
Seção
Reflexões sobre a prática