Desenvolvimento de empreendimento econômico solidário

Um estudo sobre a coopercanção – Maringá/PR

  • Maria Adélia Alves Sousa Universidade Estadual de Maringá
  • Rosalina Lima Izepão Universidade Estadual de Maringá
  • Mara Lucy Castilho Universidade Estadual de Maringá
Palavras-chave: Economia Solidária; Coopercanção; Coleta e reciclagem; Sucatas eletrônicas

Resumo

Os empreendimentos de Economia Solidária têm crescido, no mundo e no Brasil, em razão do aumento da pobreza e das desigualdades, oriundas do Capitalismo que é fundamentalmente concentrador e excludente. A Coopercanção, objeto deste artigo, é uma cooperativa de catadores e recicladores de lixo eletrônico do Município de Maringá, cujos cooperados encontraram na coleta e nos processos de reciclagens, meios de sobrevivência e de inclusão no mercado de trabalho, por meio dos princípios coletivistas. O objetivo foi verificar se a cooperativa tem se desenvolvido e apresentado crescimento e rentabilidade aos cooperados, desde a sua fundação até os dias atuais. Como resultado tem-se que a cooperativa vem contribuindo decisivamente para a melhoria de vida e renda dos cooperados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Adélia Alves Sousa, Universidade Estadual de Maringá

Economista - Técnica do Núcleo/Incubadora Unitrabalho da Universidade Estadual de Maringá.

Rosalina Lima Izepão, Universidade Estadual de Maringá

Professora do Departamento de Economia da Universidade Estadual de Maringá. 

Mara Lucy Castilho, Universidade Estadual de Maringá

Professora do Departamento de Economia da Universidade Estadual de Maringá.

Referências

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Evolução do cooperativismo no Brasil: DENACOOP em ação. 2006. Disponível em: . Acesso em: 25 jan 2016.

BORGES, W.A; NASCIMENTO, A. A; ESCARANTE, A.D. et al. Incubação de empreendimentos econômicos solidários (EES) formados por catadores de materiais recicláveis. Anais do 32º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul (SEURS). 18 a 20 de agosto de 2014. Disponível em: www.unitrabalho.uem.br. Acesso em 11 nov. 2016.

BRUE, S. História do pensamento econômico. São Paulo: Thomson, 2005.

COOPERCANÇÃO. Arquivos e documentos. Maringá: Coopercanção, 2015.

CULTI, M. N. Incubadora universitária de empreendimentos solidários: aspectos conceituais e práxis dos processos de incubação. Paraná: Cauiás, 2011.

DUARTE, N. Formação do Indivíduo, Consciência e Alienação: o ser humano na psicologia de Leontiev. Caderno Cedes, Campinas, vol. 24, n. 62, 2004.

FEIJÓ, R. História do pensamento econômico. 2. Ed. São Paulo: Atlas, 2017.

GAIGER, L. I. A presença política da Economia Solidária. In: GEORGES, I, LEITE, M. de P. Novas configurações do trabalho e economia solidária. São Paulo: Annablume,
2009.

LECHAT, N. M. P. As raízes históricas da economia solidária e seu aparecimento no Brasil. In: BARCELOS, E. S. et all (Orgs). Economia Solidária: sistematizando experiências. Rio Grande do Sul: Unijai, 2010.

OCB-Organização das Cooperativas Brasileiras. Apresentação Institucional Sistema Cooperativista, 2010. Disponível em: www.ocb.org.br. Acesso em: 26 jan 2016.

RODRIGUES, F. L.; CAVINATTO, V. M. Lixo: de onde vem? Para onde vai? São Paulo: Moderna, 1997.

SANDRONI, P. Dicionário de Administração e Finanças. São Paulo: Best Seller, 1996.

SINGER, P. Introdução à Economia Solidária. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2002.

SINGER, P. O que é Economia. Brasiliense: São Paulo, 1998.

SINGER, P. Economia Solidária Versus Economia Capitalista. Soc. Estado (online), v. 16, n 1-2, pp.100-112, 2001. Disponível em: www.scielo.br/scileo. Acesso em: 03 jul 2017.
Publicado
2017-10-26
Como Citar
Sousa, M., Izepão, R., & Castilho, M. (2017). Desenvolvimento de empreendimento econômico solidário. Mundo Do Trabalho Contemporâneo, 2(2), 374-398. Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/mtc/article/view/7206
Seção
Reflexões sobre a prática