As políticas públicas e a economia solidária

A gestão social como ferramenta para a economia solidária

  • José Ribeiro Gomes onselho Estadual da Economia Popular Solidária do Estado de Minas Gerais
Palavras-chave: Gestão Social, Economia Solidária

Resumo

Este artigo propõe uma reflexão sobre as políticas públicas, economia solidária e a gestão social tendo como objetivo precípuo, analisar a gestão social como ferramenta de gestão para a Economia Solidária no Estado de Minas Gerais. Buscou-se conhecer e entender a gestão social como ferramenta de gestão para a Economia Solidária, evidenciando os desafios que o movimento de ES enfrenta ao procurar direcionar ações que visem à melhoria e efetividade da política pública no Estado. Tal fato proporciona, entre outros problemas elencados, dificuldades na geração de relações no âmbito do movimento e governo, que respeitem a diversidade dos vários grupos sociais envolvidos, investigando a mobilização popular para a construção da política pública dentro dos espaços democráticos. Tornou- se necessário conceituar democracia e como se deu o seu processo de construção no país, a construção das políticas públicas e em específico a economia solidária e por fim a gestão social, compreendendo ser a melhor ferramenta de gestão para uma política pública, desde a sua formulação, monitoramento, avaliação e execução. Utilizou-se para o desenvolvimento do referido artigo o método crítico dialético ancorado na teoria social critica, se valendo da pesquisa bibliográfica e documental, como livros, revistas, periódicos, sites e artigos científicos. As reflexões aqui encaminhadas foram instigadas após leituras, estudos e pesquisas acerca do tema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Ribeiro Gomes, onselho Estadual da Economia Popular Solidária do Estado de Minas Gerais

Graduado em Serviço Social pelo Centro Universitário Una. Pós Graduado no Curso de Especialização (MBA - UNA) Gestão de Programas e Projetos Sociais. Pós-Graduado em Promoção da Igualdade Racial na escola. Especialização UNIAFRO: Universidade Federal de Ouro Preto – UFOP. Membro titular da Mesa de Diálogo e Negociação para resolução dos conflitos urbanos e agrários do governo. Secretário executivo do Conselho Estadual da Economia Popular Solidária do Estado de Minas Gerais. Diretor de comercialização na Subsecretaria de Trabalho e Emprego (SUBTE) - Secretaria de Estado do Trabalho e Desenvolvimento Social (SEDESE). Artigo apresentado no IV Simpósio Mineiro dos Assistentes Sociais, ocorrido em Belo Horizonte Minas Gerais.

Referências

ANTUNES, R. (Org.). A dialética do trabalho II: escritos de Marx e Engels. 1ª. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

AVELAR, L.; CINTRA, A. O. (Orgs.). Sistema político brasileiro: uma introdução. Rio de Janeiro: Editora Unesp, 2007.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Acontece SENAES. Boletim informativo da Secretaria Nacional da Economia Solidária. Edição especial. Brasília: MTE. Jun. 2009.

_________. A Economia Solidária. Disponível:. Acesso: 17 set. 2015.

CARVALHO, J. M. Cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001 p. 1931.

CONSELHO FEDERAL DO SERVIÇO SOCIAL. Economia Solidária – desemprego e precarização do trabalho. Parecer em atendimento à deliberação n.º 18 do eixo de Seguridade Social do Relatório Final do 40º Encontro Nacional CFESS/CRESS. Brasília, 21 de junho de 2013.

CORAGGIO, J. L. La economia social desde la periferia: contribuiciones latinoamericanas. Buenos Aires: Altamira, 2007.

DAL MOLIN, F. P. F.; ALLEBRANDT, S. L. Relatório técnico-científico: Gestão social: aproximações conceituais. XIX SIC – Seminário de Iniciação Científica, 2011.

DEMO, P. Participação é uma conquista: noções da política social participativa. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1993.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GAIGER, L. I. G. (Coord.). A Economia Solidária no Brasil: uma análise de dados nacionais. São Leopoldo: Oikos, 2014.

HABERMAS, J. Direito e democracia: entre facticidade e validade. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro,1997.

INSTITUTO MARISTA DE SOLIDARIEDADE. Desenvolvimento Local Sustentável e Solidário – DLSS Outra Economia é necessária e urgente.Belo Horizonte, MG: Instituto Marista de Solidariedade, 2012.

JACOBI, P. Políticas sociais e ampliação da cidadania. Rio de Janeiro: FGV 2000, p. 12.

LADEIRA, C. B.; COSTA, B. L. D. (Orgs.). Gestão social: o que há de novo? Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, 2004.

LIMA, J. C. Trabalho flexível e autogestão: estudo comparativo entre cooperativas de terceirização industrial. In: LIMA, J. C. (Org.). Ligações perigosas: trabalho
flexível e trabalho associado. São Paulo: Annablume, 2007. p. 127-170.

MINAS GERAIS. Plano Estadual de desenvolvimento da Economia Popular Solidaria. Disponível em: http: www.social.mg.gov.br/economiasolidaria. Acesso em 06 jun. 2017.

RAICHELIS, R. Democratizar a Gestão das Políticas Sociais: Um desafio a ser enfrentado pela sociedade civil. Serviço Social e Saúde: formação e trabalho profissional. – 3. ed. – São Paulo: Cortez; Brasília < DF: OPAS, OMS, Ministério da Saúde, 2008. p. 2 a 17.

SANTOS, B. de S. (Org.). Democratizar a democracia: os caminhos da democracia participativa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

SINGER, P. Economia solidária: um modo de produção e distribuição. In: SINGER, P. SOUZA, A. R. (Orgs.) A economia solidária no Brasil. São Paulo: Contexto,
2000.

_________. Globalização e desemprego: diagnóstico e alternativas. 4ª ed. São
Paulo: Contexto, 2001.

_________. Introdução à economia solidária: seis anos da SENAES. In: BRASIL.
Ministério do Trabalho e Emprego. Acontece SENAES. Boletim informativo. Edição
especial. Brasília: MTE. Jun. 2009.

TENÓRIO, F. G. O mito da participação. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro: EBAP/FGV, v. 24, n. 3, p. 162-164, maio/jul./1990.

_________. Flexibilização organizacional: mito ou realidade? 2ª. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2002.

THEODORO, M.; JACCOUD, L.; OSORIO, R. et al. (Orgs.). As políticas públicas e a desigualdade racial no Brasil: 120 anos após a abolição. 1ª. ed. Brasília: Ipea, 2008.
Publicado
2017-10-26
Como Citar
Gomes, J. (2017). As políticas públicas e a economia solidária. Mundo Do Trabalho Contemporâneo, 2(2), 359-373. Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/mtc/article/view/7205
Seção
Reflexões sobre a prática