A metodologia de construção das feiras de economia solidária e seu impacto sobre os ganhos

Um estudo sobre a Feira Baiana

  • André Luis Ferreira da Silva Secretaria do trabalho, Emprego, Renda e Esporte, SETRE, Brasil. - Salvador
Palavras-chave: Pluralidade dos princípios econômicos;, eiras de economia solidária;, metodologia de feiras e ganhos multidimencionais.

Resumo

Este trabalho tem por objetivo identificar a natureza dos ganhos obtidos por membros de empreendimentos econômicos solidários que participaram das edições da Feira Baiana de Economia Solidária e Agricultura Familiar, além de propor uma relação entre a metodologia adotada pela gestão das feiras e a natureza desses ganhos. O ponto de partida traz dois pressupostos: 1) Um evento de natureza e fins diversos não gera somente ganhos financeiros aos seus participantes; 2) A metodologia de construção desse evento tem impacto na natureza desses ganhos. Esses pressupostos estiveram embasados pelo marco conceitual específico em que a economia é considerada a partir de uma pluralidade de princípios, além de abordar os ganhos dos empreendimentos econômicos solidários a partir de cinco diferentes dimensões. Assim, a abordagem da dimensão econômica mercantil está imbrincada com os aspectos políticos e sociais. Com base na caracterização da natureza de uma feira de economia solidária, da contextualização da metodologia de construção desses eventos, incluindo uma análise do evento da Bahia, foi construído um quadro análitico dividido em cinco dimensões: socieconomica, sociopolítica, sociocultural, sociotecnológica e sociambiental. A partir dessa perspectiva, foram entrevistados os membros de empreendimentos econômicos solidários que participaram das edições realizadas entre 2007 e 2010. Com esse estudo, conclui-se que uma feira de economia solidária possibilita a geração de ganhos multidimencionais e, para tanto, a sua construção precisa estar orientada pela metodologia do Programa Nacional de Apoio às Feiras de Economia Solidária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Luis Ferreira da Silva, Secretaria do trabalho, Emprego, Renda e Esporte, SETRE, Brasil. - Salvador

Graduado em Marketing pela Faculdade Integrada da Bahia, especialista em Metodologia do Ensino Superior, pela Universidade de Salvador e também especialista em Gestão Pública e Sociedade com Ênfase em Economia Solidária pela Universidade Federal do Tocantins, Mestrado Multidisciplinar e Profissional em Desenvolvimento e Gestão Social da Universidade Federal da Bahia.

Referências

AMORIM, R. Feiras de Economia Solidária: fenômeno de socialização ou redescoberta do mercado? XV Congresso Brasileiro de Sociologia Grupo de Trabalho GT06 – Economia social e solidária: alternativas de trabalho, participação e mobilização coletiva. Curitiba, 2014.

BAHIA. Governo do estado da Bahia. Lei 12.368 de 13 de dezembro de 2011, que versa sobre a instituição da Política Estadual de Fomento à Economia Solidária no Estado da Bahia e do Conselho Estadual de Economia Solidária. Bahia: Governo da Bahia, 2011.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Relatório de atividades da Senaes Avanços e Desafios para as Políticas de Economia Solidária no Governo Federal - 2003/2010. Brasília: MTE, 2012.

_________. Ministério do Trabalho e Emprego; Ministério do Desenvolvimento Agrário. Cartilha 1, série: feiras de Economia Solidária Programa Nacional de Fomento as Feiras de Economia Solidária. Brasília: MTE, 2006.

_________. Ministério do Trabalho e Emprego. Termo de referência do Sistema Nacional do Comércio Justo e Solidária. Disponível em: http://acesso.mte.gov.br/data/files/8A7C816A3ADC4075013AFECE06F969A4/Termo_Referencia_SNCJS.pdf. Acesso em 20 abril 2016.


_________. Secretaria Nacional de Economia Solidária. Relatório de avaliação do Programa Nacional de Apoio às Feiras de Economia Solidária. Brasília: SENAES, 2010.

_________. Secretaria Nacional de Economia Solidária. Termo de Referência: Feiras de Economia Solidária no Brasil. Disponível em: http://acesso.mte.gov.br/data/files/FF8080812B35FA90012B4B7E355E142B/prog_org_feira_termo_feiras.pdf. Acesso em: 15 dez. 2015

_________. Secretaria Nacional de Economia Solidária. I Conferência Nacional de Economia Solidária. Anais. Brasília: SENAES/MET, 2006.

_________. Secretaria Nacional de Economia Solidária. II Conferência Nacional de Economia Solidária. Anais. Brasília: SENAES/MET, 2010.

_________. Secretaria Nacional de Economia Solidária. III Conferência Nacional de Economia Solidária. Anais. Brasília: SENAES/MET, 2014.

FARIA, M. S.; NOVAES, H. T. (2011) O sentido histórico da autogestão. In: BENINI, E. A.; FARIA, M. S.; NOVAES, H. T. e DAGNINO, R. (Orgs.) Gestão Pública e Sociedade: fundamentos e políticas públicas da economia solidária. São Paulo: Outras Expressões. p. 153 – 186.

FRANÇA FILHO, G.; LAVILLE, J.-L. Economia solidária uma abordagem internacional. Rio Grande do Sul: UFRGS, 2004.

GAIGER, L. I. G. A economia solidária no Brasil: uma análise de dados nacionais. Luiz Inácio G. Gaiger (Coord.), Patrícia Sorgatto Kuyven, Cláudio Barcelos Ogando, Sylvio Antônio Kappes e Jardel Knecht da Silva - São Leopoldo: Oikos, 2014.

_________. Sentido e possibilidades da economia solidária hoje. In: Kraychete, G. et al. (org.) Economia dos Setores Populares: entre a realidade e a utopia. Petrópolis, RJ: Vozes; Rio de Janeiro: Capina; Salvador: CESE: UCSal, 2000, p.167 – 198.

GIÁCOMO, C.Tudo acaba em festa: evento, líder de opinião, motivação e público. 2 ed. São Paulo: Sociais, 1997. 

MOURA, M. S. S.; MEIRA, L.  Desafios da Gestão de Empreendimentos Solidários. Bahia Análise & Dados, Salvador, v. 12, n.1, p. 77-84, 2002.

NASCIMENTO, C (2011) A autogestão e o “novo cooperativismo”. In: BENINI, E. A.; FARIA, M. S.; NOVAES, H. T. e DAGNINO, R. (Orgs.) Gestão Pública e Sociedade: fundamentos e políticas públicas da economia solidária. São Paulo: Outras Expressões. p. 91 – 99.

POLANYI, K. A subsistência do homem e ensaios correlatos / Karl Polanyi; organização Kari Polanyi Levitt; introdução Michele Cangiani; tradução Vera Ribeiro; revisão César Benjamim. - Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

SANTOS, B. V. de S. Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social/ Boa Ventura de Souza Santos; tradução Mouzar Benedito. São Paulo: Boitempo, 2007.

SINGER, P. Introdução à Economia Solidária. São Paulo: Ed. Fundação Perseu Abramo, 2002;

_________. Economia dos Setores Populares - Propostas e Desafios. In: Kraychete, G. et al. (org.) Economia dos Setores Populares: entre a realidade e a utopia. Petrópolis, RJ: Vozes; Rio de Janeiro: Capina; Salvador: CESE: UCSal, 2000.p.143 –163.

SINGER, P.; SOUZA, A. R. (Org.). A economia solidária no Brasil: a autogestão como resposta ao desemprego. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2003.

REIS, T. A. A sustentabilidade em empreendimentos da economia solidária: pluralidade e interconexão de dimensões. 2005. Dissertação (Mestrado em Administração). Escola de Administração, Universidade Federal da Bahia, Salvador 2005.

WELLEN, H. Para a crítica da economia solidária. 1 ed. São Paulo: Outras Expressões, 2012.

Arquivos da Superintendência de Economia Solidária, órgão ligado à Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte do Governo da Bahia. (Disponíveis na Coordenação
de Formação e Divulgação - COFD)

Relatório de Avaliação do Projeto Vencer Juntos. Avaliação de Resultados do Empreendimentos e dos Territórios, Volume II, Setembro de 2013.
Publicado
2017-10-26
Como Citar
Silva, A. (2017). A metodologia de construção das feiras de economia solidária e seu impacto sobre os ganhos. Mundo Do Trabalho Contemporâneo, 2(2), 313-338. Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/mtc/article/view/7195
Seção
Debate Acadêmico