CRIAR, RESISTIR E TRANSGREDIR:

PEDAGOGIA CRÍTICA DE PROJETOS E PRÁTICAS DE INSURGÊNCIAS NA EDUCAÇÃO E NOS ESTUDOS DA LINGUAGEM

  • Juliana de Freitas Dias Universidade de Brasília/docente
  • Maria Luíza Monteiro Sales COROA, DRa. Universidade de Brasília/docente
  • Sostenes Cézar de LIMA, Dr. Universidade Estadual de Goiás

Resumo

Neste ensaio abordamos, inicialmente os caminhos trilhados pelas perspectivas críticas dos estudos de linguagem, a partir da rejeição dos pressupostos epistemológicos básicos da modernidade, centrados nas ideias de dualidade e causalidade e no pensamento linear e mecânico. Afirmamos os compromissos éticos com as mudanças do século XXI, os quais apontam também para a necessidade de posturas de resistência, além da crítica. Promovemos, a partir da noção de resistência, uma diferenciação importante para construirmos uma postura não apenas crítica, mas, sim, crítico-transgressiva e decolonial, a partir da distinção entre resistência reacionária e resistência transgressiva, especialmente em práticas educacionais. Defendemos uma metodologia para essa perspectiva de trabalho nas escolas através do que denominamos Pedagogia Crítica de Projetos, centrada na intensificação de novos modos de saber, de ser e de poder, sob a ótica da construção de autoria criativa nas práticas sociais educacionais na perspectiva dos estudos críticos e decoloniais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADORNO, Theodor. Crítica cultural e sociedade. In: ADORNO, Theodor. Prismas. Tradução Augustin Wernet e Jorge Mattos Brito de Almeida. São Paulo: Ática, 1998. p. 7-26.

ALTHUSSER, Louis. Ideologia e Aparelhos Ideológicos de Estado (Notas par uma investigação). In: ZIZEK, Slavoj (Org.). Um mapa da ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996. p. 105-142.

BALLESTRIN, Luciana. A América Latina e o Giro Decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 11, p. 89-117, 2013.

CHOULIARAKI, Lilie; FAIRCLOUGH, Norman. Discourse in late modernity: rethinking Critical Discourse Analysis. Edinburgh: Edinburgh University Press,1999.

COROA, Maria Luíza M. S. Língua e linguagem: atravessando fronteiras do currículo. In: Weller, W. & Gauche, R. (Org.) Ensino médio em debate. Brasília: Ed. UnB, 2017, p. 119-133.

COROA, Maria Luíza M. S. O ensino de língua portuguesa e a construção de identidades. In: RAJAGOPALAN, K.; FERREIRA, D. M. M. (Org.). Políticas em linguagem: perspectivas identitárias. São Paulo: Mackenzie, 2006. p. 143-166.

FABRÍCIO, Branca Falabella. Linguística Aplicada como espaça de desaprendizagem: redescrições em curso. In: MOITA LOPES, Luiz Paulo (Org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006. p. 45-66.

FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e mudança social. Brasília: UnB, 2001.

FOUCAULT, Michel. Power/Knowledge: selected interviews and other writings. 1972-1977. New York: Panteon Books, 1980.

FOUCAULT, M. História da sexualidade 1: a vontade de saber. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2015. v. 1.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. Saberes necessários à prática pedagógica. São Paulo. Ed. Paz e Terra, 2007.

GIROUX, Henry A. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem [Trad. Daniel Bueno]. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

HAN, Byung-Chul. Sociedade do cansaço. Tradução de Ênio Paulo Giachini. 2. ed. ampl. Petrópolis: Vozes, 2017.

HANKS, William F. Língua como prática social: das relações entre língua, cultura e sociedade a partir de Bourdieu e Bakhtin. São Paulo: Cortez, 2008.

HARVEY, David. Condição pós-moderna. 13. ed. São Paulo: Loyola, 2003.

HOOKS, Bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática de liberdade. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2017.

LUGONES, María. Rumo a um feminismo descolonial. Estudos feministas, v. 22, n. 3, p. 935-952, 2014.

MIGNOLO, Walter. Desobediência Epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em Política. Cadernos de Letras da UFF, n. 34. p. 287-324, 2008.

MOITA LOPES, Luiz Paulo. Uma Linguística Aplicada mestiça e ideológica: interrogando o campo como linguista aplicado. In: ______ (Org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006. p. 13-44.

PENNYCOOK, Alastair. Uma linguística aplicada transgressiva. In: MOITA LOPES, Luiz Paulo (Org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006. p. 85-105.

RAJAGOPALAN, Kanavillil. Por uma linguística crítica. Línguas & Letras, v. 8, n. 14, p. 13-20, 2007.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A gramática do tempo. São Paulo: Cortez, 2010.

SIBILIA, Paula. Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

SPIVAK, Gayatri C. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012.

STEINER, Rudolf. A Filosofia da Liberdade. SP: Antroposófica, 2008 [1919].

THOMPSON, John B. Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. 9. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

VIEIRA, Viviane; DIAS, Juliana de Freitas. Análise de discurso crítica e filosofia da meta-realidade: reflexões sobre ética e identidades. Polifonia, v. 23, n. 33, p. 51-69, 2016

Publicado
2018-11-26

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##