DE UM RELATO INEVITÁVEL A UMA EXPERIÊNCIA DE LIBERDADE

  • Maria Luiza Monteiro Sales Coroa Universidade de Brasília
  • Ana Cláudia Souza Dias Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal

Resumo

A partir de uma experiência didática que visava desenvolver a prática da escrita autoral com alunos do terceiro ano do ensino médio em uma escola pública do DF, o projeto Diários de Bordo, inserido em um projeto mais amplo, Mulheres Inspiradoras, mostra que a educação como prática de liberdade (Giroux, 1997) pode manter seus compromissos de contribuir para o desenvolvimento linguístico e cultural dos estudantes. Mais do que isso, o exercício de redistribuição do poder simbólico (Van Dijk, 2015; Bordieu, 1989), resultante do fortalecimento dos alunos-autores, mostra ser possível escrever sua própria história (hooks, 2013) e contribuir para a realização dos seus anseios. As análises, apoiadas em um entrecruzamento teórico advindo da Análise de Discurso Crítica (Fairclough & Fairclough, 2012) e da Pedagogia Crítica (Costa, 1999), tomam por objeto relatos escritos por alunos colaboradores da pesquisa. Teoria e prática apoiam-se mutuamente (Denzin & Lincoln, 2006), tanto nas práticas da professora condutora do projeto, quanto nas reflexões aqui desenvolvidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAKHTIN, M. Marxismo e Filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1995

BRAIT, B.(org.) Bakhtin dialogismo e construção de sentido. Campinas: Unicamp, 1997.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001. (Publicado originalmente em francês, 1989).

CHOULIARAKI. L; FAIRCLOUGH, N. Discourse in late modernity. Edimburgo: Edimburgh University Press, 1999

COROA, M.L.M.S. Diferentes concepções de língua na prática pedagógica. Boletim da Abralin, n. 26, 2003.

COSTA, A. C. Aventura pedagógica: caminhos e descaminhos de uma ação educativa na rua. São Paulo: Columbus. Cultural, 1999.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. “Métodos qualitativos: sua história na Sociologia e na Antropologia” In: O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2006. p. 49-90.

EVARISTO, C. Ponciá Vicencio. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2003.

FAIRCLOUGH, N.; FAIRCLOUGH, I. Political Discourse Analysis: Methods for Advanced Students. London: Routledge. 2012

FAIRCLOUGH, N. Language ande Globalization. London: Sage. 2006

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GARCEZ, L.H.C. Gênero e tipo de texto. In: GARCEZ, L.H.do C.; CORRÊA, V. R. (org.) Textos dissertativo-argumentativos: subsídios para qualificação de avaliadores. Brasília Cebraspe, 2016.

GIROUX, Henry A. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem Tradução de Daniel Bueno. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

GNERRE, M. Linguagem, escrita e poder. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

hooks, b. Ensinando a transgredir: a educação como prática de Liberdade. Tradução de Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.

MARCUSCHI, L. A. “Gêneros textuais: configuração, dinamicidade e circulação”. In: KARWOSKI, A. M. et alii. Gêneros Textuais: Reflexões e Ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2006.

MORATO, E. “O interacionismo no campo linguístico”. In: MUSSALIN, F.; BENTES, A. C. Introdução à linguística, v. 3. São Paulo: Cortez, 2004

REIS, V. da S. “A definição do diário como um gênero: entre diário íntimo e o diário de aprendizagem.” Revista Veredas on-line – Atemática, PPG Linguística/UFJF – Juiz de Fora, n. 2, p. 120-132, 2012.

VAL. M. G. C. Redação escolar: um gênero escolar?. In: GARCEZ, L.H. do C.; CORRÊA, V. R.(org.) Textos dissertativo-argumentativos: subsídios para qualificação de avaliadores. Brasília Cebraspe, 2016.

DIJK, Van T.A. Discurso e poder. 2 ed. São Paulo: Contexto, 2015.

Publicado
2018-11-26