A AMPLIAÇÃO DO PROJETO MULHERES INSPIRADORAS COMO AÇÃO COLETIVA DE RESISTÊNCIA

UMA ANÁLISE DISCURSIVA CRÍTICA DO GÊNERO EXPOSIÇÃO ORAL

Resumo

Com base nos postulados da Análise de Discurso Crítica, este estudo buscou investigar o modo como formas simbólicas contrárias a assimetrias podem ser textualmente materializadas e se constituir como um modo de resistência. O corpus de investigação consiste na exposição oral proferida pela autora do Projeto Mulheres Inspiradoras na aula inaugural do “Curso Projeto Mulheres Inspiradoras: educação para a transformação social”. O percurso metodológico foi o da pesquisa qualitativa interpretativista; e as categorias analíticas representação de atores sociais, intertextualidade, estrutura genérica, avaliação e modalidade orientaram as análises linguísticas e interdiscursivas. Os resultados apontam para a construção de representações do momento de ampliação do Projeto Mulheres Inspiradoras como ação coletiva de resistência e de identificações das/dos cursistas como intelectuais transformadores e parceiros na construção de um novo paradigma educacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valéria Gomes Borges Vieira, SEEDF

Sou professora de educação básica da rede pública de ensino do Distrito Federal, desde 2009, mestre em Línguística pela UnB, especialista em língua portuguesa, pela Universidade Castelo Branco e em coordenação pedagógica, pela UnB, com graduação em Letras/Português, pela Universidade da Amazônia. 

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. Introdução e tradução do russo Paulo Bezerra; prefácio à edição francesa Tzvetan Todorov. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BAKHTIN, Mikhail.Marxismo e Filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da linguagem. Prefácio de Roman Jakobson. 16. ed. São Paulo: Hucitec, 2014.

BAUER, M.W; GASKELL, G. (Orgs.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: manual prático. Trad. Pedrinho A. Guareschi. 9. ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 2011.

CHOULIARAKI, L.; FAIRCLOUGH, N. Discourse in late modernity. Rethinking Critical Discourse Analysis. Edinburgh: Edinburgh University, 1999.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e Mudança Social. Coordenadora de tradução: Izabel Magalhães. Brasília: Universidade de Brasília, 2001 [1992].

FAIRCLOUGH, N. Analysing discourse: textual analysis for social research. London: Routledge, 2003.

FUZER, Cristiane; CABRAL, Sara Regina Scotta. Introdução à Gramática Sistêmico-Funcional em língua portuguesa. Universidade Federal de Santa Maria. Centro de Letras Vernáculas, Núcleo de Estudos em Língua Portuguesa, 2010.

GIROUX, Henry A. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Trad. Daniel Bueno. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

MACHADO, Anna Rachel. A perspectiva interacionista sociodiscursiva de Bronckart. In: Gêneros textuais, métodos e debates. J. L Meurer, Adair Bonini, Désirré Motta-Roth (orgs). São Paulo: Parábola Editorial, 2005.

MARCUSCHI, Luiz Antonio. Produção Textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

PEDRO, Emília Ribeiro. (Org.). Análise Crítica do Discurso: uma perspectiva sociopolítica e funcional. Lisboa: Editorial Caminho, 1997.

RAMALHO, Viviane; RESENDE, Viviane de Melo. Análise de discurso (para a) crítica: o texto como material de pesquisa. Coleção Linguagem e sociedade. Vol. 1. Campinas, SP: Pontes Editores, 2011.

RESENDE, V.M; V. RAMALHO. Análise de Discurso Crítica. 2. ed. São Paulo, SP: Contexto, 2014.

SANTOS, B. S. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2008.

THOMAS, J. Doing Critical Ethnography. London: New Delhi, Sage, 1993.

THOMPSON, John B. Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. 9. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

VAN DIJK, T. A. Discurso e poder. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2012 [2008].

VAN LEEUWEN, T. A representação de atores sociais. In: PEDRO, E. R. (Org.). Análise Crítica do Discurso: uma perspectiva sociopolítica e funcional. Lisboa: Caminho, 1997, p. 169.

Publicado
2018-11-26