POR UMA PEDAGOGIA QUE LIBERTE TODAS AS CORES: O PROJETO MULHERES INSPIRADORAS E SEU POTENCIAL PARA O ENFOQUE EM DISSIDÊNCIAS DE GÊNERO E SEXUAIS

the project Mulheres Inspiradoras and its emancipatory potential for gender and sexual dissents

  • Emmanuel Henrique Souza Rodrigues Universidade de Brasília
  • Iran Ferreira de Melo

Resumo

Este artigo trata de desdobramentos possíveis (e esperados) do Projeto Mulheres Inspiradoras (PMI), desenvolvido nas escolas públicas do Distrito Federal. A aplicação do projeto demonstrou potencialidade para abordar subalternizações que não apenas a de gênero, como étnico-raciais e sexualidade. Para discussão teórica sobre estes desdobramentos, apresentamos a abordagem queer, a noção de dissidências de gênero e sexualidade, a pedagogia crítica e a análise de discurso crítica. Para discussão metodológica, apresentamos análises linguístico-discursivas iniciais dos Parâmetros Curriculares Nacionais, do Plano Nacional de Educação e analisamos o Projeto Político Pedagógico modelo para o DF; na sequência, focamos em produções decorrentes da aplicação do PMI. O confronto das análises indica potencialidades de uma abordagem positiva das questões relacionadas a representações e identificações das dissidências de gênero e sexualidade, construindo abordagem mais eficiente e eficaz no processo de emancipação social dos sujeitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Iran Ferreira de Melo

Professor de Língua Portuguesa e Linguística, doutor em Letras / Filologia e Língua Portuguesa (Universidade de São Paulo - 2013), mestre em Letras / Linguística (Universidade Federal de Pernambuco - 2007) e licenciado em Letras / Língua Portuguesa (Universidade Federal de Pernambuco - 2004). Desenvolve atividades acadêmicas sob os paradigmas da Linguística Queer, Análise Crítica do Discurso e da Linguística Aplicada ao ensino de língua portuguesa como idioma materno. Atualmente, é professor da Universidade Federal Rural de Pernambuco, onde coordena o Outras Palavras - Núcleo de Estudos em Teoria Crítica do Discurso; bem como é pesquisador do Núcleo de Estudos em Análise Crítica do Discurso (NEAC) e do Projeto História do Português Paulista (PHPP), ambos da Universidade de São Paulo.

Referências

ALBUQUERQUE, G. V. P. DE; PIRES, V. R. DE O. (EDS.). Mulheres Inspiradoras. Brasilia: Gráfica Teixeira, 2015.

ANTHONY, L. AntConc. Tokyo, Japan: Waseda University, 2014.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BALLESTRIN, L. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 11, p. 89–117, ago. 2013.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais. Brasília: Ministério da Educação, 1998.

BRASIL. Caderno Escola sem Homofobia. Disponível em: <https://goo.gl/jLn64r>. Acesso em: 1 jun. 2018.

BUTLER, J. Performative acts and gender constitution: an essay in phenomenonology and feminist theory. In: BIAL, H. (Ed.). . The performance studies reader. 2. ed. London and New York: Routledge, 2004. p. 154–166.

BUTLER, J. Bodies that matter. On the Discursive Limits of “Sex”. New York: Routledge, 2011.

CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R.El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores, 2007.

CNPQ. Grupo de pesquisa - EDUCAÇÃO CRÍTICA E AUTORIA CRIATIVA. Disponível em: <http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/7640991608272917>. Acesso em: 10 abr. 2018.

COLLING, L. Dissidências sexuais e de gênero. 1. ed. Salvador: Edufba, 2016.

COLLING, L. Artivismo das dissidências sexuais e de gênero. CULT - Revista Brasileira de Cultura, n. 226, p. 18–19, 2017.

DIAS, D. M. Brincar de gênero, uma conversa com Berenice Bento. Cadernos Pagu, n. 43, p. 475–497, dez. 2014.

DINIS, N. F. POR UMA PEDAGOGIA QUEER. Itinerarius Reflectionis, v. 2, n. 2, p. 1–12, 2013.

FAIRCLOUGH, N. Critical discourse analysis: the critical study of language. London: Longman, 1995.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. 1. ed. Brasilia: Universidade de Brasília, 2001.

FAIRCLOUGH, N. Analysing discourse: textual analysis for social research. London and New York: Routledge, 2003.

FREIRE, P. Pedagogia da Indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: UNESP, 2000.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 39. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2009.

GADOTTI, M. Educação e poder: introdução à pedagogia do conflito. 16. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

GDF. Projeto Político-Pedagógico Professor Carlos Mota. Brasília: 2011.

GDF. PESQUISA DISTRITAL POR AMOSTRA DE DOMICÍLIOS - CEILÂNDIA - PDAD 2015. Brasilia: Governo do Distrito Federal, 2015.

GOMES, M. C. A. Agência e poderes causais: analisando o debate sobre a inclusão de ideologia de gênero e orientação sexual no plano decenal de educação – Brasil. v. 23, p. 21, 2016.

HOOKS,BELL. Ensinando a transgredir: a educação como prática de liberdade. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.

LAURETIS, T. DE. Technologies of gender: Essays on Theory, Film, and Fiction. Bloomington and Indianapolis: Indiana University Press, 1987.

PETRY, A. R.; MEYER, D. E. E. Transexualidade e heteronormatividade: algumas questões para a pesquisa. v. 10, n. 1, p. 6, 2011.

PRADO, M. A. M.; MACHADO, F. V. Preconceito contra homossexualidades: a hierarquia da invisibilidade. São Paulo: Cortez, 2008.

QUIJANO, A. Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina. In: La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas Latinoamericanas. Edgardo Lander (comp.) CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales ed. Buenos Aires: [s.n.]. p. 48. RESENDE, V. DE M. Decolonizar os estudos críticos do discurso: por perspectivas latino-americanas. . In: CONFERÊNCIA APRESENTADA NO XII CONGRESSO INTERNACIONAL DA ALED. Santiago: 2017

RODRIGUES, E. H. S. O posicionamento de setores da imprensa sobre a Ditadura Militar: uma análise de discurso crítica. In: Anais do I Congresso Internacional de Estudos do Discurso - I CIED. São Paulo: Editora Paulistana, 2015. p. 269–282.

RODRIGUES, E. H. S.A Deus o que é de César: A Câmara Federal e o casamento igualitário, uma análise linguística. Brasília: Universidade de Brasília, 2016.

SALIH, S. Judith Butler e a Teoria Queer. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012. SARTRE, J.-P. O ser e o nada - Ensaio de ontologia fenomenológica. 16. ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 2008.

SILVA, A. P. O. Diálogos sobre pessoas dissidentes da heterossexualidade e sexualidades. p. 8, 2014.

SILVA, T. T. DA. Documentos de identidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2004.

SOBRAL, C. Não vou mais lavar os pratos. Brasilia: Athalaia, 2010.

SOBRAL, C. Só por hoje vou deixar meu cabelo em paz. Brasilia: Teixeira, 2014.

VAN LEEUWEN, T. Discourse and Practice: New tools for critical discourse analysis. Oxford: Oxford University Press, 2008.

VANDRESEN, D. S. O discurso na arqueologia e genealogia de Michel Foucault, 2010. Disponível em: <https://goo.gl/uik3c6>

VIEIRA, V. C. Corpos e identidades: debates em Análise de Discurso Crítica e Ecofeminismo. . In: Análise de Discurso Crítica e Comunicação. Teresina: EDUFPI, 2017

VIEIRA, V. C.; GONZALEZ, C. G. Relações de gênero e sexualidade em discursos político- pedagógicos. p. 10, 2017.

VIEIRA, V. G. B. Formação e identidade docente no contexto de ampliação do Projeto Mulheres Inspiradoras sob a ótica da Análise de Discurso Crítica. Dissertação (Mestrado - Mestrado em Linguística)—Brasilia: Universidade de Brasília, 2017.

VITAL DA CUNHA, C.; LOPES, P. V. L. Religião e política: uma análise da atuação de parlamentares evangélicos sobre direitos das mulheres e de LGBTs no Brasil. 1. ed. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böll, 2012.

Publicado
2018-11-26
Como Citar
RodriguesE. H. S., & MeloI. F. de. (2018). POR UMA PEDAGOGIA QUE LIBERTE TODAS AS CORES: O PROJETO MULHERES INSPIRADORAS E SEU POTENCIAL PARA O ENFOQUE EM DISSIDÊNCIAS DE GÊNERO E SEXUAIS. Cadernos De Linguagem E Sociedade, 19(3), 164-184. https://doi.org/10.26512/les.v19i3.17722