CARTA DE ALGUM LUGAR DO FUTURO: NARRATIVAS DE CUNHO BIOGRÁFICO: Estratégia de geração de dados – uma proposta “desencaixada” e reflexiva

Resumo

Este trabalho apresenta parte de uma proposta de investigação reflexiva, nomeadamente, a proposição de uma das estratégias de geração de dados cujo foco são as representações dos letramentos no domínio[1] acadêmico, bem como sua aplicação no contexto da ação formativa do “Projeto Mulheres Inspiradoras”. Desse modo, a estratégia de geração de dados, nomeada por “Carta de algum lugar do futuro” mostrou-se produtiva ao momento de avaliação daquele projeto. Assim, dado o caráter reflexivo, o objetivo da proposta é não só desvelar as representações sobre a rede de práticas do domínio acadêmico, mas também fomentar a consciência crítica sobre essas práticas e os discursos do letramento que as compõem. Destarte o trabalho ancora-se no referencial teórico-metodológico da Teoria Social do Discurso de Fairclough (2001, 2003) e Chouliaraki e Fairclough (1999), em diálogo como os Novos Estudos do Letramento (STREET, 1995), com a Consciência Linguística Crítica de Clark et al. (1996) e com as Ciências Sociais Críticas, designadamente, os estudos em Sociologia sobre a Ciência Pós-Moderna, de Santos (2008, 2011), a abordagem da “heterodoxia controlada” de Lopes (1996) e a perspectiva pós-linear de análise de narrativas de vida de Pais (2001). Quanto à abordagem multimetodológica para a condução da pesquisa, foram adotadas a Pesquisa Qualitativa e a Pesquisa Etnográfica de cunho crítico à luz de Cameron (1992) e de Denzin e Lincoln (2006). Espera-se, com essa proposta, favorecer a consciência crítica sobre as práticas naquele e daquele domínio e os discursos do letramento a fim de fomentar a construção de interconhecimentos e favorecer a agência criativa de pesquisadores, professores e estudantes.

Palavras-chave:  Narrativa biográfica. Geração de dados desencaixada. Pesquisa reflexiva. Letramentos. Análise de Discurso Crítica. Ciência Pós-Moderna.

 

 [1] Domínios são espaços sociais, são contextos padronizados e estruturados, nos quais diferentes letramentos são usados e aprendidos, conforme  Barton, Hamilton e Ivanic (2000, p. 11). A este trabalho importa, em especial, o domínio acadêmico, entendido como o espaço social, por excelência, dos usos e dos  processos formais, ou se preferirmos, processos padronizados e estruturados, de aprendizagem dos letramentos dominantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gissele Alves, Universidade de Brasília

Possui graduação em Letras pela Universidade do Vale do Itajaí (1994), especialização em Leitura e Produção de Textos pela Universidade do Vale do Itajaí (2001) e mestrado em Linguística pela Universidade de Brasília (2013). Atualmente, é doutoranda em Linguística pela Universidade de Brasília e pela Universidade do Porto. É professora do Instituto Federal de Brasília - IFB e é membro-pesquisador - Núcleo de Estudos de Linguagem e Sociedade do CEAM/UnB. Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Análise de Discurso Crítica, Novos Estudos do Letramento e Leitura e Produção de Textos, atuando principalmente nos seguintes temas: representações discursivas, construções identificacionais, letramentos, educação superior e juventudes.

 

Referências

CAMERON, D. et al. Researching Language Issues of Power and Method. London: Routledge, 1992.

CLARK, R. N. L. et al. Conscientização crítica da linguagem. Trab. Ling. Apl., Campinas, n. 28, p. 37-57, jul. /dez.1996. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8639265/6861. Acesso em: 27 mar. 2017.

CHOULIARAKI, L.; FAIRCLOUGH, N. Discourse in late modernity. Rethinking critical discourse analysis. Edinburgh: Edinburgh University Press, 1999.

DENZIN, N.; LINCOLN, Y. O planejamento da pesquisa qualitativa. Tradução. S.R.NETZ. Porto Alegre: Artmed, 2006.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Tradução. I. Magalhães. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2001.

KOSELLECK, R. Futuro Passado. Contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto, Editora Puc-RJ, 2006.

LOPES, João Teixeira. Tristes Escolas: práticas culturais estudantis no espaço escolar urbano. Porto: Afrontamentos, 1996.

PAIS, J. Ganchos, tachos e biscates. Jovens, trabalho e futuro. Porto: Ambar, 2001.

PAIS, J. Analysing discourse. Textual analysis for social research. London: Routledge, 2003.

RAMALHO, V; RESENDE. V. Analise de Discurso (para a) Crítica: o texto como material de pesquisa. Campinas: Pontes, 2011.

SANTOS. B. S. Um discurso sobre as ciências. São Paulo: Cortez, 2008.

SANTOS. B. S. A Universidade do Século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da Universidade. 3. ed. São Paulo: Cortez Editora, 2011.

STREET, B. Social literacies: Critical approaches to literacy in development, ethnography and education. Harlow: Longman, 1995.

THOMPSON, J.B. Ideologia e cultura moderna. Tradução C.Grisci et al. Petrópolis: Vozes, 1995.

Publicado
2018-11-26