IDENTIDADE E RELAÇÕES DE GÊNERO NA ESCOLA: UM OLHAR DA ANÁLISE DE DISCURSO CRÍTICA SOBRE O PROJETO MULHERES INSPIRADORAS

Resumo

O artigo apresenta um estudo qualitativo sobre o modo como os/as estudantes de uma escola pública do Distrito Federal (DF) representam as experiências pessoais construídas no Projeto Mulheres Inspiradoras (PMI), depois de vivenciarem as práticas de leitura e escrita voltadas para o debate sobre identidade e relações de gênero. Para fundamentar o estudo, utiliza-se a Análise de Discurso Crítica (ADC) de Fairclough (2001, 2003) e as contribuições teóricas das vertentes pedagógicas críticas de Giroux (1997), Freire (2012) e Hooks (2013). Mobiliza-se, também, o conceito de identidade, de acordo com Giddens (2002), Bauman (2005) e Hall (2006). Os dados de natureza etnográfica foram gerados em uma roda de conversa realizada no período de conclusão do PMI no ano de 2017, com 27 estudantes do terceiro ano do Ensino Médio. As análises apontam que, ao fomentar deliberações reflexivas, por meio das práticas de leitura e escrita envolvendo obras e produções textuais engajadas nas questões de raça, gênero e classe, o PMI colabora para a ampliação da agência dos/as estudantes, especialmente das alunas. O discurso das alunas, caracterizado pelo empoderamento, revela traços de transformação identitária em termos de autopercepção e percepção do outro, enquanto o dos estudantes do sexo masculino volta-se para dimensões mais genéricas do PMI.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Atauan Soares de Queiroz, Universidade de Brasília (UnB)

Doutorando em Linguística pela Universidade de Brasília (UnB). Mestre em Educação pela Universidade Federal da Bahia - UFBA (2015). Especialista em Gestão dos Fundamentos da Neurolinguística pela Unyahna de Barreiras (2011). Licenciado em Letras (Português) pela Universidade do Estado da Bahia - UNEB (2009). Desde o ano de 2010, é professor efetivo de Língua Portuguesa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA), campus Barreiras, em regime de dedicação exclusiva. Atualmente, integra, também, o grupo de pesquisa Educação Crítica e Autoria Criativa (UnB), com interesse nos seguintes temas: discurso, educação crítica, identidade, leitura e produção de texto, autoria, decolonialidade. (E-mail: atauansoares@gmail.com)

http://lattes.cnpq.br/3923805819866846

Referências

ANDERSON, E. Inclusive masculinity: the changing nature of masculinities. New York: Routledge, 2009.

BAUER, M.; GASKELL, G. (Org.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: manual prático. Tradução de Pedrinho A. Guareschi. 9.ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 2011.

BAUMAN, Z. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

BOBBIO, N.; MATEUCCI, N.; PASQUINO, G. Dicionário de política. 11.ed. Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília, 1998.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1998.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Coordenadora de tradução: Izabel Magalhães. Brasília: Universidade de Brasília, 2001.

FAIRCLOUGH, N. Analysing Discourse: textual analisys for social research. London: Routledge, 2003.

FAIRCLOUGH, N.; JESSOP, B.; SAYER, A. Critical realism and semiosis. In: JOSEPH, Jonathan; ROBERTS, John Michael. Realism discourse and deconstruction. London and New York: Routledge, 2004.

FOUCAULT, M. Nascimento da biopolítica. Curso no Collège de France (1978-1979). Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir. 40.ed. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 2012.

FREIRE, P. Alfabetização e conscientização. Porto Alegre: Editora Emma, 1963.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Ed. especial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012.

FUZER, C.; CABRAL, S. Introdução à Gramática Sistêmico-Funcional em Língua Portuguesa. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2014.

GIDDENS, A. Modernidade e identidade. Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

GIDDENS, A. A constituição da sociedade. Tradução de Álvaro Cabral. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

GIROUX, H. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Tradução de Daniel Bueno. Porto Alegre: Artmed, 1997.

GOMES, M. Violência, intolerância e corpo feminino: analisando as reações discursivas na mídia em torno da prática de amamentação. Cadernos de Linguagem e Sociedade, Brasília, vol. 18, n. 2, p. 175-194, 2017.

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL (DF), Secretaria de Estado de Educação. Revista do Projeto Mulheres Inspiradoras. Brasília (DF), v. 1, 2017.

GROSFOGUEL, R. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios ao longo século XVI. Revista Sociedade e Estado. Tradução de Fernanda Miguens. 2016, vol.31, n.1, pp. 25-49

HALL, S. A identidade em questão. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HALLIDAY, M.; MATTHIESSEN, C. An introduction to Functional Grammar. 3.ed. London: Hodder Arnold, 2004.

HOOKS, B. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. Tradução de Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.

LAKOFF, G.; JOHNSON, M. Metáforas da vida cotidiana. Coordenação de tradução: Mara Sophia Zanotto. Campinas (SP): Mercado de Letras, 2002.

PEDRO, E. (Org.). Análise Crítica do Discurso: uma perspectiva sociopolítica e funcional. Lisboa: Editorial Caminho, 1997.

RESENDE, V.; RAMALHO, V. Análise de Discurso (para a) Crítica: o texto como material de pesquisa. Campinas, SP: Pontes Editores, 2016.

SALIH, S. Judith Butler e a teoria queer. Tradução de Guacira Lopes Louro. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2012.

THOMPSON, John. Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. 6.ed. Tradução de Carmen Grisci. Petrópolis: Vozes, 2002.

TIBURI, M. Judith Butler. Feminismo como provocação. Revista Cult, ano 16, 185, 2013.

Publicado
2018-12-24
Como Citar
de QueirozA. S. (2018). IDENTIDADE E RELAÇÕES DE GÊNERO NA ESCOLA: UM OLHAR DA ANÁLISE DE DISCURSO CRÍTICA SOBRE O PROJETO MULHERES INSPIRADORAS. Cadernos De Linguagem E Sociedade, 19(3), 85-104. https://doi.org/10.26512/les.v19i3.17428