A construção identitária de candidatos: uma análise crítico-visual a partir de cartazes eleitorais

  • José Roberto Alves Barbosa Universidade do Estado do Rio Grande do Norte
Palavras-chave: Propaganda. Cartazes eleitorais. Análise de Discurso Crítica. Gramática do Design Visual. Abstract: An electoral

Resumo

s cartazes de propaganda eleitoral fazem parte de uma categoria de gêneros textuais utilizados durante o período de campanha. Os recursos verbais e não verbais desse gênero visam fazer com que o eleitor não apenas vote no candidato, mas também adquira um produto disponibilizado pela mídia. Ciente dessa realidade, objetivamos analisar propagandas eleitorais de campanhas presidenciais nos Estados Unidos e Brasil. Para tanto, coletamos cartazes dos últimos dois pleitos eleitorais realizados nesses países, especificamente dos partidos Republicano (EUA) e PSDB (Brasil). Para essa análise nos fundamentamos na Análise de Discurso Crítica (ADC), a partir das contribuições de Fairclough (2003), e na Gramática do Design Visual (GDV), de Kress e van Leeuwen (2006). Através desse estudo analisamos aspectos acionais, representacionais e identitários na construção textual dos cartazes, bem como os representacionais, interativos e composicionais, na estruturação das imagens. A análise crítica dos cartazes eleitorais destaca aspectos multimodais na construção desse gênero que identificam os candidatos como responsáveis pelas mudanças necessárias ao avanço dos referidos países.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Roberto Alves Barbosa, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Coordenador do Mestrado Profissional em Letras – PROFLETRAS – e professor do Programa de Pós-Graduação
em Ciências da Linguagem e da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN/Mossoró)

Referências

ALMEIDA, D. B. de. 2009. Do texto às imagens: as novas fronteiras do letramento
visual. In: PEREIRA, R. C., ROCA, P. (Orgs.) Linguística Aplicada: um caminho com
diferentes acessos. São Paulo: Contexto.
BOURDIEU, P., WACQUANT, L. 2001. Notes on the new planetary vulgate. Radical Philosophy (Jan/Feb). p. 2-5.
CHOULIARAKI, L., FAIRCLOUGH, 1999. N. Discourse in late modernity: rethinking Critical Discourse Analysis. Edinburgh: Edinburgh University.
CABRAL, J. 1998. Por que a vota em b. In: Pacheco (org.), Voto é marketing? Segundo seminário de marketing político e eleitoral. Rio de Janeiro: Irradiação cultural.
CASTELLS, M. 1999. O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra.
DENZIN, N. K., LINCOLN, Y. S. 2006. A disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In.:
DENZIN, N. K., LINCOLN, Y. S. (Org.). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed: Bookman.
FAIRCLOUGH, N. 1989. Language and power. New York: Longman.
FAIRCLOUGH, N. 2001. Discurso e mudança social. Brasília: Editora UNB.
FAIRCLOUGH, N. 2003. Analyzing discourse: textual analysis for social research. London: Routledge.
FAIRCLOUGH, N. 2006. Language and globalization. New York: Routledge.
FERNANDES, J. D. C., ALMEIDA, D. B. L. 2008. de. Revisitando a Gramática Visual nos cartazes de guerra. In.: ALMEIDA, D. B. L. de. Perspectivas em análise visual: do
fotojornalismo ao blog. João Pessoa: Editora da UFPB.
GRAMSCI, A. 1988. A Gramsci Reader: selected writings 1916-1935. FORGACS.D. (org.) London: Lawrence and Wishart.
GRAMSCI, A. 1995. Concepção dialética da história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.
HALL, S. 2000. Quem precisa de identidade? In: SILVA T. T. (Org.) Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petropolis: Vozes.
HALLIDAY, M. A. K. 1985. Introduction to functional grammar. London: Edward Arnold.
KRESS, G.; VAN LEEWEN, T. 2006. Reading images: the grammar of visual design. London: Routledge.
LAKOFF, G., JOHNSON, M. 2002. Metáforas da vida cotidiana. Campinas: Mercado de Letras. São Paulo: Educ.
MAGALHÃES, I. 1986. Por uma abordagem crítica e explanatória do discurso.
D.E.L.T.A, 2 (2), p. 181-215.
MAGALHÃES, I. 2000. Eu e tu: a constituição do sujeito no discurso médico. Brasília: Editora Thesaurus.
NOVELLINO, M. O. 2006. Gramática Sistêmico-Funcional e o estudo de imagens em livro didático de inglês como língua estrangeira. Proceedings, 33rd Internacional Sistemic Funcional Congress.
RAMALHO, V., RESENDE, V. de M. 2011. Análise de discurso (para a crítica): o texto como material de pesquisa. Campinas: Pontes.
REGO, F. G. T. do. 1985. Marketing político e governamental: um roteiro para campanhas políticas e estratégias de comunicação. São Paulo: Summus.
RESENDE, V. de M., RAMALHO, V. 2006. Análise de Discurso Crítica. São Paulo: Contexto.
RESENDE, V. de M. 2009. Análise de Discurso Crítica e Realismo Social: implicações interdisciplinares. Campinas: Pontes.
SENNET, R. 1993. O declínio do homem público: as tiranias da intimidade. São Paulo: Companhia das Letras.
THOMPSON, J. B. 1995. Ideologia e cultura moderna. Petrópolis: Vozes.
WODAK, R., MEYER, M. (eds.) 2009. Methods of Critical Discourse Analysis. 2nd Edition. London.
Publicado
2016-06-07
Como Citar
BarbosaJ. R. A. (2016). A construção identitária de candidatos: uma análise crítico-visual a partir de cartazes eleitorais. Revista Letra Capital, 1(1), 92-115. Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/lcapital/article/view/8982
Seção
Artigos