Identidade e subjetividade: uma reflexão sobre o que é ser mulher

  • Tatyana Dias Menezes Universidade Federal de Pernambuco

Resumo

Através de uma análise sóciopragmática do discurso, observo como a identidade da mulher é (re)construída pelas revistas que são direcionadas para o público feminino. O corpus da pesquisa foi composto pelas revistas ClaudiaGloss, ambas do ano de 2009 e 2010. A pesquisa trabalha com o conceito de identidade não como essência ou um fato da natureza, mas como construções sociais compostas por elementos diversos ou atributos emergentes da interação social entre o sujeito e o mundo, incluem dimensões como papéis sociais (ex. professor, médico, etc.), relações sociais (ex. parentesco, amizade, etc.), identidade grupal (ex. classe, geração, etc.) e rank (ex. pessoas com ou sem título, etc.). A pesquisa baseia-se especialmente em Moita Lopes (2003) e Bauman (2005) e em estudos realizados por Magalhães (2000). Foram, também, usados conceitos da Análise de Discurso, principalmente em Fairclough (2001), motivando a reflexão entre a relação do discurso e da identidade do sujeito social – já que o discurso é o lugar no qual a identidade é refletida e representada. O tema é apropriado porque a configuração política, cultural e econômica da sociedade mundial está em transformação, e isso afeta a identidade do sujeito social. Deste modo, as velhas identidades, que por um bom tempo foram o sustentáculo da estabilidade da organização social, estão em declínio, fazendo surgir novas identidades. Por meio das análises realizadas, chegamos, na linha histórica do gênero feminino, a um meio termo que conjuga valores tradicionais a valores conquistados, fazendo surgir uma nova mulher: a mulher multifacetada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tatyana Dias Menezes, Universidade Federal de Pernambuco

Professora em regime de dedicação exclusiva da Universidade Federal de Pernambuco e doutorando em
Linguística da mesma instituição.

Referências

BAHIA, Juarez. (1990). Jornal, História e Técnica: história da imprensa brasileira. 4 ed.
São Paulo: Ática.
BAUMAN, Zygmunt (2005). Identidade. Rio de Janeiro: Jorge ZAHAR Editor.
BEAUVOIR, Simone. (1980). O segundo sexo: a experiência vivida. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.
BENVENISTE, Émile. (1978). O Homem na Linguagem: Ensaios sobre a Instituição do Sujeito através da Fala e da Escrita. 2.ed. Lisboa: Arcádia.
BRANDÃO, Carlos Rodrigues. (1986). Identidade e Etnia: construção da pessoa e resistência cultural. São Paulo: Brasiliense.
BUITONI, Dulcília Schroeder. (2009). Mulher de Papel: a interpretação da mulher brasileira pela imprensa feminina brasileira. São Paulo: Summus, 2009.
CARNEIRO, M. T. & SOARES, T. M. Z. (2003). Representação social em textos da mídia. In. PAULIUKONIS, M. A. L. & GAVAZZI, S. (orgs.). Texto e discurso: mídia, literatura e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna.
COIMBRA, Alda Maria. (2003). Histórias contadas em sala de aula: a construção da identidade social de gêneros da mulher. In: MOITA LOPES, Luiz Paulo da (org). Discursos de identidades, discurso como espaço de construção de Gênero, Sexualidade, Raça, Idade e Profissão na escola e na família. Campinas, SP: Mercado de Letras. p. 209-232.
FAIRCLOUGH, Norman. (2001) Discurso e mudança social. Brasília, Editora UnB.
GIDDENS, Anthony. (2002). Modernidade e Identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.
GONDAR, Jô. (2002). Linguagem e Construções da identidades – um debate. In: FERREIRA, Lucia M. A.; ORRINCO, Evelyn G. D.(orgs). Linguagem, Identidade e Memória Social. Rio de Janeiro: DP&A. p. 107-115.
GUATTARI, Félix; ROLNIK, Suely. (2000). Micropolítica: Cartografias do desejo. 6. ed. Petrópolis: Vozes.
HEBERLE, Viviane M. (2004). Revistas Para Mulheres no século 21: ainda uma prática discursiva de consolidação ou de renovação de idéias? Linguagem em (Dis)curso, v.4, nesp, p. 85-112.
HOFFNAGEL, Judith Chambliss. (2010). Temas em Antropologia e Linguística. Recife: Bagaço.
JODELET, Denise. (2005). Loucuras e Representações Sociais. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes.
MAGALHÃES, Isabel. (2000). O Discurso do Outro e a Identidade da Mulher: da
colonização à década de 1990. in: BARROS, Diana Luz Pessoa de (org.). Os Discursos
do descobrimento: 500 e mais anos de discursos. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo; FAPESP, p. 207-235.
MAGALHÃES, Isabel. (2006). Discurso, Ética e Identidade de gênero. In: CORACINI, Maria José; GRIGOLETTO, Marisa; MAGALHÃES, Izabel (org.). Práticas Identitárias: língua e discurso. São Carlos: Claraluz, p.71- 96.
MOITA LOPES, Luiz Paulo da. (2003). Socioconstrucionismo: Discurso e Identidade Sociais. In: MOITA LOPES, Luiz Paulo da (org). Discursos de identidades: discurso como espaço de construção de Gênero, Sexualidade, Raça, Idade e Profissão na escola e na família. Campinas, SP: Mercado de Letras. p. 13-38.
VAN DIJK, Teun A. (1998). Ideología: Una Aproximación Multidisciplinaria. Editorial Gedisa: Barcelona.
VAN DIJK, Teun A. (2005) Discurso, Notícia e Ideologia: Estudos na Análise Crítica do Discurso. Campos das Letras: Porto.
VAN DIJK, Teun A. (2008). Discurso e Poder. São Paulo: contexto.
WOODWARD, Kathryn. (2009). Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.); HALL, Stuart; WOODWARD, Kathryn. Identidade e Diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 9.ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes. p. 7-72.
Publicado
2016-06-07
Como Citar
MenezesT. D. (2016). Identidade e subjetividade: uma reflexão sobre o que é ser mulher. Revista Letra Capital, 1(1), 70-91. Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/lcapital/article/view/8601
Seção
Artigos