• Resistência Afro na América Latina

    2019-03-21

    Nesse dossiê buscamos reunir reflexões críticas baseadas em pesquisa empírica de natureza sociológica, histórica e/ou etnográfica; assim como em experiências de ativismo comunitário e práticas inovadoras de produção de conhecimento, que conectem universidade e movimentos sociais, notadamente para os últimos quinze anos, marcados por mudanças dramáticas no continente. A presença de povos, culturas e tradições de origem africana na América Latina resiste há mais de três séculos ao extermínio e a conflitos modernos e coloniais, resiste ao racismo estrutural e a violência de Estado, resiste a ideologia da miscigenação e as políticas de invisibilidade, resiste ao epistemícido e à perseguição religiosa ou de cunho moral. Essa resistência só foi possível graças as inúmeras modalidades e estratégias vernáculas ou eruditas, comunitárias, nos quilombos e palenques, e radicais nas periferias urbanas e universidades. A múltipla força das estratégias comunitárias tem servido de inspiração para práticas políticas, artísticas e acadêmicas que conectam o rural e o urbano, o centro e a periferia, a tradição e a inovação. Este dossiê visa documentar e discutir essas diversas formas de resistir. 

    Organizadores:

    Osmundo Pinho (UFRB)

    Luciane Rocha (Kennesaw University)

    Prazo para submissão: até 01 de julho de 2019.

    Serão aceitos textos em inglês, português e espanhol.

    Saiba mais sobre Resistência Afro na América Latina