Discursos e práticas de “obscenidade”

moralidade e violência na relação da lei com os corpos no Brasil

  • Ana Paula Antunes Martins Universidade de Brasília/Doutora/Pesquisadora
  • Adriana Ribeiro Rice Geisler Fiocruz; Puc-Rio
Palavras-chave: Sociologia do corpo. Moralidade. Violência. Violência contra as mulheres.

Resumo

Discursos e práticas de “obscenidade” são analisadas nesse texto, que pretende compreender as relações entre direito e sexualidade no Brasil a partir da perspectiva da Sociologia do corpo. Por meio da análise dos discursos dos penalistas realizada em pesquisa anterior, de casos emblemáticos de ato obsceno no Brasil e de notícias divulgadas pela mídia, busca-se contribuir para a compreensão das especificidades do “processo civilizador brasileiro” e da permanência do fenômeno da violência contra as mulheres na contemporaneidade. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Antunes Martins, Universidade de Brasília/Doutora/Pesquisadora

Doutora em Sociologia pela Universidade de Brasília (2018) com período sanduíche na Universidade do Porto (2016-2017). Possui graduação em Direito pela Universidade Federal do Rio Grande (2002) e mestrado em Sociologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2007). Pesquisadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre as Mulheres (NEPeM/UnB). Membro do grupo de pesquisa "Sexualidade, direito e democracia" da Universidade Federal Fluminense. Atuou como Consultora da ONU Mulheres e da Secretaria de Políticas para as Mulheres do Governo Federal, como pesquisadora no Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea) e no Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em Relações de Gênero e Sociologia do Direito, atuando principalmente nos seguintes temas: gênero e sexualidades, violência contra as mulheres e meninas, políticas públicas e metodologia da pesquisa.

Adriana Ribeiro Rice Geisler, Fiocruz; Puc-Rio

Doutora em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2009) com estágio de doutoramento (sanduíche) no Centro de Estudos Sociais (CES) da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, Portugal. Possui graduação em Direito pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1996), graduação em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2004). Atua como professora e pesquisadora na Fundação Oswaldo Cruz e como professora adjunta na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Referências

ADELMAN, Miriam; RUGGI, Lennita. The sociology of the body. Current Sociology, 2015, 1 – 24.
AGUIAR, Neuma. Patriarcado, sociedade e patrimonialismo. Revista Sociedade e Estado, vol. 15, n. 2, Brasília, jun – dez, 2000.
AMANTINO, Marcia. E eram todos pardos, todos nus, sem coisa alguma que lhes cobrisse suas vergonhas. In: DEL PRIORE, Mary; AMANTINO, Marcia (Orgs.). História do corpo no Brasil. São Paulo, Unesp, 2011.
BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.
CARRARA, Sérgio; VIANNA, Adriana. “Tá lá o corpo estendido no chão...: a violência letal contra travestis no município do Rio de Janeiro,. Rio de Janeiro: PHYSIS: Revista Saúde Coletiva, 16 (2), 2006, p. 233 – 249.
CONNELL, Raewyn. Gênero em termos reais. São Paulo: nVersos, 2016.
ELIAS, Norbert. O processo civilizador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., vol 1, 1994.
FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.
GILL, Rosalind. Análise de discurso. In: BAUER, Martin; GASKELL, George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2007.
HOLANDA, Sergio Buarque de. Raízes do Brasil. 26. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.
LE BRETON, David. A sociologia do corpo. Petrópolis: Vozes, 2011a.
LE BRETON, David. Antropologia do corpo e modernidade. Petrópolis: Vozes, 2011b.
PÊCHEUX, Michel; FUCHS, Catherine (1975). A propósito da análise automatic do discurso: atualizações e perspectivas. In: GATED, F; HANK, T (Org.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. 3.ed. Campinas: UNICAMP, 1997.
MARTINS, Ana Paula Antunes. A lei sobre o corpo e o corpo sobre a lei: o ideário dos juristas sobre o crime de ato obsceno no Brasil na perspectiva da Sociologia do Corpo. Revista de Estudos Empíricos em Direito, vol. 2, n. 1, jan 2015, p. 112 – 125.
RAGO, Margareth (1997). Sexualidade e identidade na historiografia brasileira. Anais do XIX Simpósio Nacional de História – ANPUH. Belo Horizonte, junho.
RICHARDSON, Diane. Constructing sexual citizenship: theorizing sexual rights. Critical social policy, n. 62, v. 20(1), 2000, p. 105-135.
SUTTON, Barbara. Naked protest: memories of bodies and resistance at the World Social Forum. Journal of International Women’s Studies, 8(3), 2007, p. 139-148.
TAVOLARO, Sergio. Existe uma modernidade brasileira: reflexões em torno de um dilema sociológico brasileiro. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 20, n. 59, out, 2005.
TURNER, Bryan. Corpo e sociedade: estudos em teoria social. São Paulo: Ideias & Letras, 2014.
Publicado
2018-04-14