Movimento Xingu Vivo Para Sempre

luta e resistência contra Belo Monte

  • Flávia do Amaral Vieira UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ
Palavras-chave: Movimentos sociais. Relações de equivalência. Movimento Xingu Vivo Para Sempre. Belo Monte.

Resumo

Este artigo objetiva analisar como o Movimento Xingu Vivo para Sempre, coletivo de movimentos sociais e ambientalistas que lutam por outro modelo de desenvolvimento para a região Amazônica, o que incluía a não construção de Belo Monte, estabeleceu redes e relações de equivalência entre as demandas com a qual trabalha. Para isso, primeiramente é apresentada brevemente uma revisão bibliográfica sobre o que são os movimentos sociais, partindo para a análise do que Laclau (1983) entendeu por relações de equivalência, e posteriormente sobre a Amazônia e Belo Monte, para assim estudar como a teoria se aplica na prática do Movimento Xingu Vivo Para Sempre. Conclui-se que o movimento define relações de equivalência entre suas lutas pela necessidade de combater um inimigo comum.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, Juliete Miranda. Hidrelétrica de Belo Monte: a apresentação de um projeto e as representações sociais que circulam em torno do conceito de desenvolvimento. ANPPAS, Florianópolis/SC, 2010. Disponível em: http://anppas.org.br/encontro5/cd/artigos/GT14-323-732-20100903185244.pdf> Acesso em: 13/07/2017.
CASTRO, Geldes de Campos. “A favor de outro desenvolvimento”: o Movimento Xingu Vivo para Sempre, Belo Monte e suas manifestações na World Wide Web. In. Somanlu, ano 12, n. 2, jul./dez. 2012. Págs. 221-242.
COHEN, J. Sociedade civil e globalização: repensando categorias. In. Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 46, n. 3, p. 419-459, 2003.
COSTA, L.M. Comunicação e Meio Ambiente: A análise das campanhas de prevenção a incêndios florestais na Amazônia. Belém: NAEA/UFPA, 2006.
INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL. A polêmica da Usina de Belo Monte. Disponível em . Acesso: em 20/12/2013.
_____________________________. Um legado de violações. Disponível em: https://medium.com/@socioambiental/belo-monte-um-legado-de-viola%C3%A7%C3%B5es-43ea35c973b8> Acesso em 13/07/2017.
JUSTIÇA GLOBAL, Organizações e movimentos sociais manifestam repúdio às ações de espionagem realizadas pelo Consórcio Construtor de Belo Monte e pela ABIN ao Movimento Xingu Vivo para Sempre. 23 de fevereiro de 2013. Disponível em: http://www.global.org.br/blog/organizacoes-e-movimentos-sociais-manifestam-repudio-as-acoes-de-espionagem-realizadas-pelo-consorcio-construtor-de-belo-monte-ccbm-e-pela-agencia-brasileira-de-inteligencia-abin-ao-movimento-xing/> Acesso 15/07/2017.
LACLAU, Ernesto. Os novos movimentos sociais e a pluralidade do social. Traduzido do inglês pela Tradutec. In. CEDLA Latin American Studies, n° 29. Disponível em: http://www.anpocs.org.br/portal/publicacoes/rbcs_00_02/rbcs02_04.htm> Acesso em 13/07/2017.
MEDEIROS, Pilar Damião de. O intelectual engagé dos movimentos sociais. In. Sociologia, problemas e prática, n. 73, 2013, pp. 79-92. Acesso: http://sociologiapp.iscte.pt/> Acesso em 13/07/2017.
MIGNOLO, Walter D. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. In. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, no 34, p. 287-324, 2008. Disponível em: www.uff.br/cadernosdeletrasuff/34/traducao.pdf> Acesso em 13/07/2017.
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL. Relatório de inspeção interinstitucional. Disponível em: http://www.prpa.mpf.mp.br/news/2015/arquivos/Relatorio_inspecao_ribeirinhos_Belo_Monte_junho_2015.pdf/> Acesso em 13/07/2017.
MOVIMENTO XINGU VIVO PARA SEMPRE. 15.06:liberando o Xingu. 2012. Disponível em: http://www.xinguvivo.org.br/2012/06/15/xingu-23-15-06-liberando-o-xingu/> Acesso em 13/07/2017.
____________________________________________________________________________. Carta do Movimento Xingu Vivo para Sempre. In: Encontro Xingu Vivo para Sempre divulga documento final. Instituto Socioambiental. 2008. Disponível em . Acesso em 13/07/2017.
________________________________________. Fundo Brasil de Direitos humanos. 2013. Disponível em: http://www.fundodireitoshumanos.org.br/projeto/movimento-xingu-vivo-para-sempre-para/> Acesso em 13/07/2017.
________________________________________. No 50º aniversário do Golpe, ação pede condenação da ABIN e de Belo Monte por espionagem. 1 de abril de 2014. Disponível em: http://www.xinguvivo.org.br/2014/04/01/no-50o-aniversario-do-golpe-acao-pede-condenacao-da-abin-e-de-belo-monte-por-espionagem/> Acesso em 15/07/2017.
PAES LOUREIRO, J. J. Cultura amazônica: uma poética do imaginário. São Paulo: Escrituras, 2003.
PONTE, Zuleide Pamplona Ximenes. Amazônia, projeto desenvolvimentista, dissimulação e barbárie. Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal do Pará, 2010. Disponível em: http://www.ppgcs.ufpa.br/arquivos/teses/teseTurma2005-ZuleidePonte.pdf> Acesso em 13/07/2017.
SILVA, Josiele Sousa da. Movimento Xingu Vivo para Sempre e o Discurso da Contestação contra Belo Monte. Disponível em: Acesso em 13/07/2017.
SCHERER-WARREN, Ilse. Das mobilizações às redes de movimentos sociais. In. Soc. Estado [online], v.21, n.1, p. 109-130, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo. php?script=sci_
arttext&pid=S0102-69922006000100007. Acesso em: 13/07/2017.
___________________. Redes e movimentos sociais projetando o futuro. In. Revista Brasileira de Sociologia. v. 01, n. 01, Jan/Jul. 2013. Acesso: http://www.sbsociologia.com.br/revista/index.php/RBS/article/view/29/9> Acesso em: 13/07/2017.
___________________. Redes e incidência nas políticas públicas: entre as singularidades e as universalidades. In. Fronteiras abertas da América Latina: diálogo na ALAS-Associação Latino-Americana de Sociologia / organizadores: Paulo Henrique Martins, Cibele Rodrigues. – Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2012, p. 219-241. Acesso: http://www.academia.edu/3100788/Ilse_Scherer-Warren_Redes_e_incidencia_nas_politicas_publicas_entre_as_singularidades_e_as_universalidades.> Acesso em: 13/07/2017.
Scherer-Warren, Ilse & Lüchmann, Lígia Helena Hahn. Situando o debate sobre movimentos sociais e sociedade civil no Brasil – Introdução. In. Revista Política e Sociedade. Nº 5 – outubro de 2004. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/politica/article/view/1976 > Acesso em 13/07/2017.
Publicado
2018-11-30