A superação da lógica do "compreendendo menos e condenando mais" pelas mãos e lentes da justiça restaurativa

  • Clara Welma Florentino e Silva Universidade de Brasília
Palavras-chave: Justiça restaurativa. Movimento restaurativo. Teoria restaurativa. Criminologia crítica. Hiperencarceramento.

Resumo

O artigo aborda o pensamento criminológico após a mudança do Estado de bem-estar social para o período pós-moderno e neoliberal. Neste contexto, situam-se os sentimentos de insegurança e impunidade, estimulados pela mídia, e o desenvolvimento de soluções de controle de criminalidade, por meio do endurecimento de penas e tipificação de condutas. Contrapõem-se essas ideias com o hiperencarceramento e os estudos criminológicos sobre a ineficácia da pena privativa de liberdade. Trabalha-se, pois, a necessidade de desenvolver outras formas de punição, a fim de superar a crise do sistema penal tradicional. Por fim, trabalha-se a ideia de que a Justiça Restaurativa poderia ser outra forma de censura (diferente da pena), avaliando criticamente suas potencialidades e limitações histórico-temporais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACHUTTI, Daniel Silva. Justiça restaurativa e abolicionismo penal: contribuições para um novo modelo de administração de conflitos no Brasil. 2012. 279 f. Tese (Doutorado em Ciências Criminais) - Programa de Pós-Graduação em Ciências Criminais, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2012.
ACHUTTI, Daniel Silva. A crise do processo penal na sociedade contemporânea: uma análise a partir das novas formas de administração da justiça criminal. 2006. 127 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Criminais) - Programa de Pós-Graduação em Ciências Criminais, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2006.
AMARAL, Augusto Jobim do. Cultura da Punição: a ostentação do horror. 2ª ed. Forianópolis: Empório do Direito, 2015.
ANDRADE, Vera Regina Pereira de. Pelas mãos da criminologia: o controle penal para além da (des)ilusão. Rio de Janeiro: Revan, 2012.
BARATTA, Alessandro. Criminologia Crítica e Crítica do Direito Penal: introdução à sociologia do direito penal. Tradução de Juarez Cirino dos Santos. Rio de Janeiro: Revan, 2011.
BAUMAN, Zygmunt. Globalização: as consequências humanas. Tradução de Marcus Penchel. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1999.
BOONEN, Petronela Maria. A justiça restaurativa, um desafio para a educação. São Paulo: Programa de Pós-Graduação (Doutorado) em Educação da Universidade de São Paulo, 2011.
CRUZ, Rafaela Alban. “Justiça restaurativa: um novo modelo de justiça criminal”. In: Tribuna Virtual IBCCRIM. São Paulo, ano I, Ed. nº 02, março de 2013, p. 78-81. Disponível em: http://www.tribunavirtualibccrim.org.br/artigo/11-Justica-Restaurativa:-um-novo-modelo-de-Justica-Criminal. Acesso em: 07/10/2017.
GARLAND, David. As Contradições da "Sociedade Punitiva": O Caso Britânico. Tradução de Bento Prado de Almeida Neto. In: Revista de Sociologia e Política, Curitiba. n. 13, novembro de 1999, p. 59-80.
GIAMBERARDINO, André Ribeiro. Crítica da Pena e Justiça Restaurativa: a censura para além da punição. 1. ed. Florianópolis: Empório do Direito Editora, 2015.
LARRAURI, Elena. Tendencias actuales en la justicia restauradora. In Revista Brasileira de Ciências Criminais. São Paulo: Revista dos Tribunais, nº 51, 2004, p. 67-104.
MEDEIROS, Carolina Salazar L´Armée Queiroga de. Reflexões sobre o punitivismo da Lei Maria da Penha com base em pesquisa empírica numa Vara de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher do Recife. Recife: Programa de Pós-Graduação (Mestrado) em Direito da Universidade Católica de Pernambuco, 2015.
PALLAMOLLA, Raffaella da Porciuncula. Justiça Restaurativa: da teoria à prática. São Paulo: IBCCRIM, 2009.
PIMENTA, Victor Martins. Por trás das grades: o encarceramento brasileiro em uma abordagem criminológico-crítica. Brasília. Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares (Mestrado) da Universidade de Brasília, 2016.
ROSENBLATT, Fernanda Fonseca. “Em busca das respostas perdidas: uma perspectiva crítica sobre a Justiça Restaurativa”. In: CONPEDI, 2014. Disponível em: < http://publicadireito.com.br/artigos/?cod=adc4b51b49fc307a>. Acesso em: 06/06/2017.
RUSCHE, Georg; KIRCHHEIMER, Otto. Punição e estrutura social. Traduzido por: Gizlene Neder. Rio de Janeiro: Revan, 2004.
ZAFFARONI, Eugenio Raúl. A questão criminal. Traduzido por: Sérgio Lamarão. Rio de Janeiro: Revan, 2013.
ZAFFARONI, Eugenio Raúl. Em busca das penas perdidas: a perda de legitimidade do sistema penal. Traduzido por: Vania Romano Pedrosa, Almir Lopez da Conceição. Rio de Janeiro: Revan, 1991.
Publicado
2018-04-14