Teaching EFL to children: reflections on (future) teachers’ language assessment literacy

reflexões sobre o letramento em avaliação de línguas de (futuros) professores

  • Juliana Reichert Assunção Tonelli Universidade Estadual de Londrina
  • Gladys Quevedo Camargo Universidade de Brasília
Palavras-chave: Letramento em avaliação de línguas, Inglês como língua estrangeira, Formação de professores de línguas, Ensino de inglês para crianças

Resumo

Este artigo apresenta reflexões sobre o letramento em avaliação de línguas de sete alunos de um curso de graduação em letras/inglês-licenciatura e uma mestranda em estudos da linguagem, todos envolvidos com o ensino de língua inglesa para crianças em um projeto de pesquisa universitário. Os dados foram coletados por meio de grupo focal e analisados sociodiscursivamente com a utilização do conceito de vozes subjacentes às respostas. As vozes identificadas foram predominantemente acadêmicas, posto que os participantes espelharam o conhecimento e o discurso com os quais tiveram contato na universidade. Tal espelhamento demonstrou apropriação total ou parcial de tais discursos, indicando um processo de letramento em avaliação de línguas em andamento. Os resultados trazem luz às tensões entre os diferentes tipos de conhecimentos que deveriam ser abordados na formação de professores de línguas e sobre as demandas apresentadas pelo desafio de avaliar crianças aprendendo línguas à medida que evidenciam problemas que se originam da falta de letramento em avaliação apropriado para tal contexto de trabalho. Esse é, sem dúvida, um enorme desafio que temos no Brasil, bem como em outras partes do mundo, onde cursos de formação de professores (de línguas) não têm preparado os futuros professores para avaliar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, M. E. Muito além da ribalta: crenças de terceiros, segundos e primeiros agentes sobre o processo de ensino-aprendizagem de inglês para crianças. 2011. 160 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Instituto de Letras, Universidade de Brasília, Brasília, 2011.

BACARIN, M.C. Formação de professores de inglês para crianças: caminhos a percorrer. 2013. 54 fls. Monografia (Especialização em Ensino e Aprendizagem da Língua Inglesa) – Faculdade de Letras, Universidade Norte do Paraná, Londrina. 2013.

BECKER, C. Assessment and portfolios. In: BLAND, J (Org.) Teaching English to young learners: critical issues in language teaching with 3-12 year olds. 1. ed. London: Bloomsbury Publishing, Plc, 2015. p. 261-278.

BLAND, J. Teaching English to young learners: critical issues in language teaching with 3-12 year olds. 1. ed. London: Bloomsbury Publishing, Plc, 2015.

BOHN, H. I. A formação do professor de línguas: a construção de uma identidade profissional. Investigações: Linguística e Teoria Literária, Recife, v. 17, n. 2, p. 97-113, jul. 2004

CAMERON, L. Teaching language to young learners. 1st ed .Cambridge: Cambridge University Press, 2001.

COOMBE, C.; TROUDI, S.; AL-HAMLY, M. Foreign and second language teacher assessment literacy: issues, challenges, and recommendations. In: COOMBE, C; DAVIDSON, P; O’SULLIVAN, B; STOYNOFF, S. (Eds.). The Cambridge guide to second language assessment. 1. Ed. Cambridge: Cambridge University Press, 2012. p. 20-29.

CROSSE, K. Introducing English as an additional language to young children. 1. ed. London: Paul Chapman Publishing, 2007.

DOLZ, J., NOVERRAZ, M.; SCHNEUWLY, B. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: DOLZ, J; SCHNEWELY, B. (Org.), Gêneros orais e escritos na escola. 2. ed. Campinas: Mercado das Letras, 2004. p. 95-128.

FORTE, J. S. O ensino de língua inglesa para alunos da educação infantil em Porto Alegre: uma leitura crítica acerca do uso da linguagem, do letramento e de crenças. 2010. 122 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

HASLAM, L; WILKIN, Y; KELLET, E. Teaching children English as an additional language: meeting the challenge in the classroom. 1. ed. London: Routledge, 2008.

HASSELGREEN, A. Assessing young learners. In : COOMBE, C; DAVIDSON, P; B. O’SULLIVAN, B; STOYNOFF, S. (Eds.). The Cambridge guide to second language assessment. 1. ed. Cambridge: Cambridge University Press, 2012. p. 171-177.

KECK, C; KIM, Y. Pedagogical grammar. 1. ed. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamin Publishing Company, 2014.

KRUEGER, R. A; CASEY, M. A. Focus groups : a practical guide for applied research . 3. ed. Thousand Oaks: Sage Publications, 2000.

LINGUEVIS, A. M. Vamos ouvir a voz das crianças sobre aprender inglês na educação infantil. In: TONELLI, J; RAMOS, S. G. M. (Org.). O ensino de LE para crianças: reflexões e contribuições. 1. ed. Londrina: Moriá, 2007. p. 85-106.

MACHADO, A.R; BRONCKART, J. P. (Re-)Configurações do trabalho do professor construídas nos e pelos textos: a perspectiva metodológica do grupo ALTER-LAEL. In: MACHADO, A. R; ABREU-TARDELLI, L. S; CRISTOVÃO, V.L.L (Org.). Linguagem e educação: o trabalho do professor em uma nova perspectiva. Campinas: Mercado de Letras, 2009. p. 31-37.

MELLO, M. G. Ensino de inglês nos anos iniciais do Ensino Fundamental: um estudo de política pública no município de Rolândia, PR. 2013. 151 f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) - Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2013.

MURPHY, V.A; EVANGELOU, M. Early childhood education in English for speakers of other languages. 1. ed. London: British Council, 2016.

PIRES, S. S. Vantagens e desvantagens do ensino de língua estrangeira na educação infantil: um estudo de caso. 2001. 131 f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2001.

POPHAM, W. J. All about accountability: why assessment illiteracy is professional suicide. Educational Leadership. North Beauregard St. Alexandria, v. 62, n. 1, s/p, setembro, 2004. Disponível em: <http://www.ascd.org/publications/educational-leadership/sept04/vol62/num01/Why-Assessment-Illiteracy-Is-Professional-Suicide.aspx>. Acesso em: 13 maio 2018.

POPHAM, W. J. Assessment literacy for teachers: faddish or fundamental? Theory Into Practice, The College of Education and Human Ecology, The Ohio State University, v. 48, n. 1, p. 4-11, 2009.

QUEVEDO-CAMARGO, G. Avaliar formando e formar avaliando o (futuro) professor de língua inglesa: elementos para um construto. 2011. 364 f. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2011.

REA-DICKINS, P. Assessment in early years language learning contexts. Language Testing, v. 17, n. 2, p. 115-122, 2000.

RINALDI, S. O futuro é agora: possíveis caminhos para a formação de professores de espanhol como língua estrangeira para crianças. 2011. 261 f. Tese (Doutorado em Linguagem e Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

ROCHA, C. H. Provisões para ensinar e aprender LE no Ensino Fundamental de 1a a 4a séries: dos parâmetros oficiais e objetivos dos agentes. 2006. 340 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2006.

SANTOS, L. I. S. Língua inglesa em anos iniciais do Ensino Fundamental: fazer pedagógico e formação docente. 2009. 276 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos). – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, São José do Rio Preto, 2009.

SCARAMUCCI, M. V. R. Avaliação: mecanismo propulsor de mudanças no ensino/aprendizagem de línguas estrangeiras. Contexturas, São Paulo, p. 75-81, 1999.

SCARAMUCCI, M.V.R. O professor avaliador: sobre a importância da avaliação na formação do professor de língua estrangeira. In: ROTTAVA, L; SANTOS, S. S (Org.), Ensino-aprendizagem de línguas: língua estrangeira. Ijuí: Editora da UNIJUI, 2006. p. 19-64.

SCOTT, C. Teaching English as an additional language: a programme for 7-11 year olds. 1. ed. London: Routledge, 2009.

STIGGINS, R. J. Assessment literacy. The Phi Delta Kappan, v. 72, n. 7, p. 534-539, 1991.

STIGGINS, R. J. Assessment crisis: the absence of assessment for learning. The Phi Delta Kappan, v. 83, n. 10, p. 758-765, 2002.

STIGGINS, R. J. Conquering the formative assessment frontier. In: MCMILLAN, J (Ed.). Formative classroom assessment. 1. ed. New York: Columbia University Teachers College Press, 2007. p. 8-28.

TAMBOSI, H. H. F. Investigating language play in interaction: a qualitative study with children as foreign language learners. 2006. 111 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

TONELLI, J. R. A. Histórias infantis no ensino da língua inglesa para crianças. 2005. 359 f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2005.

TONELLI, J. R. A. Professores de língua adicional para crianças: atores de espaços vazios?. In: REIS, S. (Org.). Profissionalização docente: história, políticas e ética. 1. ed. Londrina: EDUEL, 2017. p. 67-84.

TONELLI, J.; QUEVEDO-CAMARGO, G. Avaliar crianças em fase pré-escolar aprendendo inglês como língua adicional: acertos e desacertos. In: Congresso Brasileiro de Linguística Aplicada, 11., 2016, Campo Grande. Anais... Campo Grande: 2016. p. 922-939. Disponível em:<http://www.alab.org.br/images/stories/alab/XICBLA/XI_CBLA.pdf>. Acesso em: 30 nov. 2016.

TUTIDA, A. F. Ensino de língua inglesa para crianças: questões sobre formação de professores e os saberes da prática. 2016. 341 F. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2016.

Publicado
2018-12-10
Como Citar
Tonelli, J., & Quevedo Camargo, G. (2018). Teaching EFL to children: reflections on (future) teachers’ language assessment literacy. Revista Horizontes De Linguistica Aplicada, 17(1). https://doi.org/10.26512/rhla.v17i1.9209
Seção
Artigos