Uma reflexão sobre a competência linguístico-comunicativa e a proficiência do (futuro) professor de língua estrangeira no Brasil

  • Douglas Altamiro Consolo UNESP
Palavras-chave: competência linguístico-comunicativa, formação de professores, língua estrangeira, proficiência

Resumo

Neste artigo apresento uma discussão sobre a proficiência linguística (PL) em língua estrangeira (LE) de professores de línguas, com ênfase em contextos de formação de professores no Brasil. O foco está na reflexão, a partir de subsídios teóricos e dados de pesquisa, de informações que possibilitem a definição de aspectos da linguagem a serem considerados no estabelecimento de parâmetros dessa proficiência, a qual decorre da competência linguístico-comunicativa desses professores. Busca-se estabelecer, com bases nesses aspectos da linguagem e características da “competência” lingüístico-comunicativa (BACHMAN, 1990; CANALE, 1983; CONSOLO, 2002, entre outros), critérios objetivos para a caracterização dos perfis de PL desses professores, em contextos de ensino de LE no cenário brasileiro. A problemática da “competência lingüístico-comunicativa” de professores de inglês como LE, refletida, por exemplo, nos trabalhos de Consolo (1996, 1999, 2000b, 2002, 2004, 2005a,b) e Teixeira da Silva (2000), é aqui tratada no âmbito de um arcabouço teórico sobre competência lingüística e proficiência em LE (cf. BACHMAN & PALMER, 1996; ELDER, 2001; LLURDA, 2000; SCARAMUCCI, 2000, entre outros). A descrição da PL pode impactar positivamente um construto de domínio de linguagem e de avaliação relevantes para formação e atuação de professores de línguas no contexto brasileiro e em outros contextos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANCHIETA, P. P. A construção de uma análise de testes de proficiência oral em língua inglesa: dimensões estruturais e discursivas. Relatório Final de Iniciação Científica (PIBIC/CNPq). São José do Rio Preto: UNESP, 2007.

BACHMAN, L. F. Fundamental considerations in language testing. Oxford: Oxford University Press, 1990.

BACHMAN, L. F.; PALMER, A. Language testing in practice. Oxford: Oxford University Press, 1996.

BAFFI-BONVINO, M. A. Avaliação do componente lexical em inglês como língua estrangeira: foco na produção oral. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Unesp, São José do Rio Preto, 2007.

BAGHIN-SPINELLI, D. C. M. Ser professor (brasileiro) de língua inglesa: um estudo dos processos identitários nas práticas de ensino. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem,Unicamp, Campinas 2003.

BARCELOS, A. M. F. A cultura de aprender línguas (inglês) de alunos no curso de Letras. In Almeida Filho, J. C. (Org.) O professor de língua estrangeira em formação. Campinas: Pontes Editores, 1999. p. 157-177.

CANALE, M. From communicative competence to communicative language pedagogy. In J. C. Richards, J. C.; Schmidt, R. W. (Orgs.) Language and communication. Harlow: Longman, 1983. p. 2-26.

CONSOLO, D. A. A competência oral de professores de língua estrangeira: a relação teoria-prática no contexto brasileiro. In: Consolo, D. A.; Teixeira da Silva, V. L. (Orgs.) Olhares sobre competências do professor de língua estrangeira: da formação ao desempenho profissional. São José do Rio Preto: Editora HN, 2007. p. 165-178.

CONSOLO, D. A. On a (re)definition of oral language proficiency for EFL teachers: perspectives and contributions from current research. Melbourne Papers in Language Testing, v. 1, p. 1-28, 2006.

CONSOLO, D. A. Posturas sobre avaliação da proficiência oral do professor de língua estrangeira: implicações para o cenário brasileiro. In Freire, M. M Freire; Vieira-Abrahão, M. H.; Barcelos, A. M. F. (Orgs.) Lingüística Aplicada e contemporaneidade. Campinas: Pontes , 2005ª. p. 269-287.

CONSOLO, D. A. Competência lem língua inglesa de alunos de Letras: definição de parâmetros na formação e avaliação da proficiência oral do professor de língua estrangeira. Projeto Trienal de Pesquisa. São José do Rio Preto: UNESP, 2005b.

CONSOLO, D. A. A construção de um instrumento de avaliação da proficiência oral do professor de língua estrangeira. Trabalhos em Lingüística Aplicada, v. 43, n. 2, p. 265-286, 2004.

CONSOLO, D. A. Competência lingüístico-comunicativa: (re)definindo o perfil do professor de língua estrangeira. Anais do VI Congresso Brasileiro de Lingüística Aplicada. Belo Horizonte:UFMG, 2002 (CD-ROM).

CONSOLO, D. A. Revendo a oralidade no ensino/aprendizagem de línguas estrangeiras. Revista de Estudos Universitários, v. 26, n. 1, p. 59-68, Sorocaba: UNISO, 2000b.

CONSOLO, D. A. On teachers’ linguistic profiles and competence: implications for foreign language teaching. Anais do XIV ENPULI. Belo Horizonte:FALE-Universidade Federal de Minas Gerais, 1999. p. 123-134.

CONSOLO, D. A. Apêndice 10: EFL Teachers’ Spoken Language Performance: a test of proficiency in spoken language. In: _____. Classroom discourse in language teaching: a study of oral interaction in EFL lessons in Brazil. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – CALS, The University of Reading, Inglaterra, 1996. p. A132-144.

CONSOLO, D. A.; REZENDE, I. P. Investigando a interação verbal em aulas de língua estrangeira (inglês) na universidade. Intercâmbio X, p. 187-195, São Paulo: LAEL/PUC-SP, 2001.

CONSOLO, D. A.; SILVA, V. L. T. Em defesa de uma formação linguística de qualidade para professores de línguas estrangeiras: o exame EPPLE. Horizontes de Linguística Aplicada, v. 13, n.1, p. 63-87, 2014.

CONSOLO, D. A.; TEIXEIRA DA SILVA, V. L. The TEPOLI test: construct, updated tasks and new parameters to assess EFL teachers’ oral proficiency. Anais do I Congresso Internacional da ABRAPUI. Belo Horizonte: UFMG, 2007 (CD-ROM).

CORDER, S. P. The study of interlanguage. Proceedings of the fourth international congress of applied linguistics, 1976. Reproduzido em S. P. Corder (1981) Error analysis and interlanguage. Oxford: Oxford University Press, 1981.

DOUGLAS, D. Assessing languages for specific purposes. Cambridge: Cambridge University Press, 2000.

EDMONSON, W. On saying you’re sorry. In Coulmas, F. (Org.) Conversational routine. The Hague: Mouton, 1981.

ELDER, C. Assessing the language proficiency of teachers: are there any border controls? Language Testing, v. 18, no 2, 2001, p. 149-170.

ELDER, C. Performance testing as benchmark for foreign language teacher education. Babel. Journal of the Federation of Modern Language Teachers Associations, v. 29, no 2, 1994a, p. 9-19.

ELDER, C. Are raters’ judgements of language teacher effectiveness wholly language based? Melbourne Papers in Language Testing, v. 3, n. 2, p. 41-61, 1994b.

ELLIS, R. The study of second language acquisition. Oxford: Oxford University Press, 1994.

FERNANDES, A. M. Relatório Final de Iniciação Científica (PIBIC/CNPq). São José do Rio Preto: UNESP, 2007.

GREENE, J. Psycholinguistics. Harmondsworth: Penguin, 1972.

HUDSON, T. Trends in assessment scales and criterion-referenced language assessment. Annual Review of Applied Linguistics, v. 25, p. 205-227, 2005.

HYMES, D. Competence and performance in linguistic theory. In R. Huxley; E. Ingram (Orgs.). Language acquisition: models and methods. New York: Academic Press, 1971.

HYMES, D. On communicative competence. In Pride, J. B.; J. Holmes, J. (Orgs.). Sociolinguistics. Harmondsworth: Penguin, 1972.

IBRAHIM, M. P. B. A interação oral de uma professora não-nativa em aulas de língua estrangeira (inglês). Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Unesp, São José do Rio Preto,, 2006

LLURDA, E. On competence, proficiency and communicative language ability. International Journal of Applied Linguistics, v. 10, n. 1, 2000, p. 85-96.

MACHADO, R. A. O. A fala do professor de inglês como língua estrangeira: alguns subsídios para a formação do professor. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp, Campinas, 1992.

NORTH, B. Scales of language proficiency. Melbourne Papers in Language Testing, v. 4, n. 2, p. 60-111, 1995.

SAVIGNON, S. J. Communicative competence: theory and classroom practice. Reading, Mass.: Addison-Wesley, 1983.

SCARAMUCCI, M. V. R. Proficiência em LE: considerações terminológicas e conceituais. Trabalhos de Lingüística Aplicada, v. 36, p. 11-22, 2000.

SILVA, C. V. A (in)competência lingüístico-comunicativa de alunos de Letras-Língua Inglesa: construto e tendências na formação do professor. Relatório Parcial de Estágio de Iniciação Científica PIBIC/CNPq. São José do Rio Preto: UNESP, 2003.

STERN, H. H. Fundamental concepts of language teaching. Oxford: Oxford University Press, 1983.

TAYLOR, D. S. The meaning and use of the term ‘competence’ in linguistics and Applied Linguistics. Applied Linguistics, v. 9, n. 2, , p. 148-168, 1998.

TEIXEIRA DA SILVA, V. L. Fluência oral: imaginário, construto e realidade num curso de Letras/LE. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp, Campinas:2000.

UNDERHILL, N. Testing spoken language: a handbook of oral testing techniques. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

Publicado
2018-12-27
Como Citar
ConsoloD. A. (2018). Uma reflexão sobre a competência linguístico-comunicativa e a proficiência do (futuro) professor de língua estrangeira no Brasil. Revista Horizontes De Linguistica Aplicada, 17(2). https://doi.org/10.26512/rhla.v17i2.23441
Seção
Artigos