Concubinas e Poderosas

feitiçaria e poder feminino nos Sertões das Gerais no século XVIII

  • Rangel Cerceau Netto Centro Universitário de Belo Horizonte - Unibh
Palavras-chave: mestiçagens, mobilidade, Poder feminino, religiosidade

Resumo

Este artigo, a partir da trajetória individual da parda Timótia Nogueira, busca-se retratar a dinâmica do universo religioso e das atividades laborais desenvolvidas por mulheres mestiças no complexo universo colonial da América portuguesa setecentista, especificamente no sertão do Rio das Velhas.  Por meio das pastorais e devassas eclesiásticas foram arrolados casos de feitiçaria associada a trajetória de uma ex-escrava que conquistou a alforria e se tornou liberta utilizando diversas estratégias envolvendo a sexualidade, as relações consensuais, o meretrício e o domínio de práticas religiosas mestiças. A nossa perspectiva insere-se nos eixos da escravidão, dos trânsitos e das mestiçagens, o que possibilitou a Timótia conquistar mobilidade material, social e espacial em um mundo misógino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AEAM. Devassas, Liv. Testemunhas, jan.-mar. 1767-1778, f. 69 v.
AEAM. Devassas. Liv. Culpados, jul.-jan. de 1748-1750, f. 15v.
CALAINHO, Daniela. Metrópole das Mandingas: religiosidade negra e inquisição portuguesa no Antigo Regime. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.
CONSTITUIÇÕES PRIMEIRAS DO ARCEBISPADO DA BAHIA. Regime do Auditório Eclesiástico, Título VIII, 1853.
FOUCAULT Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber, 7 Edição. Rio de Janeiro: Graal, 1985.
GRUZINSKI, Serge. O Pensamento Mestiço. Trad. Rosa Freire d'Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.
MOTT, Luiz. Rosa Egipcíaca: Uma Santa Africana no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand, 1993.
NETTO, Rangel. População e mestiçagens: a família entre mulatos, crioulos e mamelucos em Minas Gerais – séculos XVIII e XIX. In: PAIVA, Eduardo França, IVO, Isnara Pereira e MARTINS, Ilton Cesar (Orgs.). Escravidão, mestiçagens, populações e identidades culturais. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: PPGH/UFMG; Vitória da Conquista: Ed.UESB, 2010.
________. Famílias Mestiças e as representações identitárias: entre as maneiras de viver e as formas de pensar em Minas Gerais, no século XVIII. In: PAIVA, Eduardo França; AMANTINO, Márcia e IVO, Isnara Pereira. (Orgs.) Escravidão, mestiçagens, ambientes, paisagens e espaços. São Paulo: Annablume, 2011.
________. Entre as formas de se pensar e as maneiras de se viver: a família mestiça e a vida familiar em Minas Gerais colonial. São Paulo: Alameda, 2017.
PAIVA, Eduardo. Dar nome ao novo: uma história lexical das Américas portuguesa e espanhola, entre os séculos XVI e XVIII (as dinâmicas de mestiçagem e o mundo do trabalho). 2012.
PRIORE, Mary Del. Ao sul do corpo: condição feminina, maternidades e mentalidades no Brasil Colônia. São Paulo: Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" – UNESP, 2009.
RAMOS, Donald. A “voz popular” e a cultura popular no Brasil do século XVIII. In: SILVA, Maria Nizza da (Org). Cultura portuguesa na Terra de Santa Cruz. Lisboa: Estampa, 1995.
SOUZA, Laura. O Diabo e a Terra de Santa Cruz. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.
Publicado
2018-11-26
Como Citar
Netto, R. (2018). Concubinas e Poderosas. História, Histórias, 6(12). https://doi.org/10.26512/hh.v6i12.19248