"Quomodo legis?" A leitura à luz do método inaciano na novela do jesuíta Alexandre de Gusmão: "História do Predestinado Peregrino e de seu irmão Precito" (1682)

Marina Massimi

Resumo


O objeto do artigo é a novela alegórica História do Predestinado Peregrino e de seu irmão Precito escrita no Brasil pelo jesuíta Alexandre de Gusmão e publicada em 1682, tendo várias reedições. Gusmão ocupou na Companhia de Jesus funções importantes dentre os quais a direção de um Colégio próximo da cidade de Salvador. A hipótese proposta é a de que a novela veicula no Brasil conteúdos e métodos dos Exercícios espirituais de Inácio de Loyola. O texto segue também as orientações da Ratio Studiorum. Portanto, Gusmão teria concebido a novela como importante veículo de circulação dos exercícios inacianos. Além disto, mostra-se que a novela foi texto pioneiro escrito com o objetivo pedagógico de iniciar à leitura o público brasileiro: para esta iniciação, a novela sugere um método de leitura orientado pelos Exercícios inacianos.


Palavras-chave


Alexandre de Gusmão SI; literatura; religião; exercícios espirituais; história da leitura

Texto completo:

PDF




ISSN 2318-1729

Licença Creative Commons
história, histórias: Revista do Programa de Pós-graduação em História da UnB é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported.
Baseado no trabalho em seer.bce.unb.br.

ISSN 2318-1729