Crítica bergsoniana ao dualismo na tradição

Edvan Aragão Santos

Resumo


Este artigo tem como objetivo expor a crítica de Henri-Bergson ao dualismo na tradição filosófica. Nosso intuito é demonstrar que Bergson se diferencia fundamentalmente do dualismo e da perspectiva ontológica da tradição filosófica - ainda que se utilize em toda sua obra de dualismos que aparecem sob a forma do método. Bergson se contrapõe, sobretudo, ao privilégio do ser transcendental enquanto forma estática e imóvel conferida pelo Platonismo e endossa sua crítica à tradição em um debate constante com o famoso paradoxo da corrida entre Aquiles e a Tartaruga do filósofo grego Zenão de Eléia. Ao desvelar os problemas do Platonismo e da escola de Eléia, Bergson pretende nos revelar uma ontologia do devir e do movimento. 

Palavras-chave


Dualismo. Ontologia. Duração. Espaço. Devir.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

Revista de Filosofia Moderna e Contemporânea do Departamento de Filosofia da Universidade de Brasília é licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported.
Baseado no trabalho em seer.bce.unb.br.

Revista indexada em Latindex, Clase, Sumários, Periódicos da CAPES, DRJI, DiadorimDOAJ, PhilBrasil, SHERPA/RoMEO e CiteFactor.

  


QUALIS CAPES: B2

ISSN: 2317-9570