Max Stirner, os limites do sujeito na esquerda hegeliana e um ponto de virada na filosofia

Rodrigo Ornelas

Resumo


Compreendendo Max Stirner no contexto do movimento jovem hegeliano podemos observar que seu trabalho filosófico põe-se em diálogo com seu tempo de forma crítica. Stirner vê no desenvolvimento intelectual de sua época um espaço para superar não só o além fora de nós, em Deus, como também o além em nós, no Homem (humanidade). Seus contemporâneos encarregaram-se bem da primeira tarefa, mas não da segunda, incorrendo no retorno a uma sacralidade, proclamando, no lugar de um reino teológico, um reino antropológico. A partir daí, então, Stirner desenvolve a filosofia do único, baseada no ato de apropriação das ideias abstratas pelo indivíduo corpóreo particular. Com essa formulação o autor radicaliza a questão do sujeito em sua crítica da Modernidade quando também oferece à filosofia ferramentas para uma elaboração (pós)Moderna, no caminho destranscendentalista, em direção à filosofia contemporânea.


Palavras-chave


Apropriação; Modernidade; Hegelianismo; Subjetividade

Texto completo:

PDF




Licença Creative Commons

Revista de Filosofia Moderna e Contemporânea do Departamento de Filosofia da Universidade de Brasília é licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported.
Baseado no trabalho em seer.bce.unb.br.

Revista indexada em Latindex, Clase, Sumários, Periódicos da CAPES, DRJI, DiadorimDOAJ, PhilBrasil, SHERPA/RoMEO e CiteFactor.

  


QUALIS CAPES: B2

ISSN: 2317-9570