"Políticas da imanência, políticas da transcendência: ensaio popular", de Antonio Negri

  • Herivelto Pereira de Souza Departamento de Filosofia,Universidade de Brasília - UnB

Resumo

A tradução deste texto foi feita no contexto do projeto de compilar e traduzir todo o conjunto de escritos negrianos que versam prioritariamente sobre o pensamento espinosano, do qual resultou o volume Espinosa subversivo e outros escritos, recém publicado pela Editora Autêntica. Decidimos por deixar este texto de fora por que um outro texto, Espinosa: uma heresia da imanência e da democracia, mostrou-se uma versão mais desenvolvida das questões discutidas, e colocá-los juntos num mesmo volume representaria uma repetição descabida. Por outro lado, considerando que a autorização para publicá-lo já havia sido dada, pareceu-nos que não deveríamos deixar escapar a oportunidade de tornar disponível ao leitor esse momento de reformulação de algumas reflexões filosóficas muito relevantes para se pensar as configurações históricas do poder político, através da crítica a seus fundamentos metafísicos transcendentes, de modo a ressaltar o caráter criativo e constitutivo de certas lutas de resistência. Ora, retringir-se à imanência não implica impedir qualquer horizonte de universalidade, o que relegaria as práticas de determinação de normas sociais a um particularismo ininteligível, pois é a partir da intrínseca relacionalidade do comum que tais práticas são pensadas, uma dinâmica aberta e produtiva, referenciada na potência própria desse sujeito político que é a multidão.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2017-05-21
Como Citar
SouzaH. P. de. "Políticas da imanência, políticas da transcendência: ensaio popular", de Antonio Negri. Revista de Filosofia Moderna e Contemporânea, v. 4, n. 2, p. 128-136, 21 maio 2017.
Seção
Traduções