O Brasil na América Latina: diante de uma ideia de literatura mundial

Palavras-chave: literatura mundial, literatura brasileira, América Latina

Resumo

Este artigo buscará pensar de que maneira a literatura brasileira aparece na corrida para fazer parte de uma literatura-mundo. A partir da imposição mesma de uma economia pensada numa relação de mundo presente no vocábulo globalização, a proposição de Goethe de uma literatura mundial passa a ser o ponto de partida para o estudo dessa inserção. Observou-se que reservar um lugar periférico dentro do pecúlio comum do mundo às literaturas da América Latina não é suficiente para incluí-la no discurso do “mundial” e muito menos para efetivar o que Spivak chama de “uma competição limpa”. Ainda mais especificamente, interessa pensar o caso do Brasil dentro da América Latina, sua posição ainda mais periférica em relação à inserção na literatura-mundo, e que tem, no entanto, outras ressonâncias a partir dos estudos de Franco Moretti e das novas publicações de Machado de Assis nos Estados Unidos, que deram visibilidade à crítica brasileira que aborda essas questões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACHUGAR, Hugo (2006). Apuntes sobre la “literatura mundial”, o acerca de la imposible universalidad de la “literatura universal”. In: SÁNCHES-PRADO, Ignacio (Ed.). América Latina en la “literatura mundial”. Pittsburgh: Instituto Internacional de Literatura Iberoamericana, p. 197-212.
BAPTISTA, Abel Barros (2009). Ideia de literatura brasileira com propósito cosmopolita. Revista Brasileira de Literatura Comparada, Niterói, v. 11, n. 15, p. 61-87.
CASANOVA, Pascale (2002). República mundial das letras. Tradução de Marina Appenzeller. São Paulo: Estação Liberdade.
CAMPOS, Haroldo (2000). Ruptura dos gêneros na América Latina. In: MORENO, César Fernandez. América Latina en su literatura. 17. ed. México: Siglo Veinteuno.
CAMPOS, Haroldo (2006). Metalinguagem e outras metas. São Paulo: Perspectiva.
CANDIDO, Antonio (1987). A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Ática.
HEISE, Eloá (2007). Weltliteratur, um conceito transcultural. Revista Brasileira de Literatura Comparada, Niterói, v. 9, n. 11, p. 35-58.
MIGNOLO, Walter (2005). La idea de América Latina: la herida colonial y la opción decolonial. Tradução de Silvia Jawerbaun e Julieta Barba. Barcelona: Gedisa.
MORENO, César Fernández (2000). América Latina en su literatura. México: Siglo Veintiuno.
MORETTI, Franco (2000). Conjectures on world literature. New Left Review, London, n. 1, Jan./Feb.
MORETTI, Franco (2003). More conjectures. New Left Review, n. 20, Mar./Apr..
MORETTI, Franco (2005). Graphs, maps, trees. Abstract models for literary history. London: Verso.
SÁNCHES-PRADO, Ignacio (Ed.) (2006). América Latina en la “literatura mundial”. Pittsburgh: Instituto Internacional de Literatura Iberoamericana.
SANTIAGO, Silviano (1978). Uma literatura nos trópicos. São Paulo: Perspectiva.
SANTIAGO, Silviano (1982). Vale quanto pesa. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
SARLO, Beatriz (2005). Borges: un escritor en las orillas. Espanha: Siglo Veinteuno.
SCHWARZ, Roberto (1987). Que horas são? São Paulo: Cia. das Letras.
SCHWARZ, Roberto (2006). Leituras em competição. Novos Estudos – Cebrap, São Paulo, n. 75, p. 61-79, jul.
SISCAR, Marcos (2010). Poesia e crise: ensaios sobre a “crise da poesia” como topos da modernidade. Campinas-SP: Editora da Unicamp.
SPIVAK, Gayatri (2009). Morte de una disciplina. Tradução de Irlanda Villegas. Santiago do Chile: Palinódia.
WOOD, Michael (2006). Um mestre entre ruínas. Teresa: Revista de Literatura Brasileira, São Paulo, n. 6-7, p. 504-510.
Publicado
2019-02-06
Como Citar
Magri, I. (2019). O Brasil na América Latina: diante de uma ideia de literatura mundial. Estudos De Literatura Brasileira Contemporânea, (56). https://doi.org/10.1590/2316-40185621