Lembranças do existir: narrativas de memória em A disciplina do amor, de Lygia Fagundes Telles

Palavras-chave: Literatura, memória, Lygia Fagundes Telles

Resumo

O objetivo deste trabalho é analisar a representação da memória na obra A disciplina do amor (1980), de Lygia Fagundes Telles. Para tanto, problematiza-se o modo como a narradora revisita o passado na tentativa de compreensão do presente. Por ser produto da linguagem, o relato memorialístico vai além da sua especificidade histórica. Na ressignificação do vivido, as lembranças se justapõem em um processo de revezamento que faz surgir imagens que se distanciam das reais. A memória, aliada ao criativo, é característica básica em parte da obra da ficcionista Lygia Fagundes Telles, já que a autora maneja recursos da linguagem e do processo imaginativo por meio de uma rede de lembranças fracionadas, que possibilitam às suas protagonistas a compreensão dos fatos e de si mesmas. Em A disciplina do amor, a memória se revela de forma fragmentada. No entanto, reconhece-se um fio condutor comum, potencializado pela voz narradora que proporciona novos sentidos às lembranças, a partir do preenchimento das lacunas pelo viés ficcional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGOSTINHO, Santo (2008). Confissões – Livros VII, X e XI. Tradução de Arnaldo do Espírito Santo et al. Covilhã: LusoSofia.
BOSI, Alfredo (2006). História concisa da literatura brasileira. 43. ed. São Paulo: Cultrix.
CANDIDO, Antonio (1989). A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Editora Ática.
CASTELLO, José (2009). Lygia na penumbra. In: TELLES, Lygia Fagundes. Seminário dos ratos. São Paulo: Companhia das Letras.
DELEUZE, Gilles (2006). Diferença e repetição. Tradução de Luiz Orlandi e Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal.
HALBWACHS, Maurice (2006). A memória coletiva. Tradução de Beatriz Sidou. São Paulo: Centauro.
LIMA, Luiz Costa (1991). Pensando nos Trópicos. Rio de Janeiro: Rocco.
RICOEUR, Paul (2007). A memória, a história, o esquecimento. Tradução de Alain François. Campinas, SP: Editora da Unicamp.
SARTRE, Jean-Paul (1996). O imaginário: psicologia fenomenológica da imaginação. Tradução de Duda Machado. São Paulo: Editora Ática.
TELLES, Lygia Fagundes (1980). A disciplina do amor. São Paulo: Círculo do livro.
Publicado
2019-02-06
Como Citar
Pantoja dos Santos, S. M., & Corrêa Santos, E. S. (2019). Lembranças do existir: narrativas de memória em A disciplina do amor, de Lygia Fagundes Telles. Estudos De Literatura Brasileira Contemporânea, (56), 1-8. https://doi.org/10.1590/2316-4018568