Amor, humor e terror na ficção de Lygia Fagundes Telles

Palavras-chave: Lygia Fagundes Telles, Literatura fantástica, Empenho político

Resumo

O artigo pretende investigar a obra narrativa de Lygia Fagundes Telles a partir do dispositivo fantástico presente em boa parte da sua produção. Entre o engajamento político (sobretudo durante e depois do período da ditadura militar) e a sondagem do inconsciente, de fato, a escritora parece não quer escolher, mantendo ambos os elementos como constitutivos da sua ficção. Esta duplicidade é investigada a partir do conto “Seminário dos ratos”, onde a ironia se cruza com a crítica ideológica, identificando nele uma das características principais da sua escrita literária. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGAMBEN, Giorgio (1998). Quel che resta di Auschwitz. L’archivio e il testimone. Torino: Bollati Boringhieri.
ANDRADE, Carlos Drummond de (2012). Poesia 1930-62. Ed. Crítica. Organização de Júlio Castañon Guimarães. São Paulo: Cosac Naify.
BERGSON, Henri (1919). L’energie spirituelle. Paris: PUF.
BOLOGNA, Corrado (1992). Flatus vocis. Bologna: Il Mulino.
BOMPIANI, Ginevra (2011). L’attesa. Milano: Feltrinelli.
CHRÉTIEN DE TROYES (1969). Lancelot ou le chevalier de la charrete. Edição de Mario Roques. Paris: Honoré Champion.
FONSECA, Rubem (1992). A arte de andar pelas ruas do Rio de Janeiro. In: FONSECA, Rubem. Romance negro e outras histórias. São Paulo: Companhia das Letras.
FOUCAULT, Michel (2009). La vita degli uomini infami. Bologna: Il Mulino. Edição original: La vie des hommes infâmes. In: FOUCAULT, Michel. Dits et écrits. Paris: Gallimard, 1994. v. III.
FREUD, Sigmund (1919/1982). Das Unheimliche. Fischer: Frankfurt am Main.
IMS – INSTITUTO MOREIRA SALLES (1998). Cadernos de Literatura Brasileira, n. 5: Lygia Fagundes Telles. São Paulo: IMS.
JANKÉLÉVITCH, Vladimir (1977). La mort. Paris: Flammarion.
LÉVINAS, Emmanuel (2002). La mort d’autrui et la mienne. In: LÉVINAS, Emmanuel. Dieu, la mort et le temps. 2. ed. Paris: Grasset.
LISPECTOR, Clarice (1979). A paixão segundo G.H. 7. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.
MACHADO, Dyonelio (1997). Os ratos. 30. ed. São Paulo: Ática.
PAES, José Paulo (1998). Ao encontro dos desencontros. In: IMS – INSTITUTO MOREIRA SALLES. Cadernos de Literatura Brasileira, n. 5: Lygia Fagundes Telles. São Paulo: IMS.
RÉGIS, Sônia (1998). A densidade do aparente. In: IMS – INSTITUTO MOREIRA SALLES. Cadernos de Literatura Brasileira, n. 5: Lygia Fagundes Telles. São Paulo: IMS.
SANTIAGO, Silviano (1998). A bolha e a folha: estrutura e inventário. In: IMS – INSTITUTO MOREIRA SALLES. Cadernos de Literatura Brasileira, n. 5: Lygia Fagundes Telles. São Paulo: IMS.
TELLES, Lygia Fagundes (1970/2009). Antes do baile verde. São Paulo: Companhia das Letras.
TELLES, Lygia Fagundes (1980). A disciplina do amor. 4. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.
TELLES, Lygia Fagundes (1981). Mistérios. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.
TELLES, Lygia Fagundes (1984). Seminário dos ratos. 7. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.
TELLES, Lygia Fagundes (1991). A estrutura da bolha de sabão. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.
TELLES, Lygia Fagundes (1995). A noite escura e mais eu. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.
TELLES, Lygia Fagundes (2002). Durante aquele estranho chá: perdidos e achados. Rio de Janeiro: Rocco.
TELLES, Lygia Fagundes (2011). Passaporte para a China. São Paulo: Companhia das Letras.
VALÉRY, Paul (1973). Cahiers, I. Paris: Gallimard.
VIRNO, Paolo (1999). Il ricordo del presente: saggio sul tempo storico. Torino: Bollati Boringhieri.
WITTGENSTEIN, Ludwig (1953/1967). Ricerche filosofiche. Torino: Einaudi.
Publicado
2019-02-02
Como Citar
Finazzi-Agrò, E. (2019). Amor, humor e terror na ficção de Lygia Fagundes Telles. Estudos De Literatura Brasileira Contemporânea, (56), 1-21. https://doi.org/10.1590/2316-4018562