A estratégia da urgência:

considerações sobre O cheiro do ralo, de Lourenço Mutarelli

Resumo

A narrativa O cheiro do ralo, de Lourenço Mutarelli, apresenta como elemento formal sobressaliente uma urgência na maneira de contar, a qual se mostra responsável pela representação de formas de vida aceleradas e deflagradoras de um estado de torpor existencial que adormece o sujeito e lhe impede de transcender uma dada ordem cotidiana estabelecida. Reconhecendo a forte presença desse elemento estrutural na referida narrativa, busca-se, neste estudo, defender a hipótese de que ele se apresenta como um recurso formal eficiente para o alcance e a captação de leitores apressados. Não para distraí-los ou diverti-los, mas para sensibilizá-los, a partir da representação de estilos de vida acelerados, automatizados e envolvidos por uma atmosfera terrificante, de mal-estar (como é a do protagonista de O cheiro do ralo), sobre as angústias humanas deflagradas por formas de vida típicas de uma sociedade em que imperam os media e um capitalismo voraz, que, abreviando a relação dos seres com o tempo e com o entorno para garantir o lucro mediante a produção e o consumo em grande escala, desencadeia, entre outras coisas, intensos estados de torpor mental, anula a ética, a solidariedade e a afetividade entre os homens, além de estimular a projeção de um egocentrismo que tangencia a perversão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BENJAMIN, Walter (2012). O narrador. In: BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas I: Magia e técnica, arte e política. 8. ed. São Paulo: Brasilense. p. 213-240.
BIRMAN, Joel (2001). O mal-estar na atualidade: a psicanálise e as novas formas de subjetivação. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.
CHAUI, Marilena (2006). Simulacro e poder: uma análise da mídia. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.
JAMESON, Fredric (1996). Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ática.
MAFFESOLI. Michel (2003). O instante eterno: o retorno do trágico nas sociedades pós-modernas. São Paulo: Zouk.
MELO NETO, João Cabral (1971). Da função moderna da poesia. In: NUNES, Benedito. João Cabral de Melo Neto: Nota biográfica, introdução crítica, antologia, bibliografia. Rio de Janeiro: Vozes.
MUTARELLI, Lourenço (2011). O cheiro do ralo. São Paulo: Companhia das Letras.
PELLEGRINI, Tânia (2008). Despropósitos: estudos de ficção brasileira contemporânea. São Paulo: Annablume; Fapesp.
VATTIMO, Gianni (1992). A sociedade transparente. Lisboa: Relógio D’água.
YAZLLE, Senise Camargo Lima; GONÇALVES NETO, Nefatalin (2014). O cheiro do ralo: a estética do fragmento. FronteiraZ, São Paulo, n. 13, p. 61-81, dez. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2018.
Publicado
2018-09-18
Como Citar
Melo, I. F. (2018). A estratégia da urgência:. Estudos De Literatura Brasileira Contemporânea, (55), 239-265. https://doi.org/10.1590/10.1590/2316-40185513