Figurações do (anti-)herói épico em “Tô ouvindo alguém me chamar”, dos Racionais MC’s, e “Isso aqui é uma guerra”, do Facção Central

Resumo

O artigo analisa a representação do herói em músicas de dois grupos de rap brasileiros: “Tô ouvindo alguém me chamar”, dos Racionais MC’s (faixa do álbum Sobrevivendo no inferno, de 1997), e “Isso aqui é uma guerra”, do grupo Facção Central (faixa do álbum Versos sangrentos, de 1999). Construo a argumentação utilizando como base o modelo de herói épico concebido por Masaki Mori; não obstante, considero que a figuração dos protagonistas nas referidas canções transforma-os em anti-heróis, na medida em que a narrativa tem o propósito político de funcionar como uma denúncia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARISTÓTELES (2008). Poética. Tradução e notas de Ana Maria Valente. 3. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.
BANKS, Daniel (2010). From Homer to Hip Hop: orature and griots, ancient and present. Classical World, Baltimore, v. 103, n. 2, p. 238-245.
BEISSINGER, Margaret H.; TYLUS, Jane; WOFFORD, Susanne Lindgren (Ed.) (1999). Epic traditions in the contemporary world: the poetics of community. Berkeley: University of California Press.
BLOOM, Harold (2005). The epic. Filadélfia: Chelsea House Publishers.
[CÍCERO] (1954). Ad C. Herennium de ratione dicendi. Tradução de Harry Caplan. Cambridge: Harvard University Press.
CLAUDIO, Ivan (2000). Máquina de escândalos. IstoÉ, São Paulo, n. 1.609, 26 jul. Disponível em: . Acesso: 15 maio 2017.
EDUARDO FACÇÃO (2009). Eduardo Facção: com sede de justiça social. Entrevista a Mandrake e Elaine Mafra. Portal Vermelho, São Paulo, 28 ago. 2009. Disponível em: . Acesso em: 15 mai. 2017.
FACÇÃO CENTRAL (1999). Isso aqui é uma guerra. In: FACÇÃO CENTRAL. Versos sangrentos. São Paulo: Five Special. Faixa 4. Compact Disc.
GARCIA, Walter (2007). “Diário de um detento”: uma interpretação. In: NESTROVSKI, Arthur (org.). Lendo música. São Paulo: Publifolha.
GARCIA, Walter (2013). Elementos para a crítica da estética do Racionais MC’s (1990-2006). Ideias, Campinas, v. 4, n. 2, p. 81-110.
HARDISON, O. B.; HORNSBY, R. A. (2012). In medias res. In: CUSHMAN, Stephen et al. (Ed.). The Princeton Encyclopedia of Poetry and Poetics. 4. ed. Princeton: Princeton University Press.
HORÁCIO (1993). Arte poética. Tradução de Dante Tringali. São Paulo: Musa.
KING, Katherine Callen (2012). Ancient epic. Malden: Wiley-Blackwell.
LEITE, Fabiane (2000). Justiça veta vídeo de rap do grupo Facção Central na MTV. Folha de S. Paulo, São Paulo, 29 jun. On-line. Disponível em: . Acesso em: 15 mai. 2017.
MILLER, Dean (2000). The epic hero. Baltimore: The Johns Hopkins University Press.
MORI, Masaki (1997). Epic grandeur: toward a comparative poetics of the epic. Albany: State University of New York Press.
NAGY, Gregory (2005). The epic hero. In: FOLEY, John Miles (Ed.). A companion to ancient epic. Malden: Blackwell.
O’CONNELL, Erin (2007). Homer and rap: epic iconographies. In: HASLEM, Wendy; NDALIANIS, Angela; MACKIE, Chris J. (eds). Super/Heroes: from Hercules to Superman. Washington: New Academia Publishing.
RACIONAIS MC’s (1997). Tô ouvindo alguém me chamar. In: RACIONAIS MC’S. Sobrevivendo no inferno. São Paulo: Cosa Nostra. Faixa 4. Compact Disc.
Publicado
2018-09-18
Como Citar
SamynH. M. (2018). Figurações do (anti-)herói épico em “Tô ouvindo alguém me chamar”, dos Racionais MC’s, e “Isso aqui é uma guerra”, do Facção Central. Estudos De Literatura Brasileira Contemporânea, (55), 223-237. https://doi.org/10.1590/10.1590/2316-40185512