Três elefantes:

apropriações de Drummond pela poesia brasileira contemporânea

Resumo

Tendo em vista a recepção criativa da obra de Carlos Drummond pela poesia brasileira contemporânea, este artigo examina os poemas “Elefante”, de Francisco Alvim, “Sentinela”, de Chacal, e “Atressi con l’orifanz”, de Eduardo Sterzi, à luz do diálogo que tais composições estabelecem com “O elefante” de A rosa do povo (1945). Entre outros deslizamentos em relação à fonte drummondiana, destacam-se a feminização do animal como meio de acesso à esfera mítica, em Alvim; a interiorização do périplo paquidérmico, em Chacal, e a violência como modo compositivo, em Sterzi.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALCIDES, Sérgio (1999). Elefante à vista. In: AZEVEDO, Carlito; GUIMARÃES, Júlio Castañon (Dir.). Inimigo Rumor. Rio de Janeiro: 7Letras. n. 6.
ALCIDES, Sérgio (2016). A dança do Elefante entre as palavras. In: ALCIDES, Sérgio. Armadilha para Ana Cristina. Rio de Janeiro: Verso Brasil.
ALVIM, Francisco (2000). Elefante. São Paulo: Companhia das Letras.
ALVIM, Francisco (2002). Ela finge, ela se disfarça, ela é muito sonsa. Entrevista a Sérgio Alcides. In: Rodapé: crítica de literatura brasileira contemporânea. São Paulo: Nankin. n. 2.
ALVIM, Francisco (2004). Poemas (1968-2000). São Paulo: Cosac Naify.
ALVIM, Francisco (2011). O metro nenhum. São Paulo: Companhia das Letras.
ARÊAS, Vilma (2000). Orelha para Elefante. In: ALVIM, Francisco. Elefante. São Paulo: Companhia das Letras.
AZUL, Carolina Serra (2013). O eu impossível de Francisco Alvim. In: DAMAZIO, Reynaldo; MELO, Tarso de (Org.). Literatura e cidadania: dilemas entre estética e política no Brasil contemporâneo. São Paulo: Dobra.
BANDEIRA, Manuel (1984). Itinerário de Pasárgada. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; Brasília: Instituto Nacional do Livro.
BORSATO, Fabiane Renata (2011). Sentinelas poéticos: os elefantes de Drummond, Alvim e Chacal. Cadernos de Semiótica Aplicada, Araraquara, v. 9, n. 2.
CHACAL (2007). Belvedere. São Paulo: Cosac Naify.
CHACAL (2016). Tudo (e mais um pouco). Poesia reunida (1971-2016). São Paulo: 34.
CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain (2009). Dicionário de símbolos. 24. ed. Rio de Janeiro: José Olympio.
ELIOT, Thomas Stearns (1917/1989). Tradição e talento individual. In: ELIOT, Thomas Stearns. Ensaios. Tradução, introdução e notas de Ivan Junqueira. São Paulo: Art. p. 37-48.
FONSECA, Maria Augusta (2002). Inconfidências poéticas de Elefante. Literatura e Sociedade, São Paulo, v. 7, n. 6, p. 84-104.
FREUD, Sigmund (1939/1975). Moisés e o monoteísmo. In: FREUD, Sigmund. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Moisés e o Monoteísmo, Esboço de Psicanálise e outros trabalhos. Rio de Janeiro: Imago, 1975. v. 23.
LIMA, Manoel Ricardo de; MELLO, Heitor Ferraz; STERZI, Eduardo (2011). A conversa com o dedo apontado para um cadinho menos literário do poema. Entrevista concedida a Leonardo Gandolfi. In: BASTOS, Dau et al. (Org.). Fórum de Literatura Brasileira Contemporânea 3. Rio de Janeiro: Torre. p. 201-2015. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2017.
MELLO, Heitor Ferraz (2001). O rito das calçadas: aspectos da poesia de Francisco Alvim. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade de São Paulo, São Paulo.
RAMOS, Denise Gimenez et al. (2005). Os animais e a psique. São Paulo: Summus. v. 1.
RODRIGUES, Maria Fernanda (2015). Três festivais literários movimentam São Paulo. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 6 nov. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2017.
SCHWARZ, Roberto (2012). Um minimalismo enorme. In: SCHWARZ, Roberto. Martinha versus Lucrécia. São Paulo: Companhia das Letras.
SIMON, Iumna (1978). Drummond: uma poética do risco. São Paulo: Ática.
STERZI, Eduardo (2002). Drummond e a poética da interrupção. In: DAMAZIO, Reynaldo. Drummond revisitado. São Paulo: Unimarco.
STERZI, Eduardo (2009). Aleijão. Rio de Janeiro: 7Letras.
SÜSSEKIND, Flora (2000). O real da poesia. Folha de S. Paulo, São Paulo, Caderno Mais!, 19 nov. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2017.
VILLAÇA, Alcides (2006). Um elefante de mentira e de verdade. In: VILLAÇA, Alcides. Passos de Drummond. São Paulo: Cosac Naify.
WILHELM, Richard (1999). I Ching. O livro das mutações. São Paulo: Pensamento.
Publicado
2018-09-18
Como Citar
Weintraub, F. (2018). Três elefantes:. Estudos De Literatura Brasileira Contemporânea, (55), 203-222. https://doi.org/10.1590/10.1590/2316-40185511