Literatura como projeto

Resumo

Este trabalho analisa a inserção do projeto Inferno provisório e a trajetória de seu autor, Luiz Ruffato, no campo literário brasileiro. Pentalogia de objetivos sempre bem definidos pelo autor em entrevistas e depoimentos, o Inferno provisório surge como um projeto, mas pode ser analisado sob outro viés quando se esmiúça as posições que o escritor vai ocupando no campo. Assim, são examinados textos públicos em que o autor posiciona sua obra e seu nome na tentativa de identificar e analisar as relações que este estabelece para tentar, de algum modo, situar seu trabalho no espaço de produção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BOURDIEU, Pierre (1996). As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. Tradução de Maria Lúcia Machado. São Paulo: Companhia das Letras.
CARNEIRO, Flávio (2005). No país do presente: ficção brasileira no início do século XXI. Rio de Janeiro: Rocco.
CASANOVA, Pascale (2002). A república mundial das letras. Tradução de Marina Appenzler. São Paulo: Estação Liberdade.
HAUSER, Arnold (1998). História social da arte e da literatura. Tradução de Álvaro Cabral. São Paulo: Martins Fontes.
HOSSNE, Andrea Saad (2007). Degradação e acumulação: considerações sobre algumas obras de Luiz Ruffato. In: HARRISON, Marguerite Itamar (Org.). Uma cidade em camadas: ensaios sobre o romance Eles eram muitos cavalos, de Luiz Ruffato. Vinhedo: Horizonte. p. 18-42.
MICELI, Sergio (2001). Intelectuais à brasileira. São Paulo: Companhia das Letras.
RESENDE, Beatriz (2014). Possibilidades da escrita literária no Brasil. In: FINAZZI-AGRÓ, Ettore; RESENDE, Beatriz (Org.). Possibilidades da nova escrita literária no Brasil. Rio de Janeiro: Revan. p. 9-24.
RUFFATO, Luiz (2008). Até aqui, tudo bem! (Como e porque sou romancista – versão século 21). In: MARGATO, Izabel; GOMES, Renato Cordeiro. Espécies de espaço: territorialidades, literatura, mídia. Belo Horizonte: Editora da UFMG. p. 317-324.
RUFFATO, Luiz (2010). Da impossibilidade de narrar. In: ASSISES INTERNATIONALES DU ROMAN, 4., Lyon, França, 24-30 maio. Disponível em: . Acesso em: 1º jun. 2015.
RUFFATO, Luiz (2011). Ficção de Luiz Ruffato permanece fiel à classe operária. Entrevista a Luciano Trigo. Máquina de Escrever, [S.l.], 9 dez. Blog. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2014.
RUFFATO, Luiz (2013). Eu me dei como tarefa tentar representar a camada social baixa na literatura. Livre Opinião, [S.l.], 20 dez. Entrevista. On-line. Disponível em: https://bit.ly/2B4jaAH>. Acesso em: 1º jun. 2015.
SCHØLLHAMMER, Karl Erik (2007). Fragmentos do real e o real do fragmento. In: HARRISON, Marguerite Itamar (Org.). Uma cidade em camadas: ensaios sobre o romance Eles eram muitos cavalos, de Luiz Ruffato. Vinhedo: Horizonte. p. 68-76.
Publicado
2018-09-18
Como Citar
Cerqueira, R. da S. (2018). Literatura como projeto. Estudos De Literatura Brasileira Contemporânea, (55), 35-49. https://doi.org/10.1590/10.1590/2316-4018553