Poesia, documento, autoria

Resumo

O texto busca comprender procedimentos presentes em alguns livros de poesia contemporânea que, por meio do uso de documentos, ao mesmo tempo questionam a instância de autoria e produzem um estranhamento na percepção do real. Nos casos abordados, o livro de poemas se apresenta como unidade mínima da poesia, o que nos leva a pensar questões que envolvem o suporte – a mídia impressa – como fundamentais para a recepção destas obras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADEUS à linguagem (2014). Direção: Jean-Luc Godard. Paris: Imivision.
ANTELO, Raul (2016). A poesia nao pensa, ainda. In: SCRAMIN, Susana (Org.). Alteridades na poesia: riscos, aberturas, sobrevivências. São Paulo: Iluminuras.
AZEVEDO, Carlito (2016). Livro das postagens. Rio de Janeiro: 7 Letras.
BARTHES, Roland (1984). A câmara clara: nota sobre a fotografia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.
BOURRIAUD, Nicolas (2009). Postproducción: la cultura como escenario – Modos en que el arte reprograma el mundo contemporáneo. Buenos Aires: Adriana Hidalgo.
CESAR, Ana Cristina (1980). Literatura não é documento. Brasília: Funarte.
COELHO, Eduardo (2017). Ressaca do ano seguinte. Posfácio. In: FRANKEL, Roy David. Sessão. São Paulo: Luna Parque. p. 237-244.
DIDI-HUBERMAN Georges (2008). La emoción no dice yo. Diez fragmentos sobre la libertad estética. In: DIDI-HUBERMAN Georges et al. Alfredo Jaar: la política de las imágenes. Santiago de Chile: Metales Pesados.
ESPOSITO, Roberto (2007). Terza persona. Politica della vita e filosofia dell’impersonale. Torino: Einaudi.
FOUCAULT, Michel (1969). L’Archéologie du savoir. Gallimard : Paris.
FRANKEL, Roy David (2017). Sessão. São Paulo: Luna Parque.
GARRAMUÑO, Florencia (2016). O outro avança sobre mim. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 48, p. 11-28, maio/ago. 2016.
GARRAMUÑO, Florencia (2017). Depois do sujeito: formas narrativas contemporâneas e vida impessoal. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 50, p. 102-111, jan./abr. 2016.
GOLDSMITH, Kenneth (2011). Uncreative writing. Managing language in the digital age. New York: Columbia University Press.
GOLDSMITH, Kenneth (2015). I look to theory only when i realize that somebody has dedicated their entire life to a question i have only fleetingly considered. Poetry, Chicago, 1º abr. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2017.
LIMA, Manoel Ricardo de [S.d]. Ler Ana C. é namorar um documento. Suplemento Pernambuco, Recife. On-line. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2017.
REVERSEAU, Anne (2012). Ce que la poésie fait du document: note méthodologique sur les insertions, les emprunts et les listes dans les années 1920. Fabula, Les colloques, Ce que le document fait à la littérature (1860-1940), Paris, 15 set. Disponível em: . Acesso em: 14 jun. 2017.
SILVESTRE, Osvaldo (2016). Back to the future. O livro de poesia como crítica do livro em papel e do e-book. In: PEDROSA, Celia; ALVES, Ida (Org.). Poesia contemporânea. Voz, imagem, materialidades. Belo Horizonte: Editora da UFMG.
TATIÁN, Diego (2012). Lo impropio. Buenos Aires: Excursiones.
WILKINSON, Alec (2015). Something Borrowed. The New Yorker, New York, 5 out. On-line. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2017.
Publicado
2018-09-18
Como Citar
Klinger, D. (2018). Poesia, documento, autoria. Estudos De Literatura Brasileira Contemporânea, (55), 17-33. https://doi.org/10.1590/10.1590/2316-4018552