Mudanças Urbanas e Fragilidades da Política de Memória

Pedro Célio Alves Borges

Resumo


O artigo trata da supressão da memória em formações urbanas contemporâneas, através de pesquisa sobre a destruição do Monumento ao Trabalhador, ocorrida em Goiânia entre 1969 e 1987. O explícito teor socialista impregnado ao monumento desde a sua origem, atraiu ações visando ao seu desaparecimento material e à sua eliminação na memória dos goianienses. Em 1969, ativistas do Comando de Caça aos Comunistas (CCC) derramam piche fervido nos dois painéis que compunham a obra, cujas imagens evocavam as “Lutas dos trabalhadores” e o “Mundo do Trabalho”. Ausência de defesa do monumento e intervenções urbanísticas no espaço da praça em que ele se localizava, concluíram a tarefa do CCC. Orientamos a pesquisa desse percurso com as noções de esquecimento institucional ou obrigatório (Paul Ricouer) e de legitimação política segundo o poder de fixação de versões que se opera no plano simbólico (Pierre Bourdieu). A análise vale-se da operacionalização de três categorias: repressão política, insensibilidade tecnocrática e omissão quanto à memória e à simbologia das lutas dos trabalhadores.

Palavras-chave


supressão ideológica; imagens urbanas; política de memória; Goiânia

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0102-69922017.3202004





Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial 3.0 Unported License.

 

ISSN 0102-6992 versão impressa

ISSN 1980-5462 versão on-line

QUALIS A1