A hierarquização simbólica do Brasil na Copa do Mundo

Michel Nicolau Netto

Resumo


A pertinência de se sediar a Copa do Mundo, tornou-se, para o Brasil, um tema controverso entre 2013 e 2014, focando-se os debates em dois elementos de disputa: os impactos econômicos e sociais do evento. Um terceiro elemento, contudo, também fora mobilizado, mas pareceu bem menos contestado. Argumentava-se que sediar a Copa do Mundo se justificaria pela promoção da imagem do Brasil no exterior. Esta proposta surge justamente em uma situação de economia globalizada, na qual países em todo o mundo disputam a atração de um capital flexível e desnacionalizado. Nesse sentido, as identidades são articuladas como marca no intuito de se produzir o espaço simbolicamente como mais atraente a esse capital, o que se nota, em especial, na promoção turística. Este artigo busca compreender a relação entre a formação das marcas-lugar empreendida pelos órgãos de turismo nacionais, e a promoção da imagem do país no contexto da Copa do Mundo. Será demonstrado, no caso brasileiro, que a pluralidade de agentes interessados na representação do Brasil leva à hierarquização dessas representações, hierarquização que se dá, contudo, não a partir do Estado-nação, mas de empresas globais envolvidas com o megaevento.


Palavras-chave


Copa do Mundo; nacionalismo corporativo; identidade nacional; Embratur; Brasil

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0102-69922017.3201007



Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial 3.0 Unported License.

 

ISSN 0102-6992 versão impressa

ISSN 1980-5462 versão on-line

QUALIS A1