A semântica das preposições pela ótica da ecolinguística

Lajla Katherine Rocha Simião

Resumo


A Semântica tem sido considerada, conforme Couto (2007), como um dos componentes da gramática menos compreendido pelos estudiosos, por isso, durante muito tempo, foi tratada de forma hostil por alguns linguistas, fato que nos despertou o interesse em pesquisá-la. Dessa maneira, temos dois objetivos, que nortearão esta pesquisa, a saber: apresentar a Semântica a partir da perspectiva integradora da Ecolinguística e exemplificá-la. Para tanto, utilizamos as preposições pela ótica da ecologia das relações espaciais, de acordo com a qual todas elas se reduzem à espacialidade, e não apenas as temporais, mas também as abstratas ou nocionais. Selecionamos, como objeto de análise, algumas redações de pré-vestibulandos produzidas no ano de 2015. Nossa base teórica é a Ecolinguística, que é o estudo das interações da língua com o ecossistema, que pode ser natural, mental ou social. Para apresentar a Semântica a partir de uma perspectiva ecológica utilizamos como principal teórico Couto (2007).

Palavras-chave:Semântica. Ecolinguística. Preposições.

 

Abstract:Semantics has been considered, according to Couto (2007), as one of the least understood components of grammar. For this reason it has been treated in a hostile manner by some linguists, a fact that aroused the interest in researching it. Thus, we have two goals that will guide this research: firstly, to present the Semantics from the integrative approach proposed by Ecolinguistics. Therefore, we will depart from the spatial prepositions as they are represented in the Ecology of Spatial Relations, according to which all of them are reduced to spatiality, not only temporal prepositions, but also abstract or notional ones. We selected as object of analysis some compositions produced in the year 2015. Our theoretical basis is Ecolinguistics, which is the study of language interactions with the ecosystem, which can be natural, mental or social. To present Semantics from an ecological perspective we use as the main theoretical approach proposed by Couto (2007).

Keywords:Semantic. Ecolinguistics. Prepositions.

 


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, G. P de. O conhecimento etnobotânico dos Kalunga: uma relação entre língua e meio ambiente. Tese de Doutorado, Universidade de Brasília, 2014.

BORBA, Francisco da Silva. Sistema de preposições em português. Tese de Livre-Docência, Universidade de São Paulo, 1971.

BORGES, L. A. O. A constituição de uma escola ecossistêmica: novas práticas educacionais sob a perspectiva da ecolinguística e do imaginário. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Goiás, 2015.

CASTILHO, A. T. de. O que é Semântica? 2014. Disponível em: http://docplayer.com.br/8920020-O-que-e-a-semantica.html

COUTO, Hildo Honório. Os conetivos. Dissertação de Mestrado, USP, 1973.

_______. O crioulo português da Guiné-Bissau. HamburgO: Helmut Buske Verlag. 1994.

______. Ecolinguística: Estudo das relações entre língua e meio ambiente. Brasília: Thesaurus, 2007a.

______. Ecologia das relações espaciais – as preposições do crioulo guineense. Papia, v. 17, p. 80-11, 2007b.

_______. Ecologia das preposições espaciais portuguesas. Lusorama, v. 83/84, p. 50-79, 2010.

______. O que vem a ser ecolinguística, afinal? Cadernos de Linguagem e Sociedade v. 14, n. 1, 2013.

_______. COUTO, Hildo do; COUTO, Elza K. N. do; BORGES, Lorena. Análise do discurso ecológica (ADE). Campinas: Pontes, 2015.

COUTO, E. K. N. N do. et al. Da fonologia à Ecolinguística: ensaios em homenagem a Hildo Honório do Couto. Brasília. Thesaurus, 2013.

GREIMAS, A. J. Semântica estrutural. São Paulo: Editora Cultrix, 1973.

LANGACKER, R. W. In: GEERAERTS, Dirk; CUYCKENS, Hubert. The Oxford Handbook

of Cognitive Linguistics. Oxford/New York: Oxford University Press, 2007.

SANTOS, E. B. O estudo do significado sob a perspectiva da Linguística/semântica cognitiva. Pontos de Interrogação: Revista de Crítica Cultural do Programa de Pós-Graduação em Crítica Cultural da Universidade do Estado da Bahia, Alagoinhas: Fábrica de Letras/UNEB, v. 5, n. 1, jan./jul. 2015.

ULLMANN, S. Semântica: uma introdução à ciência do significado. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1964, 5.ed.

VANDELOISE, Claude. Spatial prepositions: A case study from French. Chicago: The University of Chicago Press, 1991.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.
';



ECO-REBEL - Revista brasileira de ecologia e linguagem - ISSN: 2447-7052 - ecorebelbrasil@gmail.com / hiho@unb.br