A linguagem da catira enquanto expressão do acaipiramento no nordeste goiano

João Nunes Avelar

Resumo


Este estudo pretende examinar a dança popular da catira como expressão de ajustamento aos meios natural, mental e social, uma construção de equilíbrio ecossistêmico no acaipiramento de Goiás. A solidariedade que existe como forma de cooperação no trabalho coletivo nos núcleos vicinais rurais pode ser expressa em manifestações culturais como essas, revelando um conceito ecológico de comunhão. Nosso objetivo é destacar essa dança sertaneja por meio de estudos bibliográficos, procurando compreendê-la no diferenciado ecossistema rural da microrregião do nordeste goiano. Para isso, as contribuições da ecolinguística, disciplina que estuda as relações entre língua e meio ambiente, servirão de embasamento teórico. A observação in loco dessa dança será de fundamental importância para uma investigação etnográfica também. Nesse contexto, as interações são intensas e diversificadas, compreendendo elementos verbais e não verbais em uma riquíssima composição ecológica da linguagem.

Palavras-chave: Catira. Acaipiramento no nordeste goiano. Linguagem verbal. Linguagem não verbal.

 

Abstract: This article intends to examine the popular dance of Catira as an expression of adjustment to the natural, mental and social environments, in the rural region of the northern part of the state of Goiás, Brazil. The solidarity for corporative work in neighboring rural core can be expressed in cultural manifestations like these, according to the ecologicalinguistic concept of communion. Our purpose is to investigate this rural dance through bibliographic examination, searching for comprehension of this dance in the different cultural ecosystems of the micro-region of northeastern Goiás. Ecolinguistics, a discipline that studies the relations between language and environment, will be the theoretic support. The observation in loco will be of fundamental importance for an ethnographic investigation too. The interactions in the context are intense and diverse, including verbal and non-verbal components in a rich ecological composition of language.

Keyword: Catira dance; Acaipiramento in northeastern Goiás. Verbal language. Non verbal language.


Texto completo:

PDF

Referências


BIRDWHISTELL, R. L. Kinesics and Context: Essays on Body Motion Communication. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1970.

BERNARDES, C. Vida Mundo. Goiânia: Livraria Brasil Central Editora, 1966.

CÂNDIDO, Antônio. Os parceiros do rio bonito: estudos sobre o caipira paulista e a transformação dos seus meios de vida. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2010, 11ed.

COUTO, H. H. do. Ecolinguística: estudo das relações entre língua e meio ambiente. Brasília: Thesaurus, 2007.

_______. Linguística ecossistêmica. Ecolinguística: revista brasileira de ecologia e linguagem (ECO-REBEL), v. 1, n. 1, 2015, p. 36-62.

http://periodicos.unb.br/index.php/erbel/article/view/15135/10836 (acesso: 13/11/16).

_______. Ecossistema cultural. http://meioambienteelinguagem.blogspot.com.br/ , 2016 (acesso: 20/11/16).

COUTO, V. Festa do Divino Espírito Santo – Folia da Roça. Formosa: Artes Gráficas Ribeiro, 2014.

DAVALLON, J. A imagem, uma arte de memória. In: ACHARD, Pierre et al. Papel da memória. Campinas: Pontes, 2011.

HALL. E. T. A dimensão oculta. São Paulo: Martins Fontes, 2005. Edição original em português Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977 (Edição original em inglês The Hidden Dimension.. Anchor Books, 1966).

JACINTHO, O. Esboço histórico de Formosa. Brasília: Academia de Letras e Artes do Planalto, 1979.

NUNES, M. de L. O. ‘Vida Mundo’ de Carmo Bernardes à Luz da Análise do Discurso Ecológica (ADE). In: COUTO, Elza; Albuquerque, Davi (orgs.). Linguística Ecossistêmica & Análise do Discurso Ecológica – Teorias e aplicações. Brasília: Thesaurus, 2015.

PIRES, C. Conversas ao pé do fogo. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 1921.

RIBEIRO, D. O povo brasileiro: evolução e o sentido do Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1995, 2.ª ed. 14.ª reimp.

SAPIR, Edward. Língua e ambiente. Linguística como ciência. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1969, p. 43-62.

TELES, J. R. Formosa no Caminho dos Missionários. In: Ideias Universitárias – Revista da Universidade Estadual de Goiás (Unidade Universitária de Formosa), n. 1, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.
';



ECO-REBEL - Revista brasileira de ecologia e linguagem - ISSN: 2447-7052 - ecorebelbrasil@gmail.com / hiho@unb.br