Pensando a capoeira dentro do ecossistema cultural: algumas reflexões iniciais

Zilda Dourado

Resumo


O presente texto tem como objetivo analisar a capoeira dentro da proposta de ecossistema cultural, proposto por Couto (2016). Para alcançar esse objetivo, o artigo apresenta a história da capoeira no Brasil, referindo-se aos elementos que constituem a sua prática e, depois, avalia-a dentro do conceito de ecossistema cultural. A cultura é compreendida como um conjunto de signos e sistemas de signos de determinada comunidade, melhor dizendo, a totalidade dos signos dessa comunidade, portanto, ela é também linguagem. Como o ecossistema cultural engloba o ecossistema linguístico, conclui-se que a capoeira é mais um componente desse conjunto de signos, ou seja, ela é uma linguagem cultural.

 

Palavras-chave: Capoeira angola, ecossistema cultural, ecossistema linguístico

 

Abstract: The objective of this text is to analyze capoeira in the framework of the cultural ecosystem proposed bde quy Couto (2016). The article will begin by a short presentation of the history of capoeira in Brazil, presenting some of the most important features of this practice, evaluating them as belonging to the cultural ecosystem. Culture is an ensemble of signs or systems of signs of a community, better, it is the totality of signs of this community, therefore, it is language in the broad sense. Capoeira will be seen as a type of cultural language of the Brazilian culture.

 

Keywords: Capoeira angola, cultural ecosystem, linguistic ecosystem


Texto completo:

PDF

Referências


COUTO, H. O ecossistema cultural. In: Disponível em: http://meioambienteelinguagem.blogspot.com.br/ (acesso: 28/06/2016).

________. COUTO, E. N.; BORGES, L. Análise do Discurso Ecológica (ADE). Campinas: Pontes, 2015.

________. COUTO, E.N.; ARAÚJO, G.; ALBUQUERQUE, D. (orgs.). O Paradigma ecológico para as ciências da linguagem: ensaios ecolinguísticos clássicos e contemporâneos. Goiânia: Editora UFG, 2016.

COUTO, Elza K.N.N. Ecolinguística e Imaginário. Brasília: Thesaurus, 2012.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

_______. Campos do imaginário. Lisboa: Instituto Piaget, 1996.

GARNER, M. A Ecologia da língua como teoria linguística. Ecolinguística: Revista Brasileira de Ecologia e Linguagem. v. 1, n.2, p. 53-60, 2015. Disponível em:

http://periodicos.unb.br/index.php/erbel/index (acesso: 25/06/2016).

_______. SUPARDI, I. A linguagem da cerimônia Betungkal: uma abordagem ecológica. Ecolinguística: Revista Brasileira de Ecologia e Linguagem. v. 2, n.1, p. 03 - 17, 2016. http://periodicos.unb.br/index.php/erbel/index (acesso: 25/06/2016).

MAFFI, L. Diversidade linguística, cultural e biológica. In: COUTO, H. COUTO, E.N.; ARAÚJO, G.; ALBUQUERQUE, D. (orgs). O Paradigma ecológico para as ciências da linguagem: ensaios ecolinguísticos clássicos e contemporâneos. Goiânia: Editora UFG, 2016, p.285-325.

PETTER, M. & CUNHA, A.S. Línguas africanas no Brasil. In: PETTER, M. (org.). Introdução à Linguística africana. São Paulo: Contexto, 2015, p. 221-251.

REIS, Letícia. O mundo de pernas para o ar: a capoeira no Brasil. São Paulo: Publisher Brasil, 1997.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.
';



ECO-REBEL - Revista brasileira de ecologia e linguagem - ecorebelbrasil@gmail.com / hiho@unb.br