O ecossistema linguístico e cultural urbano da imigração italiana no eixo Rio de Janeiro-Juiz de Fora

Mario Monachesi Gaio, Mônica Maria Guimarães Savedra

Resumo


Esse trabalho tem o escopo de identificar o ecossistema linguístico dos imigrantes italianos que se dedicaram ao trabalho de distribuição de jornais nas cidades de Juiz de Fora e Rio de Janeiro. Com base nas premissas da linguística ecossistêmica, que enxerga uma Comunidade de Fala (CF) como o ecossistema linguístico por excelência, esta pode ser delimitada pelo pesquisador de acordo com o viés de observação adotado. Compararemos a CF Fazenda do Zé Artino (COUTO, 2016), com a CF desses jornaleiros, apontando as diferenças e mostrando as possibilidades de estudo de ambas sob a perspectiva holística da ecolinguística.

Palavras-chave:Linguística ecossistêmica. Comunidade de fala. Imigração italiana. Línguas em contato.

 

Abstract:This paper has the scope of presenting the linguistic ecosystem of Italian immigrants who dedicated themselves to the work of newspaper distribution in the cities of Juiz de Fora and Rio de Janeiro. Based on the assumptions of Ecosystemic Linguistics, which sees a speech community (SC) as the linguistic eccosystem par excellence. This ecosystem is delimited by the investigator according to his needs. We compare the SC ‘Fazenda Zé Artino’ (COUTO, 2016), with the SC of the newsagents, pointing out the differences between them and showing the possibilities of studying them from the holistic perspective of Ecolinguistics.

Keywords: Ecosystemic linguistics. Speech community. Italian immigration. Languages in contact.

 


Texto completo:

PDF

Referências


BANG, Jørgen Chr.; DØØR, Jørgen. Ecolinguística: um enquadramento conceitual. Ecolinguística: Revista brasileira de ecologia e linguagem (ECO-REBEL), v. 1, n. 2, p. 65-81, 2015. http://periodicos.unb.br/index.php/erbel/index (acesso: 10/09/2016).

BERTONHA, João Fábio. Sob o signo do Fascio: O fascismo, os imigrantes italianos e o Brasil, 1922-1943. Tese de doutoramento, Universidade Estadual de Campinas, 1998

COUTO, Hildo Honório do. Ecolinguística: estudo das relações entre língua e meio ambiente. Brasília: Thesaurus, 2007

___________ Linguística, ecologia e ecolinguística. São Paulo: Contexto, 2009.

___________ A comunidade de fala da Fazenda do Zé Artino. http://meioambienteelinguagem.blogspot.com.br/2016/02/a-comunidade-de-fala-fazenda-do-ze.html , 2016 (acesso: 26/09/2016)

CROCI, Federico. A Imigração no Brasil. In: MELLO, Heliana; ALTENHOFEN, Cléo V.; RASO, Tommaso. Os contatos linguísticos no Brasil. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011

ECKERT, Penelope. Variation, convention and social meaning. Paper Presented at the Annual Meeting of the Linguistic Society of America. Oakland CA, Jan. 7, 2005

ECKERT, Penelope. Three Waves of Variation Study: The Emergence of Meaning in the Study of Sociolinguistic Variation. Annual Review of Anthropology, n. 100, p. 41:87, 2012

FERENZINI, Valéria Leão. Os italianos e a Casa D’Italia de Juiz de Fora. In: Locus: revista de História da UFJF. Juiz de Fora, v. 14, n. 2 p. 149-159, 2008

GAIO, Mario Luis Monachesi. Imigração italiana em Juiz de Fora: manutenção e perda linguística em perspectiva de representação. 111f. Dissertação de mestrado. Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2013

GOMES, Altair Martins. O Estudo de redes Sociais e sua contribuição para a ecolinguística. Atas do IIº encontro brasileiro de imaginário e ecolinguística,11 a 13/novembro/2015, p. 256-271

MUFWENE, Salikoko. Ecologia da língua: algumas perspectivas evolutivas. In: COUTO, Hildo Honório do et al. (orgs.). O Paradigma Ecológico para as Ciências da Linguagem: ensaios ecolinguísticos clássicos e contemporâneos. Goiânia: Editora UFG, 2016

SAVEDRA, Mônica Maria Guimarães; GAIO, Mario Luis Monachesi; CARLOS NETO, Marcionilo Euro. Contato linguístico e imigração no Brasil: fenômenos de manutenção/revitalização, language shift e code-switching. Veredas, v. 19, n. 1, p. 71-91, 2015

TRAMPE, Wilhelm. Sobre o papel da linguagem nos sistemas antropogênicos. Ecolinguística: Revista brasileira de ecologia e linguagem (ECO-REBEL), v. 2, n. 1, p. 41-59, 2016.

http://periodicos.unb.br/index.php/erbel/index (acesso: 20/09/2016).

TRENTO, Angelo. Os italianos no Brasil. São Paulo: Bardella, 2000.

WEINREICH, Uriel. Languages in Contact: Findings and Problems. Haia: Mouton Publishers, 1968 [1953].

WENGER, Etienne. Comunità di Pratica. Apprendimento, significato e identità. Milão: Raffaello Cortina Editore. 2006 [1998].


Apontamentos

  • Não há apontamentos.
';



ECO-REBEL - Revista brasileira de ecologia e linguagem - ISSN: 2447-7052 - ecorebelbrasil@gmail.com / hiho@unb.br