Para compreender o meio ambiente mental

anotações de um ecolinguista sobre o cérebro

  • Genis Frederico Schmaltz Universidade de Brasília
Palavras-chave: meio ambiente mental; regras interacionais; cérebro.

Resumo

O objetivo deste texto é apresentar algumas reflexões a respeito de um dos meios ambientes da linguística ecossistêmica, o meio ambiente mental da língua. É natural que uma postura linguística se preocupe com a memória e com os processos cognitivos ao se abordar a mente humana, no entanto as tentativas de análise se concentrarão em se inserir no aspectos biológicos e anatômicos desse ambiente, uma vez que referir-se à materialidade do que é produzido pelo cérebro não quer dizer trabalhá-lo em si. A partir de leituras de Hickey (1997), Dangelo (1995) e Couto (2012, 2013, 2015), o que se tem é um mapa de funcionamentos aspectuais das regras de interação na ecologia da interação comunicativa a partir de uma perspectiva de redes de atuação do sistema nervoso e suas subdivisões neurais interconectadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Genis Frederico Schmaltz, Universidade de Brasília

Doutor em Linguística pela Universidade de Brasília. Mestre em Letras e Linguística pela Universidade Federal de Goiás (UFG), possui graduação em Letras pela mesma instituição. Integra o Núcleo de Estudos em Ecolinguística e Imaginário (NELIM).

Referências

ALBUQUERQUE, Davi Borges de. A língua portuguesa em Timor-Leste: uma abordagem ecolinguística. Tese (Doutorado em Linguística). Universidade de Brasília, 2014.

AMARAL, J. R.; OLIVEIRA, J. M. Sistema límbico: o centro de emoções. Revista cérebro e mentev. 6, 2000.

BLOOMFIELD, L. Linguistics as a Science. Studies in Philologyv. 27, n. 4, p. 553-557. Published by: University of North Carolina Press Article Stable.

BOYD, R.Do People Only Use 10 Percent Of Their Brains?Scientific American.7 de fevereiro de 2008.

COUTO, H. Mapa Mental. Ecolinguística: Revista Brasileira De Ecologia E Linguagemv. 3, n. 1, 2017.p. 206-227. Disponível em: http://periodicos.unb.br/ojs311/index.php/erbel/article/view/10482

_______. Linguística Ecossistêmica. Ecolinguística: Revista brasileira de ecologia e linguagem, v. 1, n. 1, p. 47-81, 10 maio 2015.

_______. Ecolinguística: um diálogo com Hildo Honório do Couto. Campinas: Pontes, 2013.

_______. Ecolinguística: estudos das relaçõesentre língua e meio ambiente. Brasília: Tessaurus, 2007.

DANGELO, J. G; FATTINI, C. A. Anatomia humana sistêmica e segmentar: para o estudante de medicina. Belo Horizonte: Atheneu, 1995.

GATTASS, R. et al.O pensamento: mapeamento de imagens por ressonância magnética nuclear funcional. Revista Cérebro e mente,v. 9, 2000.

HICKEY,J. Clinical practice of neurologic and neurosurgical nursing. Filadélfia: Lippincott-Raven,1997.

NENOKI DO COUTO, E. K. N. Ecolinguística e Imaginário. Brasília: Thesaurus, 2012.

SCHMALTZ NETO, Genis Frederico. Interfaces entre ecolinguística e sociolinguística interacional. Ecolinguística: Revista Brasileira de Ecologia e Linguagem,(ECO-REBELv. 3, n. 1, 2017, p. 192-205).

_______. O princípio de Borromeu e o ecossistema linguístico triádico. In: Via Litterae. Anápolis. v. 7, n. 1, p. 21-29. Jan./jun. 2015.

SMELTZER, S.C; BARE, B. G. Brunner & Suddarth: tratado de enfermagem médico cirúrgica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.

Publicado
2019-02-10
Como Citar
SchmaltzG. F. (2019). Para compreender o meio ambiente mental. Ecolinguística: Revista Brasileira De Ecologia E Linguagem (ECO-REBEL), 5(1), 113-126. Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/erbel/article/view/22810
Seção
Artigos