Espaços da cena shakespeariana

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Joana Angélica Lavallé

Resumo

A descoberta das ruínas do Globe Theatre e do Rose Theatre em Londres no ano de 1989 propiciou novas perspectivas para pesquisas e especulações a respeito do que teriam sido os espaços de encenação da época de Shakespeare. A partir de estudos de Anne Surgers (2009), Muriel Cunin (2008) e Evelyn Lima (2011 e 2012), o presente artigo pretende discutir aspectos do edifício teatral e da relação do espectador com a cena no período elisabetano, como exercício de gerar subsídios para criações teatrais contemporâneas inspiradas em Shakespeare.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
LavalléJ. A. (2016). Espaços da cena shakespeariana. Dramaturgias, 1(1). https://doi.org/10.26512/dramaturgias.v1i1.9038
Seção
Dossiê
Biografia do Autor

Joana Angélica Lavallé, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Doutoranda do Programa de Pós Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal do Estado
do Rio de Janeiro (PPGAC-UNIRIO) e Professora substituta de Artes Cênicas/Cenografi a e Indumentária
da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Referências

ARONSON, Arnold. Cenografia hoje. In: A[l]berto. Revista da São Paulo Escola de Teatro n°5, 2013. Disponível em: http://www.spescoladeteatro.org.br/revista-sp/revistasp-alberto-05.php. Acesso: 15/08/2016.
BRANDÃO, Carlos Antônio Leite. Grupo Galpão: diário de montagem (Livro 1 Romeu e Julieta). Belo Horizonte: UFMG, 2003.
BROOK, Peter. A porta aberta. Trad. Antonio Mercado. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.
CARASSO, Nathalie Toulouse. La Scène centrale: un modèle utopique?, Agôn. Dossiers, N°3: Utopies de la scène, scènes de l’utopie, Réinventer le cercle. Disponível em
. Acesso em 7/08/2016.
CARLSON, Marvin. A cidade como teatro. In: Revista Percevejo on line, volume 04, número 1, agosto-dezembro de 2012. p. 1-22.
CUNIN, Muriel. Shakespeare et l´architecture. Nouvelles inventions pour bien bâtir et bien jouer. Paris: Honoré Champion Éditeur Br, 2008.
CRUZ, Doris Rollemberg. A cenografia além do espaço e do tempo. In: Revista Percevejo on-line. Volume 04, Número 02, agosto-dezembro/2012.
FERNANDES, Silvia. Teatralidades contemporâneas. São Paulo: Editora Perspectiva, 2010.
GURR, Andrew. The Shakespearean Stage 1574-1642. Cambridge: Cambridge University Press, 2009.
HELIODORA, Barbara. A Inglaterra e o teatro elisabetano. In: CAMATI, Anna S. e Miranda, Célia A. de (org.). Shakespeare sob múltiplos olhares. Curitiba: Ed. Solar do
Rosário, 2009.
HILDY, Franklin. Colocando uma “cinta” ao redor do The Globe. Arqueologia e tamanho do teatro de Shakespeare. In: LIMA, Evelyn F.W. (org.) Arquitetura, Teatro e Cultura.
Rio de Janeiro: Contracapa, p. 117-135.
KOTT, Jan. Shakespeare nosso contemporâneo. São Paulo: Cosac Naify, 2002.
LIMA, Evelyn F. W. Le Groupe Galpão et le spectaculaire: L’exemple de Roméo et Juliette au Shakespeare´s Globe Theatre. Sociétés et représentations v. 31, Paris, p. Publications
de la Sorbonne, 2011, p. 79-86. Também disponível em www.cairn.info/revue-societes-et-representations-2011-1-page-79.htm. DOI, p. 10.3917/sr.031.0079. Acesso 15/05/2016.
LIMA, Evelyn F. W. Notas sobre a cenografia: dispositivos cênicos espetaculares em espetáculos do século XVII e na contemporaneidade. In Revista Urdimento número 20,
setembro 2013, pp. 99-107.
LIMA, Evelyn F. W. Princípios arquiteturais aplicados aos edifícios teatrais em Londres, Paris e Madri no final do século XVI e ao longo do século XVII. In: LIMA, Evelyn
F.W. (org.) Arquitetura, Teatro e Cultura. Revisitando espaços, cidades e dramaturgos do século XVII. Rio de Janeiro: Contracapa, 2012, p. 63-83.
PAVIS, Patrice. Dicionário de teatro. trad. J. Guinsburg e Maria Lúcia Pereira. São Paulo: Perspectiva, 2005.
PORTO, Marta (org.). Nós do Morro, 20 anos. Rio de Janeiro: X Brasil, 2008.
RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. Tradução Daniele Avila. In: Urdimento/Revista de Estudos em Artes Cênicas/Universidade do Estado de Santa Catarina. Programa de Pós graduação em Teatro. Volume 1, n. 15, outubro 2010, Florianópolis: UDESC/CEART, p. 110-126.
RYNGAERT, Jean Pierre. O espaço e o tempo. In Introdução à análise do teatro. São Paulo: Martins Fontes, 1996.
SANTOS, Marlene Soares dos. O teatro e a pólis: Shakespeare e Londres. In: Revista Semear, número 8, 2008. Disponível em: http://www.letras.pucrio.br/unidades%26nucleos/catedra/revista/8Sem_15.html. Acesso em 20/08/2016.
SANTOS, Marlene Soares dos. O teatro elisabetano. In: O teatro através da história volume I. (Org.) Carlinda Fragale Pate Nuñez et alii. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil; Entourage Produções Artísticas, 1994, pp. 69-97.
SHAKESPEARE, William. Romeu e Julieta. Tradução Barbara Heliodora. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997.
SHAKESPEARE, William. Romeu e Julieta. Tradução de F. Carlos de Almeida Cunha e Oscar Mendes. São Paulo: Abril Cultural, 1978.
SILVA, Joana Angélica Lavallé de Mendonça. Espaços para Shakespeare no percurso de grupos teatrais brasileiros: Nós do Morro, Bando de Teatro Olodum e Galpão. 2014. Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas) - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.
SILVA, Joana Angélica Lavallé de Mendonça; LIMA, Evelyn Furquim Werneck. O mundo é um palco: uma cenografia-arquitetura nas cidades. In: O Percevejo Online, v. 8, n. 1, 2016, pp. 132-148.
SURGERS, Anne. Scénographie du théâtre occidental. Paris: Ed. Arman Colin, 2009.