O drama trágico do desdobramento da personalidade em Crime e Castigo

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Ronaldes de Melo e Souza

Resumo




O presente estudo interpreta o romance de Dostoiévski, Crime e Castigo, em intercâmbio dialógico com o drama trágico. Defendemos a tese de que a conduta transgressora de Raskólnikov não se fundamenta no ambiente ideológico de seu tempo, mas tem como móbil recôndito a sua personalidade demoníaca, insuflada por desenfreada vontade de potência. O satanismo que o subjuga não irrompe como determinação exterior, mas emerge do profundo desejo de mando e comando, que remonta ao antigo mitologema grego do homem e ao moderno filosofema da subjetividade. Em consonância com a disposição do protagonista, o drama romanesco se concentra, do início ao fim, na representação das emoções trágicas de aflição e terror, suscitadas pelo plano inicial e pela execução final do morticínio. Na representação da cons- ciência trágica de Raskólnikov, Dostoiévski submete a história do romance a uma revolução radical. A sutileza artística da correlação isomórfica do tema da personalidade cindida em polêmica consigo mesma e da forma monodia- lógica da narrativa singulariza o ficcionista russo. Conforme demonstramos, a revolução ficcional do romance em foco não se limita ao monodiálogo originário do drama teatral, sempre recitado pelo personagem na forma pronominal da primeira pessoa, mas também se atesta no monodiálogo especificamente narrativo, expresso na terceira pessoa e caracterizado pela interação da consciência do narrador e da experiência passional do protagonista.




Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
e Souza, R. (2019). O drama trágico do desdobramento da personalidade em Crime e Castigo. Dramaturgias, (10), 360-381. https://doi.org/10.26512/dramaturgias.v0i10.24891
Seção
Ideias e críticas

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Doistoiévski. Tradução de Paulo Bezerra. Rio: Forense-Universitária, 1981.
COHN, Dorrit. Transparent Minds. Narrative Modes for Presenting Consciousness in Fiction. Princeton: Princeton University Press, 1978.
DOSTOIÉVSKI, Fiódor. Crime e Castigo. Tradução de Paulo Bezerra. S. Paulo: Editora 34, 4 ed., 2002.
FRANK, Joseph. Dostoiévski. Os Anos Milagrosos (1865-1871). Tradução de Geraldo Gerson de Souza. S. Paulo: Edusp, 2003.HOUGH, Graham. Narration and dialogue in Jane Austen. The Critical Quartely, XII, 1970.
JAEGER, Werner. Paidéia. Tradução de A. M. Parreira. Lisboa: Aster, 1966.
LAÍN ENTRALGO, Pedro. Teoria y Realidad del Otro. Madrid: Alianza, 1983.
MOCHULSKY, Konstantin. Dostoevsky. His Life and Work. Translated by Michael Minihan. Princeton-New Jersey: Princeton University Press, 1967.
PASCAL, Roy. The Dual Voice. Free indirect Speech and its Functioning in the Nineteenth-Century European Novel. Manchester: Manchester University Press, 1977.
ROSENSHIELD, Gary. Crime and Punishment. The Techniques of the Omniscient Author. Lisse: The Peter de Ridder Press, 1978.
SOUZA, Ronaldes de Melo e. “A forma ficcional do monodiálogo”. In: – Ensaios de poética e hermenêutica. Rio: Oficina Raquel, 2010, 11-30.
WASIOLEK, Edward (ed.) Crime and Punishment and the Critics. Belmont: Wadsworth Publishing Company, 1962.