Sonoridades, de W. Kandinsky. Tradução e Comentários.

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Anabela Mendes

Resumo




A pequena obra Sonoridades (Klänge), datada de 1912, é porventura a mais bela obra escrita por Kandinsky e por ele ilustrada. Originalmente o volume continha trinta e oito poemas em prosa e um vasto número de gravuras a cor e a preto branco. A edição única foi de 345 exemplares. A obra foi dedicada "Aos meus pais".


Torna-se hoje impossível a reconstituição deste objecto artístico e literá- rio que pretendia sublinhar a qualidade musical dos textos e das gravuras como uma justaposição «sintéctica» de ambos os contributos. A certeza, porém, de que nos poemas reverbera o deslumbramento de Kandinsky pela sonoridade das palavras, deslocadas muitas vezes de sentidos primeiros e suas variações semânticas, sujeitas a inesperada pontuação, é testemunho de uma vontade de experimentação que se fez como se antes nunca tivesse existido poesia. Sonoridades apresenta-se como uma proposta singular de transformar o mundo, seus agentes e respectivos pontos de vista.




Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Mendes, A. (2018). Sonoridades, de W. Kandinsky. Tradução e Comentários. Dramaturgias, (9), 264-360. Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/dramaturgias/article/view/21127
Seção
Textos e versões

Referências

R