Uma metodologia fenomenológica para o desenvolvimento de produtos artesanais representativos da paisagem

  • André Luiz Silva Centro Universitário do Leste de Minas
  • Natália Almeida Brito Cardoso Centro Universitário do Leste de Minas
Palavras-chave: Produto artesanal, Paisagem, Design Emocional, Fenomenologia

Resumo

A prática artesanal em uma sociedade globalizada é um meio de proteção das culturas e identidades locais. Compreender as relações entre paisagem, artesanato, cultura, identidade, inovação e design pode ser uma possibilidade de fomento à preservação e desenvolvimento dessas culturas e identidades. Este trabalho teve como objetivo a proposição de uma metodologia voltada para o desenvolvimento de produtos artesanais que buscam na paisagem subsídio material e/ou conceitual. A paisagem de São Domingos do Prata - MG foi utilizada como estudo de caso para a aplicação da metodologia. Como resultado observou-se que a metodologia apresentou potencial para o desenvolvimento de produtos artesanais representativos da paisagem, através da perspectiva individual do designer que, por meio do método proposto conseguiu identificar signos a partir da análise da paisagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAÚJO, M.M.C. São Domingos do Prata: Uma análise do processo de desenvolvimento. Dissertação (Dissertação em geografia) – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Belo Horizonte, p. 183. 2005. Disponível em:
BRAGA, L. P. História do Município de São Domingos do Prata. São Domingos do Prata. 2001.
CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 2008.
DESMET, P. (2009). Special Issue Editorial: Design & Emotion. International Journal of Design, 3(2):1-6.
INSTITUTO DE GEOGRAFIA APLICADA. Atlas de Minas Gerais. Belo Horizonte. 1982.
KRUCKEN, Lia. Design e território: valorização de identidades e produtos locais / Lia Krucken. -- São Paulo: Studio Nobel,2009.
MARTINS, Cleton. Identidade: percepção e contexto, in MARTINS, Clerton org.). Turismo, cultura e identidade. São Paulo: Editora Roca, 2003.
MASSEY, Doreen. Pelo Espaço: uma nova política da espacialidade. Tradução Hilda Pareto Maciel, Rogério Haesbaert. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2008.
MENEZES, Ulpiano T. Bezerra. A paisagem como fato cultural. in YÁGIZI, Eduardo (org.). Turismo e paisagem. São Paulo: Contexto, 2002.
MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da Percepção. Trad. Carlos Alberto Ribeiro Moura. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.
NORMAN, Donald. Design emocional. Rio de Janeiro: Rocco, 2008
NORBERG-SCHULZ. Christian. O fenômeno do lugar. In NESBITT, Kate (org.). Uma Nova Agenda para a Arquitetura. Antologia Teórica. 1965-1995. São Paulo: Cosac Naify, 2006.
PAOLIELLO, C. & MACHADO, A. Artesanato tradicional como produto das relações fenomenológicas da paisagem. In Paoliello, C. O entendimento do artesanato cultural a partir da identidade, da localidade e do tempo. Pós-Doutoramento, Faculdade de Belas Artes, Secção de Design do Centro de Investigação e de Estudos em Belas Artes, Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal, 2016.
PAOLIELLO, C. Relations between identity and landscape in Brazilian craftwork. Making Futures Journal, v.4, p. 1-15. 2016.
PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO DOMINGOS DO PRATA. Inventário de Proteção: Quadro II. São Domingos do Prata, 2016.
PROGRAMA SEBRAE DE ARTESANATO. Termo de referência. Brasília: SEBRAE, 2004
VERGANTI, Roberto. Design-driven innovation: changing the rules of competition by radically innovating what things mean. Cambridge: Harvard Business Press, 2009.
Publicado
2018-12-31
Como Citar
Silva, A. L., & Cardoso, N. (2018). Uma metodologia fenomenológica para o desenvolvimento de produtos artesanais representativos da paisagem. Revista De Design, Tecnologia E Sociedade, 5(2), 64-83. Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/design-tecnologia-sociedade/article/view/21211