Revisitando a questão complemento vs. adjunto em verbos de movimento à luz da Nanossintaxe

  • Valdilena Rammé
Palavras-chave: nanossintaxe, adjuntos, complementos, verbos de movimento

Resumo

Este squib retoma a discussão sobre as classificações complemento versus adjunto que são tradicionalmente conferidas aos argumentos de verbos de movimento. Proporei que os casos dúbios ou imprecisos encontrados nos dados podem ser mais bem compreendidos à luz de análises mais finas levadas a cabo pelos recentes trabalhos da área da Nanossintaxe. Entre as novas propostas dessa teoria, uma será central para a análise aqui apresentada: a hipótese de que os módulos sintático e semântico constituem um único módulo computacional, sujeito aos mesmos princípios e regras. Tal posicionamento nos forçará a buscar uma resposta para este problema clássico, que considera tanto questões de ordem sintática, quanto semântica. Verificaremos, assim, que uma conciliação entre um tratamento sintático e um tratamento semântico pode ser efetivamente implementada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BEAVERS, J. On the nature of goal marking and delimitation: Evidence from Japanese. Journal of Linguistics, v. 44, n. 2. Cambridge: Cambridge University Press, 2008. p. 283-316.

CAHA, P. The nanosyntax of case. Tese de Doutorado. 334 f. University of Tromsø, Tromsø. 2009.

CANÇADO, M. Argumentos: complementos e adjuntos. ALFA: Revista de Linguística, v. 53, n. 1, 2009, p. 35-59.

FÁBREGAS, A. An argument for phrasal spell-out: Indefinites and interrogatives in Spanish. Nordlyd, v. 36, n. 1,p. 129-168, 2009.

_______. The exhaustive lexicalisation principle. Nordlyd, v. 34, n. 2, 2008, p. 165-199.

JACKENDOFF, R. Semantics and cognition. Cambridge, Massachusetts: MIT Press, 1983.

_______. Semantic Structures. Cambridge, Massachusetts: MIT Press, 1990.

LEVIN, B. English verb classes and alternations: A preliminary investigation. Chicago e Londres: The University of Chicago Press, 1993.

MIOTO, C.; SILVA, M. C. F.; LOPES, R. E. V. Manual de sintaxe. Florianópolis: Insular, 2000.

PANTCHEVA, M. B. Decomposing Path: The Nanosyntax of Directional Expressions. Tese de Doutorado. 301f. University of Tromsø, Tromsø, 2011.

SAEED, J. Semantics. Oxford: Blackwell, 1997.

STARKE, M. Nanosyntax: A short primer toa new approach to language. Nordlyd, v. 36, n. 1, p. 1-6, 2009.

RAMCHAND, G. Verb meaning and the lexicon: A first phase syntax. Cambridge: Cambridge University Press, 2008a.

________. Lexical items in complex predications: Selection as underassociation. Nordlyd, v. 35, n. 1, 2008b.

RAMMÉ, V. Mudança semântica no PB: reanálise restringida pela hierarquia funcional-conceitual universal. Tese de Doutorado. 318f. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2017.

TALMY, L. Lexicalization patterns: Semantic structure in lexical forms. In: SHOPEN, T. (Ed.). Language Typology and Syntactic Description, vol. 3: Grammatical Categories and the Lexicon. Cambridge: Cambridge University Press,1985, p. 57-149.

Publicado
2017-12-12